Memória Social

scan0015

Estado da Arte

A dimensão social da memória é uma problemática que emerge ciclicamente nas ciências sociais. Frequentemente associada à dimensão dos fenómenos da lembrança e esquecimento do passado vários são os autores (HALBWACHS, 1925,1941), (BLOCH, 1982), (RICOEUR, 2006,) que a conceptualizam como um instrumento de construção de narrativas que fundamentam e orientam a ação O recente bloqueio dos estudos sobre narrativas e representações pós-modernas veio recentrar a problemática das pesquisas sobre a memória social no domínio da transdisciplinaridade. A objetivação dos estudos da sociomnese tem vindo a centrar-se na relação processual entre a produção de elementos socialmente qualificados (objetos de conhecimento) a sua partilha nas comunidades e territórios, através do entendimento das relações (de poder) estabelecidas pelos grupos sociais (em cada presente) com os seus vários tempos (passados e futuros) e que se inserem em contextos espaciais específicos. Fundamenta-se esta relação como uma busca do conhecimento dos fenómenos como fundamento duma ação participativa. A multidimensionalidade da memória social permite a análise dos processos de produção de valor e o ajustamento dos conhecimentos socialmente partilhados como instrumento duma prática social para a mudança, através de metodologias participativas, onde o passado é mobilizado para construir a orientação do presente em função dum desejo de futuro. “A relação do grupo com as suas memórias sociais ocorre no que classificamos como “processo museológico”. Estamos perante um processo que é o objeto do conhecimento museológico. O conhecimento museológico é então um conhecimento que emerge duma prática e duma reflexão museológica que ocorre, como processo, num espaço e num tempo museológicos. A museologia é então o conhecimento que ocorre numa situação diálogo entre sujeitos de conhecimento e os seus objetos sócio mnemónicos num determinado tempo e num determinado espaço” (LEITE, 2011, 502)

Este não é um campo de estudos isento de críticas. Vários autores (OLICK, 2011) e (HUYSSEN, 2003) referem que os trabalhos sobre a dimensão social da memória tem fornecido num espaço de tempo muito limitado, contributos muito fracos para o conhecimento científico. Por outro lado, a relativa decadência dos “estudos culturais” nas academias europeias, tem vindo a fazer diminuir as investigações sobre memórias, representações e identidades sociais. Não obstante, várias têm sido as propostas que procuram explicar as relações analíticas entre memória social e outros processos de investigação científica. As ciências da educação, as ciências cognitivas, a história oral, nos trabalhos de curadoria, os trabalhos sobre as memórias pessoais e histórias de vida, são apenas alguns casos onde se verificam propostas de investigação. (MOSCOVICI, 1991), (NORA, 1984), (ZERUBAVEL, 2003) Em todas elas existe um elemento comum que procura explicar como as sociedades utilizam as suas heranças para reconstruir a sua consciência de ação. A busca dum entendimento sobre a formação da consciência do passado (positivo e negativo) e da sua ligação com a formação de ações (racionais ou não) através da formação de atributos de qualidade constitui um desafio.

Não é lícito ignorar que, muitos dos instrumentos metodológicos que têm sido utilizados nos trabalhos sobre a “memória social” constituem importantes ferramentas de análise dos fenómenos e dos processos de mudança social em contexto de globalização. Esses instrumentos permitem pilotar muitos processos de transformação social onde a ação se centra na participação dos cidadãos. Importa ainda considerar que os contributos desenvolvidos neste campo têm permitido uma abordagem holística da ciência que reúne diversos contributos disciplinares, da biologia, das ciências cognitivas e da comunicação, das ciências sociais e humanas e das humanidades. Também não podemos esquecer o impacto que tem vindo a ter estes instrumentos na recuperação dos conhecimentos das comunidades e das suas relações com o ambiente e com os territórios. Em várias academias e grupos de reflexão, sobretudo a Sul, os estudos sobre a memória social como recurso de transformação, encaminham-se para um campo de investigação consolidado.

Em Portugal a abordagem da dimensão social da memória tem vindo a ser efetuada no âmbito das áreas disciplinares tradicionais. Não de constituiu ainda como um campo de investigação. As questões das representações sociais e das identidades coletivas são abordadas por várias das disciplinas (a história, a antropologia, a sociologia e a psicologia) onde por vezes emergem tentativas de diálogo interdisciplinar. Não se consolidou todavia uma prática de investigação centrada nas comunidades e nas mudanças sociais. Em algumas áreas disciplinares de convergência, como os Estudos Africanos, os Estudos Culturais e ou os Estudos sobre globalização, a questão emerge com alguma transversalidade. Mesmo nestes casos, os estudos das representações coloniais e pós-coloniais ou do sistema mundo acabam por não equacionar a dimensão participativa das comunidades como vetor de transformação.

Ao partirmos de algumas problemáticas emergentes na relação da dimensão social da memória com a globalização, da relação do património com os direitos humanos e da função social da museologia no âmbito do desenvolvimento humano sustentável, procuramos preencher algumas lacunas. Importa verificar se a dimensão social da memória se pode constituir como instrumento de resolução de conflitos, de lidar com a violência e para a reconstrução social (dos espaços sociais e físicos) em situação de catástrofes. De que modo a mobilização dos saberes das comunidades revelados pela dimensão social das suas memórias se constituem como recursos para a ação contra as mudanças climáticas e a degradação ambiental. Como é que esses recursos podem ser socialmente partilhados como instrumento de mudança. Estas questões constituem-se como propostas metodológicas inovadoras para os processos museológicos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.