A Luz da Cidade Branca

Com o título “A Luz  de Lisboa“, foi inaugurada no passado dia 17 de julho um exposição no torreão nascente do Terreiro do Paço.

Com alguma curiosidade, fui até lá num ensolarda tarde de julho com a Salomé, o Gabriel e o Santiago. Chegados à porta a decepção ! Fechada. Sem indicação de horário de abertura.  Anunciada como estanto patente até 20 de dezembro, termos decerto ocasião para lá voltar.

Aproveitamos o tempo para ter a experiência da luz de Lisboa. Uma passagem pelo cais das colunas, batida pela maré, com turistas e tocadores de concertina. Um passeio a pé até ao Cais do Sodré saboreando a renovada Ribeira das Naus. Esplendoroso de vistas, insuportável no Ruído do tráfego, a denunciar o projeto de arquitetura sem atender à experiência. Que me perdoe o Bruno Soares, que sempre quis deixa a sua marca na praça do poder, sem entender o “espírito do lugar”.

No Cais do Sodré apanhamos um cacilheiro, atravessamos o brilhante rio Tejo. Desembarcamos e fizemos a marginal até ao “atira-te ao Tejo”.  Paredes arruinadas por antigas atividades ribeirinhas. Um espaço que tarda a ser requalificado.

No final do percurso, mais uma desilusão !  O elevador panorâmico avariado, abriga-nos a uma íngreme subida. Fomos recompensados por termos Lisboa aos nossos pés. Esplendorosa, brilhante no Tejo. Branca no casario, monumental no traço de contrates com o azul do céu de Lisboa, como só aqui há.

Tentam explicar os cientistas o inexplicável. Só experimentando é que se entende a magia desta cidade. Qual luz, qual geologia, qual qual calçada. É mesmo o conjunto, ou se quisermos a paisagem vivida. O encontro com o real !

Adiante. Subimos até à Casa da Cerca. Exposição sobre a viagem. Cadinhos de memórias em transição. No jardim os cheiros das aromaticas e os frutos das árvores saciaram a fome e a sede dos cachopos. Abrunhos saborosos, ali sobre o Tejo.

Chega a hora do regresso. Descida pela Almada Velha. Uma paragem no largo de Cacilhas para um gelado regenerador, e regresso a Lisboa. Um fim da tarde deslumbrante, com o Tejo a despedir-se vestido de prata.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.