A Reunião dos G7 na Alemanha e o Acordo Sobre Alterações Climáticas

A reunião dos do G-7 Alpes da Baviera Alemã, nos início de junho de 2015 é um grande avanço para o processo de negociação que se irá desenvolver no final do ano em Paris.

As sete maiores economias (Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália e Canadá) tomaram pela primeira vez em conjunto a decisão de descarbonizar as suas economias ao longo do século XXI.

Pela primeira vez na história as economias mais ricas reconhecem a necessidade ultrapassar a dependência dos combustíveis fósseis e procurar alternativas em outras fontes energéticas. É particularmente relevante a posição conjunta da chanceler alemã, Angela Merkel, e do o presidente dos EUA, Barack Obama

O comunicado final da cimeira reafirma a necessidade de conter o aquecimento global em 2º C (3,6 Fahrenheit) em média. O termo de referência é o início da revolução industrial, no final do século XVIII, e reconhece que a economia mundial deve deixar de ser dependente dos combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural), que actualmente é responsável por 80 % da produção de energia. A sua combustão implica uma emissão de cerca de 34 bilhões de toneladas de CO2. As emissões de CO2 são consideradas a principal causa do aquecimento global do planeta.

As projecções feitas pelo painel de intergovernamental das nações unidas para as alterações climáticas prevê, que a  manter-se o ritmo de crescimento da economia mundial, sobretudo com o esforço feitos pelas economias emergentes, as emissões de dióxido de carbono irão produzir um aumento médio da temperatura de 4º C a 6º C. Uma situação que alterará profundamente as condições de vida no planeta. Alterará o ciclo da água, ampliará os desertos e as secas, reduzirá as florestas tropicais, elevará o nível médio das águas do mar. O planeta assistirá a uma quebra global da produção de alimentos, grandes inundações, ondas de calor, tempestades extremas, etc.

A relevância da decisão do G7 de reduzir as emissões de CO2 para sustentar o aumenta do aquecimento nos dois graus não é apenas necessário uma pequena redução das emissões de CO2. Implica que, pelo penos até final do século, elas terminem. Isso implica a descarbonização da produção de energia. Uma decisão política que reconhece o que os cientistas tem vindo a afirmar ao longo dos últimos cinquenta anos, de que a atividade humana está a geral um aquecimento global.

Descabornizar a economia é viável mas não é fácil nem um processo imediato. Ele depende de três factores:

  1. Da capacidade de gerar projectos eficientes em termos de energia. Projeto que sejam capazes de reduzir as necessidades de aquecimento e refrigeração, potenciado as capacidade naturais de ventilação de edifícios e espaço de habitação.
  2. Da capacidade de produção de energia, que deverá aproveitar as fontes renováveis (ventos, sol, geotérmica, marés, hidroeléctrica), deverá potenciar fontes limpas sem recurso ao carbono. Isso, inevitavelmente trará para cima da mesa a questão da segurança da produção de energia nuclear. Uma outra questão, que implicará o desenvolvimento da investigação é a possibilidade de capturar a armazenar o CO2 produzido por combustíveis fósseis (um processo conhecido como CCS Carbone Capture and Storage).
  3. A alteração do modo de produção de combustíveis, deixando os combustíveis fósseis e alimentando a produção de combustíveis eléctricos (ou de hidrogénio produzido pela eletricidade sem carbono) ou biocombustíveis avançados.

A questão mais complexa é a aplicação prática, em larga escala de conceitos gerais da produção de combustíveis e electricidade de forma a manter as necessidades de crescimento da economia. Este é um importante paradoxo que os países em desenvolvimento enfrentam. Para o seu desenvolvimento necessitam da energia, abundante no curto prazo, que a médio e longo prazo se tornará um problema que colocará em causa esse desenvolvimento. Por seu lado, os países desenvolvidos, necessitam de investir elevadas quantias para reconverter as suas infra-estruturas e parque imobiliário para uma economia descarbonizada ou de baixo carbono.

Tudo dependerá fundamentalmente do desenvolvimento tecnológico e de soluções inovadoras. O G7 assumiu o compromisso de “desenvolver e implementar tecnologias inovadoras que se esforçam para uma transformação dos sectores da energia até 2050” e convidou “todos os países a se juntarem-se nesse esforço.”

O processo de descarbonização será um processo longo e complexo, e que vai exigir roteiros detalhados, com reformulações periódicas como as tecnologias evoluem. Sendo a declaração do G-7 apenas uma declaração, é necessário acompanhar e incluir os compromissos de muitos dos maiores países emissores de CO2 do mundo, incluindo China, Índia e Rússia. Foi no entanto um passo crucial para incentivar outros países a incluir a descarbonização nas suas agendas.

Há três momentos que se aproximam na agenda internacional que será relevante para esta matéria.

  1. A reunião de doadores, em Julho em Adis-Abeba, onde será discutido os princípios da ajuda ao desenvolvimento
  2. A assembleia Geral das Nações Unidas en Setembro, em Nova Yorque, onde serão discutidos os Objetivos de Desenvolvimento sustentável
  3. A reunião do Painel Intergovernamental das nações Unidas sobre Alterações climáticas, onde será discutis o protocolo de implementação do controlo de emissão de CO2

Sobre cada um destes temas será desenvolvido em postal nos próximos tempos.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2015, 15 Junho). A Reunião dos G7 na Alemanha e o Acordo Sobre Alterações Climáticas. Global Heritages. Recuperado em 13 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2r1

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.