As agendas das práticas culturais que geram desenvolvimento.

No postal anterior chamamos a atenção para a dinâmica local das intervenções no campo de diversidade cultural que estão a gerar desenvolvimento. Neste último postal sobre esta questão vamos olhar sem uma preocupação sistemática para algumas agendas sobre práticas culturais a partir das nossas observações empíricas. Trata-se duma listagem de observações de um contexto muito dinâmico com instrumentos de observação ainda muito pouco formalizados.

A primeira observação a fazer é que é necessário superar a visão de disciplinas. A cultura e o desenvolvimento é um todo e está em todo o lado. Trata-se fum fenómeno Transdiciplinar. Isto levanta a questão de que em todos os programas, para alem da teoria, é necessário defenir os objetivos de ação.

Segundo, se a cultura e o desenvolvimento são comuns, há que abandonar a tradicional definição de objetivos dos programas de ajuda ao desenvolvimento. Questões como o que é que deve ser feito em cada lugar, como deve ser feito e que resultados deverão ser obtidos deverá deixar de ser definidos de igual forma para todos os lugares. Isso parece ser improvável, num momento em que de redefinem os novos objetivos de Desenvolvimento Sustentável. A questão é saber então se é possível estabelecer compromissos a nível global, suficientemente amplos, para permitir ajustamentos locais.

Terceiro, se a cultura é tudo, ele deverá estar no centro das práticas. Se a cultura permanece como algo de distantes, não prioritário em questões como a fome, a educação, a saúde, o ambiente, ou a energia, ele nunca estará no centro das práticas sociais.

Quarto, apesar de tudo, os trabalhos com grupos e com comunidades subalternizados, tem mostrado a elevada relevância dos processos culturais para criação de processos de integração e reconstrução de sociabilidades. Isso é evidente te nos grupos:

  • Mulheres,
  • Emigrantes,
  • Trabalho com comunidades pobres, com fome e marginalizadas
  • Grupos minoritários
  • Povos indígenas

Quinto, sendo evidente o benefício de partir do lugar da cultura para a construção de políticas publicas, globais e locais, há que procurar incluir os atores nos processos de formulação dessas políticas.

Será necessário portanto

  • Aprofundar a análise da transversalidade da cultura, nos âmbitos das políticas de desenvolvimento. É necessário repensar se a cultura se dissolve em outros sectores, ou assume a sua especificidade
  • É necessário repensar a questão dos “direitos culturais da diversidade cultural”. É um campo de tensão entre a conservação e a recuperação ou revivalismos de identidades, ou mesmo de instrumentos de projecção estratégica, e o processo criativo de construção de riqueza. Há em muitos locais, sobretudo na América do Sul uma grande riqueza de projetos culturais que desenvolvem nosvas praticas que reforça a manutenção dos projetos culturais na agenda política. Algumas prática que emergem no campo do património (por exemplo pontos de memória) são exemplos de criação de reconhecimento criativo da diversidade;
  • É também necessário não esquecer que na segunda metada do século XX são criadas diversas instituições governamentais, (ministério, direcções cultural, serviços culturais que criaram um corpo de profissionais que configuram a emergencia dum campo de políticas públicas para a cultura. Um campo que contagia a intervenção das empresas, quer em praticas quer como espaço de poder simbólico.
  • Apesar da abundante literatura sobre a questão a investigação sobre a relação cultura desenvolvimento ainda não é um campo de resultados consolidados nas ciências sociais, uma situação que se tende a manter devido à falta de financiamento para estas pesquisas.

Em suma

O excesso de retórica, entre concepções generalizadores e amplas do conceito de cultura e o discurso político centrado no objeto não permitem uma clareza na relação entre cultura e desenvolvimento. Isso produz, dum lado opinião do elevado valor da cultura para o desenvolvimento, face à opinião céptica da sua rela eficácia.

Isso tem lavado a procurar analisar com maior clareza a contribuições da cultura para o desenvolvimento. Essa contribuição leva em linha de conta a dimensão da intagiblidade da cultura. O seu valor expressa-se no tempo mais largo, não sendo evidente no temço curto dos projetos. Nesse sentido, a ausência da dimensão cultural está ausente na avaliação dos projetos. Na nova economia, a expressão da imaterialidade tende a ganhar relevância, pelo que emerge uma oportunidade de inclusão duma análise mais profunda.

A cultura apresenta neste domínio uma vantagem no campo da cooperação para o desenvolvimento, o de se apresentar como um espaço de experimentação, cujos resultados poderão ser transmitidos a outros sectores da economia. A cultura é indispensável ao processo de reconhecimento e encontro entre os indivíduos e grupos nas nossas sociedades modernas. Trata-se portanto dum domínio de intervenção global com agentes ou atores de base local.

Há uma esperança  no ar de que haja uma maior presença da cultura nas políticas de desenvolvimento a partir da contribuição desde propostas teóricas e executivas eficazes, ao fim comum de conseguir uma maior eficácia dos compromissos na luta contra a pobreza a nível internacional e os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2015, 8 Junho). As agendas das práticas culturais que geram desenvolvimento. Global Heritages. Recuperado em 21 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2qq

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.