Museu Afro Brasil

Estrato do Diário de Viagem a São Paulo ( Março 2009)

museuafrobrasilInstalado num edifício de Óscar Nymaier construído nos anos 50 por ocasião das comemorações do 4º centenário da cidade de São Paulo, situado no Parque da Cidade (Ibirapuera), o museu foi reformado em 2004. O seu director Manuel de Araújo é um conhecido artista plástico e coleccionador de arte que procurou, ao longo da sua intervenção artística, a presença da mãe negra no Brasil. Recolheu ao longo de vários anos um importante espólio africano. Este espólio pessoal está instalado no 1º andar do edifício.

É um museu de arte, barroco na sua apresentação, onde o espaço expositivo é trabalhado como uma escultura. Têm um conceito da cultura africana como procura do belo. Está organizada em 6 núcleos temáticos que se interpenetram como se propostas de fusões entre objectos de “famílias” diferentes, e a partir daí criar a unidade de conceito: 1, África; 2- Trabalho escravo; 3 religião (afro-brasileira); 4-Festas; 5: História e Memorial; 6_ Arte dos séculos XVIII, XIX e XX. Têm também espaços para exposições temporárias (preconceito).

O conceito Estético do Museu tem como ponto de partida a questão orientadora de que  “a gente aprende com o belo”. A proposta do museólogo “é que para compreender o Brasil não precisas de se transformar em poeta”. Trata-se dum pequena picardia do director com Mário de Andrade (e também Mário Chagas), que se propõe valorizar a herança negra e a herança mulata (esta mais tímida porque também mais tardia) a partir da estética interna das peças (e do seu processo expográfico), deixando a procura do significado para a experiencia do visitante. Segundo o director, o museólogo, na sua interpretação, está “Entre o homem e os Deuses”.

O serviço educativo do museu tem como objectivo servir de mediadores entre as colecções e o público. Trabalham vários temas como “A força da palavra em África”, A Importância da Oralidade na Cidade, A narração das estórias. A questão das histórias tem-se revelado como um canal de comunicação entre gerações. Para grupos de estudantes o serviço educativo prepara “quebra-cabeças”.

É um museu bastante visitado, com cerca de 12.000 a 15.000 visitantes mês. Em Outubro chegou a ter uma afluência de 30.000 visitantes. Pelas características da sua colecção e do seu tema é muito procurado pela população negra, uma população que ainda vive com diferenças sociais assinaláveis.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.