Lusofonia e novos mitos portugueses- XII CONLAB- XI

cplp-seminario

Verificamos no postal anterior que o campo de significação da “Lusofonia” se prestava a uma confluência de ojetivos “estratégicos” de vários autores portugueses em torno das questões da língua e do espaço. Alguns de defendem o que se poderá chamar “legado” ou “herança” dos portugueses, que produziram uma determinada “aculturação”. A língua seria um desses elementos, podendo verificar-se outros, de tipo “espirituais” mais difíceis de definir. Sem império, defende-se que esse legado se inscreve na tradição universalista europeia. Aqui radicam as visões neo-colonais. Língua e cultura irradiaram da península e, considera-se que mesmo assumindo diversas formações locais, se mantém características essencialmente semelhantes ao radical.

Argumentam os defensores desta visão, que participaram no seminário acima referenciado, que se realizou em dezembro de 1998, tendo as suas atas sido publicadas pelas edições Atena no ano seguinte (1999), que a experiência das comunidades portuguesas no Brasil, fundamentam e prospetivam essa relação previligiadas. Não cabe aqui desenvolver a complexa análise que envolve os vários participantes nesses seminário, que contam, entre outros de alguns dos principais atores e arquitetos do projeto da CPLP.  Salienta-se no entanto, nos vários debates e discussões travadas, que a questão da relação de Portugal com os antigos espaços imperiais se processa fundamentalmente através da organização CPLP, não emergindo a “Lusofonia”, nessa altura como campo semântico.

Estes debates demonstram a complexidade do problemas da Lusofonia. Sendo certo que nela se podem encontrar sonoridades das narrativas míticas sobre o encontro dos portugueses com os outros ( e note-se que nessa narrativa o outro ontológico, não tem existência antes do encontro, e não tem igualmente existência fora desse encontro), ele é certamente insuficiente para trabalhar os processo colonial e pós-colonial português.

Demonstra-se assim a sua desadequação, incoerência, inconsistência.

Assim sendo importa entender o modo de trabalhar este fenómeno. Se por um lado a estratégia da lusofonia de pode considerar como uma processo que emerge numa procura de ressiginificação dos destinos, quiçá, regressando às ligações do passado, mas sobretudo pragmaticamente voltadas para o presente e futuro, por outro lado não podemos deixar de reconhecer, que na praticas das narrativas discursivas o que era o projeto da CPLP, encontrou nesse termos um acolhimento significativo, ao ponto de nele praticamente indisscronizar.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.