Lusofonia e novos mitos portugueses – XII CONLAB -VIII

mararido

No postal anterior avançamos na análise da limitação do conceito lusofonia para a compreensão do processo colonial português. Apresentamos a argumentação de Alfredo Margarido sobre três momentos do pensamento colonial. O Espírito de Cruzada, a Missão Civilizadora e o Lusotropicalismo. Nestes três momentos que correspondem a processos de afirmação colonial dos portugueses, não se inclui o conceito de lusofonia.

O “Espírito de Cruzada” corresponde ao primeiro período de dominação colonial. Um período longo que se inicia no século XVI e se mantém até ao século XIX. Não cabe aqui detalhar o processo de dominação colonial português, que apresenta alguma complexidade e não se desenvolve de forma idêntica em todos os lugares. Por espírito de cruzada entendemos o processo de legitimação de domínio sobre o outros, feito através da guerra santa e a imposição da fé cristã. Nem todos os territórios nem todos o momentos serão totalmente explicados, pois o processo de dominação colonial é um fenómeno que emerge na sua dimensão mundial no século XVIII com o desenvolvimento das economias de plantação no novo mundo e com o trafico negreiro a ele associado.Grosso modo a legitimação da guerra e da conquista do território é feita em nome da envangelização.

A “Missão Civilizadora”, como elemento explicativos emerge no final do século XIX como legitimador do processo de dominação colonial. Agora assumido como uma missão, do homem branco, superior, de levar a civilização aos povos selvagens. Feito com base na antinomia selvagem/civilizado tão propagado pelo iluminismo, o processo colonial legitima-se por uma suposta superioridade do homem branco onde a pretexto de civilizar, legitima a violência.

Finalmente o “Lusotropicalismo”, que se fundamenta na teoria do sociólogo brasileiro Gilberto Freyre, emerge nos anos cinquenta e sessenta do século XX, como proposta de legitimação do colonialismos português, fortemente contestado pelos povos africanos e pela comunidade internacional a partir do final da guerra em 1945 e com as vagas de independências na Ásia em em África. Trata-se duma teoria que defende a suposta capacidade dos portugueses se miscigenaram com os outros povos, o que demonstra uma relação horizontal, de igualdade, contrária aos processos de dominação colonial e que teriam como resultado a criação de novas nações. O Brasil era um exemplo, tal como foram algumas comunidades crioulas, em Cabo Verde, em Moçambique e em Goa. O lusotropicalismo é ainda complementado com a teoria dos direitos históricos, que demonstra, segundo os seus defensores uma ligação duradoura no tempo.

Ora sendo estas a três “teorias” de legitimação do processo colonial, onde surge a Lusofonia. A Lusofonia emerge apenas após o período colonial. Para alguns como exemplo de uma proposta neo-colonial, para outros como um projeto  de inserção de Portugal no mundo, ou para ainda outros como uma forma de representação do mundo. Veremos cada um destes aspetos, mas desde já fica demonstrado o argumento de que o termo lusofonia, por anacronismo, não é útil para trabalhar as narrativas coloniais.

(conitnua)

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.