Lusofonia e novos mitos portugueses – CONLAB V

Alfredo Margarido, 2000. A Lusofonia e os Lusófonos: Novos Mitos Portugueses. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas. 89 pp.

 

A propósito do XII Conlab, já aqui tinha ficado a intenção de abordar a questão do mito da lusofonia. Uma questão que foi levantada numa das sessões por Paula de Meneses, a propósito das narrativas sobre a violência no grupo de trabalho 79.

Já no processo de debate e a propósito a violência no projeto colonial português, surgia, com alguma frequência, a referencia sobre a questão da lusofonia como uma narrativa colonial.

A narrativa colonial portuguesa foi indubitavelmente uma narrativa violenta, na medida em que se traduzia num discurso de legitimação do domínio sobre o outro e de desresponsabilização das ações de dominação dos colonizadores sobre os africanos.

A dúvida é se essa narrativa colonial pode ser considerada como “uma narrativa lusófona”. A questão que pretendemos argumentar é que o enunciado lusófono é desadequado, incoerente e pouco consistente como adjetivo da narrativa colonial portuguesa. Uma situação coloquial que lhe advém da sua pragamática, sintáse e semântica.

Um conceito exprime uma ideia. Nesta caso a ideia “lusofonia”. O vacábulo lusofonia ou lusófono, exprime, na sua raíz etimológica, a representação daqueles que falam português. Associa-se à ideia de fala ou discurso ao locus Luso, que por justaposição se agrega ao português. Deixando agora de lado a questão da associação do português aos lusitanos, uma questão que ganha relevância no século XVI, a propósito da narrrativa mitológia de Luís Vaz de Camões em ” Os Lusíadas”e que serve como ideia aglutinadora aos republicanos no final do século XIX, luso como enunciação remete para a forma da linguagem que é o português e imposição da língua foi indubitavelmente um instrumento de dominação colonial. Contudo a expressão “lusofonia” tem que ser trabalhada de forma adequada, pois como enunciação transporta uma carga de significações que importa entender.

Argumentamos que o uso da expressão lusofonia é desadequada para trabalhar sobre as narrativas do processo colonial português nas suas diferentes expressões territoriais, que a sua sintaxe permite verificar que é inconsistente e finalmente analisando a sua semântica verificamos que é incoerente. De seguida verificaremos cada uma destas três entradas metodológicas aplicadas ao campo conceptual da “lusofonia”.

Pensamos que usar as ferramentas de análise da comunicação é um instrumento  útil para entender os processos comunicativos que enunciam a representação do mundo e ajudar à sua regulação como forma de organizar a consciência crítica sobre o encadeamento dos enunciados.

(continua)

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.