O Culto de Chu Tai Sin dos Pescadores de Macau no Museu do Oriente

pescadoresdemacauSAM_4018

A comunidade de pescadores de Macau é um grupo profissional em acentuado declínio. Dos cerca de 22 mil pescadores restam hoje cerca de 96 famílias que continuam a celebrar o culto da Chu Tai Sin.

Numa iniciativa do Museu Marítimo de Macau e da Fundação Oriente, realizou-se entre Fevereiro e Abril deste ano de 2015 uma exposição sobre as festividades desta comunidade. Uma comunidade que viviam com as suas família em frágeis juncos, numa vida dura e incerta. A festa eram um momento de reencontro da comunidade e de adoração à divindade taoista na procura da boa sorte e saúde. A exposição exibe vários ídolos e constrói uma narrativa sobre o processo de celebração, sem esquecer a apresentação das suas origens junto da comunidade de pescadores de Macau.

A devoção data do inicio da década de 20 do século passado, quando as embarcações rumavam à província de Guandong para capturar corvinas e comercializar o sal  para conservas. Numa dessas viagens, um dos filhos dum armador adoeceu gravemente, tendo procurado num templo xaman. Curado o filho, o armador regressa a Macau e aí passa a organizar as festividades, que rapidamente se estendem a toda a comunidade.

Entre o terceiro e quarto mês lunar, as festas realizam-se em várias cerimónias, sempre no mar. Todos os anos é escolhida uma embarcação para servir de palco das celebrações desse ano. Ao longo da exposição, construída para simular o ambiento no interior da embarcação, descrevem-se os vários passos do complexo ritual das celebrações, com a participação de monges que medeiam a relação entre os espíritos e a comunidade. Entre as várias curiosidades dos rituais, encontra-se a bênção das estatuetas, que acompanham cada uma das embarcações até ao próximo ciclo de festividades.

Os ícones sagrados são uma arte complexa e enraizada na comunidade. Eles representam os antepassados e assumem diversas funções sociais na comunidade. Esta arte está classificada desse 2008 como património imaterial da China. A sua gramática permite fazer uma leitura dos papeis sociais. Por exemplo, uma estatueta sentada representa alguém que já faleceu. Uma figura feminina com o cabelo preso, representa uma mulher casada. Os funcionários administrativos são reconhecidos pela sua postura e vestuário. São um elemento poderoso para o reconhecimeSAM_4018nto social.

 

SAM_4027

SAM_4028

SAM_4016

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.