Lusofonia e novos mitos portugueses – XII CONLAB X

lusofoniaVimos nos postal anterior a análise de Alfredo Margarido sobre o contexto de emergência do conceito de Lusofonia. A análise de Margarido, não se esgota nessa questão, e a ele havemos de regressar noutra altura. Acentuamos apenas o contexto em que o conceito emerge, já num contexto pós-colonial, afirmando a questão da língua como estratégia de projecção no mundo. Uma estratégia que se inspira na francofonia, mas que, como também salientamos não é clara nos seus objetivos, já que nela confluem diferentes perspectivas ao fenómeno português, mais propriamente da afirmação dos portugueses no mundo global.

Verificado que está o problema da descontextualização do uso do conceito lusofonia para analisar o processo colonial português, avançamos agora para a argumentação sobre a estratégia da lusofonia, onde como verificamos nos postais VI e VII desta série, se presta a confusão, importando clarificar as posições. A questão é saber se a lusofonia é um processo de continuidade dos mitos coloniais, ou pelo contrário resulta duma reformulação ideológica, permitindo a emergência da ideia de “comunidade” no sentido em que todos participam na sua formulação.

Essa é a questão que Filipe Pinto apresenta no seu livro “Estratégias de ou para a Lusofonia“, publicado em 2009 pela editora prefácio, onde se defende que mais do que uma questão cultural ou uma questão linguístico-literária a “Lusofonia” apresenta-se como um  modo de afirmação dum espaço geo-político num mundo global. Defende ainda que a CPLP deveria passar a chamar-se “Comunidade Lusófona”, que tendo por base a língua, deveria assumir a sua forma de horizontal de busca de interesses comuns, assumindo a diáspora de língua. É advoga, na sua conclusão, que essa comunidade de interesses deveria ultrapassar, para efeitos de admissão de novos membros, questão do uso da língua, para se centrar também dos interesses económicos e geo-políticos. Os seja propõe uma estratégia de integração num mundo bipolar.

Ora como temos vindo a a observar essa é já hoje uma realidade, onde para além da Guiné-equatorial, cuja adesão à CPLP ocorre em 2014, conta ainda com países observadores, a Turquia, As ilhas Maurícias, a Geórgia, o Japão, a Namíbia e o Senegal.

Regressando a questão do uso da ideia da Lusofonia no contexto da afirmação dos mitos portugueses, podemos verificar que nesta estratégia, há uma clara voz de enunciação (eurocentrica) que defende a afirmação da dialética da unidade na diversidade. Uma relação tensa que tem vindo a evoluir em função dos interesses geo-estratégicos de cada um dos participantes. Assim se por exemplo países como o Brasil, ou Angola não mostram grandes interesses no uso da plataforma CPLP como instrumentos de relação, prosseguindo as suas estratégias de afirmação nacional, também não é menos verdade que a sua pertença à organização lhes vai permitindo aproveitar as várias vantagens de negócios que vão surgindo.

Assim sendo, verificamos que a “Lusofonia” é hoje mais do que uma a estratégia da língua uma estratégia económica que deixou de estar centrada nos portugueses e em Portugal. Aliás, neste livro é feito um breve resumo do uso to termo “Lusofonia” em vários dicionários e prontuários, cujo uso parece ser integrado apenas durante a década de noventa, como um neo logismo associado o uso da língua portuguesa, que posteriormente vai significando a “estratégia de afirmação da língua”. Ainda segundo o autor, atribui a paternidade do termo a Fernando dos Santos Neves (pagina 55), extamente para formalizar a ideia de afirmação da língua e do espaço.

Regressando à nossa questão do uso do conceito de lusofonia como elemento aglutinador do processo colonial português, podemos considerar que é desadequado, incoerente e inconsistente. Ele deverá portanto apenas ser usado como instrumento de análise das relações de Portugal com o mundo no processo pós-colonial.

E aqui como veremos de seguida o processo pode ser confuso, por se misturar a vontade de afirmação neo-colonial , com base no controlo da língua, com a tal estratégia comum de uma comunidade de interesses. Alfredo Margarido já havia pressentido essa dificuldade no livro que citamos anteriormente afirma ” a criação da lusofonia, quer se trate da língua, quer do espaço,, não pode separar-se duma certa carga messiância, que procura assegurar os portugueses inquietos um futuro” (Margarido, 2001, 12).

(continua)

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.