Novas e reemergentes doenças infecciosas: Saúde Global XI

Novas doenças infecciosas e reemergências

Neste artigo vamos abordar as questões sobre as mais recentes mudanças no campo das doenças infecciosas e como estão a acontecer essas mudanças. De seguida abordaremos o factores de risco no processo de globalização e finalmente aborda-se o caso do HIV/Sida, como exemplo das mutações que estão a acontecer no campo das doenças infecciosas.

Mudanças

As doenças infecciosas entre os seres humanos tem vindo a crescer nos últimos trinta anos, e a tendência é para aumentarem nos próximos anos, bem como surgiram mais tipos de doenças infeciosas e reemergiram velhas doenças com mais virulência. Há já novos tipos de doenças, como o HIV/SIDA o SARS (Síndroma Respiratório Agudo Grave) ou a Doença de  Lyme (Lyme deseas), o virus Nypah ou a gripe H5N1 ou H1N1. Estas novas doenças aparecem por vezes em novos lugares e outras vezes ao mesmo tempo em vários sítios. Quando são doenças já conhecidas em outros lugares toma o nome de reemergentes, como é o caso do  por vírus West Nile (Flavivírus) ou o Monkypox (o pox virus do macaco). Algumas  das doenças que já são conhecidas, por sua vez, tornam-se resistentes aos tratamentos, caso da malária, a tuberculose multi resistente, algumas pneumonias bacterianas ou mesmo algumas doenças sexualmente transmissíveis.

Há alguns fatores que motivam estas mudanças. Aumento da população, aumento da taxa de urbanização e da sua densidade, infraestruturas de água e saneamento débeis ou em colapso, migrações e diversos problemas sociais, a produção industrial de alimentos e a concentração da sua comercialização, mudanças climáticas, mau uso dos antibióticos e dos medicamentos, mudanças culturais e mesmo alterações nas políticas públicas. São fenómenos que tendem a aumentar.

Fatores de risco

A população mundial , estimada no ano de 2000 em cerca de 6, 1 biliões, em cinquenta anos irá situar-se entre 9,4 e 11, 2 biliões. A taxa de urbanização era em 2000 de cerca de 47 &, deverá ser em cinquenta anos de 60 a 65%. há medida que a população aumentar irão também aumentar o contacto e a circulação de seres humanos. É também facilmente previsível que as condições ambientais se alterem com estes fluxos.  Haverá certamente novos vírus a emergirem. São problemas que incidirão sobretudo nos países menos desenvolvidos aumentando os seus problemas. Por exemplo, nestes países, há ainda cerca de metade da população que vive em zonas rurais sem abastecimento de água e sem saneamento. A atividade de ir buscar água, nestas sociedade, é normalmente um papel desempenhado pelas mulheres. Isso aumentará o seu risco. Também o transporte de água das fontes para as cidades, muitas vezes feitas em sistemas pouco eficientes em termos de higiene é um risco que está a aumentar. Não será apenas a limitação dos recursos de água disponível, mas também os riscos da sua contaminação que poderão aumentar no futuros.

A disponibilidade de água é vital paras as comunidades humanas. Quer para o seu consumo, quer para as questões de saneamento. É cada vez mais claro que más condições de saneamento, nomeadamente a defecação em céu aberto está ligado à má nutrição de crianças que constitui um problemas adicional.

O aumento dos movimentos de pessoas é uma oportunidade para os vírus viajarem com mais facilidade. Por exemplo o Ébola pode passar dum país para outro em poucas horas, antes que qualquer sistema de alerta possa ser implementado.  Todos os lugares do mundo estão hoje ligados em pouco tempo.

A questão da produção alimentar, com base na industrialização tem contribuído para um notável aumento das disponibilidades alimentares no mundo. Há mais cereais e carne. Mas esta produção também resulta do aumento do uso de antibióticos, que vão contaminando os alimentos e as diversas cadeias alimentares. Hoje é diferente consumir leite ou produtos da horticultura produzidos localmente do que consumi-los em espaços comerciais que os recebem não se sabe bem de onde nem em que condições foram produzidos. Todos conhecemos as condições de produção da frangos ou porcos em ambiente industrial. Uma doença que surge, e surgem com cada vez maior frequência, implica o abate de toda a produção.  Se em alguns países esse abate é acompanhado pelos serviços públicos, em países com uma menor vigilância ou com um nível de corrupção mais elevado, as possibilidades de uma produção contaminada chegar ao mercado é maior.

As alterações climáticas também estão a afectar os habitats naturais. Por exemplo os mosquitos vivem em ambientes quentes e húmidos. O aquecimento global está a levar a uma ampliação dos habitats favoráveis para os mosquitos, que ampliam a incidência e ou a mutação das viroses

O uso indiscriminado de antibióticos, nos últimos 70 anos, está a produzir uma crescente resistência e a mutação do mundo biológico criando organismos resistentes.

O tratamento desta novas doenças é bastante mais caro. Por exemplo, a tuberculose multi-resistente tem um tratamento bastante mais dispendioso do que a tuberculoso comum. A artemisa, que era uma droga usada para tratar a malária, está a conhecer novas formas de resistência que dificultam o tratamento da doença. O mesmo da tetraciclina para tratar a cólera, a gonorreia multi resistente. E o resistente staphylococci que se transformou num problema nos hospitais de hoje e que está a infectar milhares de pessoas.

O Caso do HIV/SIDA

O caso do HIV/SIDA é um caso que ilustra bem o que está a suceder neste domínio das mutações das doenças infecciosas. O HIV é uma nova doença, que terá sido passada para humanos na África sub-sariana. Será uma doença endémica nas espécies dos grandes símios e terá passado por contágio para os seres humanos. É uma doenças que se transmite por contágios, do sangue ou da saliva. A pratica de atos sexuais potencia as possibilidades de transmissão. O que é surpreendente nestas doenças é que ela, tendo surgido nos anos oitenta, em cerca de uma década, rapidamente se expandiu, contagiando um elevado número de pessoas em todo o mundo. Sendo mais incidente nalgumas áreas (por exemplo na África oriental, onde se tornou epidémica), ela tornou-se uma infecção em todo o mundo.

É um caso de zoonose. Uma infecção que passa de um animal para o ser humano, tendo-se o microorganismos adaptado ao ser humano. A questão que interessa, para compreender este nosso problema das novas doenças infecciosas, é porque é que ele surge mais ou menos ao mesmo tempo em vários lugares do mundo, porque se espalhou tão rapidamente, não só globalmente, mas tão heterogeneamente, e que tipas de medidas de proteção podem ser tomadas.HIVmundo

Por exemplo, a sua expansão em África, tendo surgido por volta de 1984 e atingido o seu apogeu em 1999, a doença expandiu-se de forma muito intensa mas, olhando para a sua distribuição no mapa sub-sariano, mais numas regiões do que noutras.

É claro que o modo de infecção é feito pelo sangue, por transfusão ou por uso de seringas não esterilizadas. Por relações sexuais não protegidas. no caso das relações sexuais, a multivariedade de parceiros é um factor de crescimento da probabilidade de infecção. Pode passar pelo leite materno de mãe para filho.

Há na questão da prevenção uma interessante questão que se prende com a circuncisão masculina. A circuncisão masculina é uma prática antiga em África. todavia na África austral, onde a prática da circuncisão é menor, a incidência do HIV foi maior. Isso poderá esta relacionado com o modo de infecção, através da prática sexual. O indivíduo circuncisado, estará mais protegido pela células do prepúcio que produzem um pappilomavirus que evitam uma maior incidência do contágio.HIVAFRICA

Sendo um prática cultural, a circuncisão é antiga. Se contribui para evitar o contágio é importante conhece-la, mas não constitui uma prevenção eficaz. Muitas das doenças infecciosas tem uma maior incidência em situações em que os determinantes sociais são mais frágeis. As condições socioeconómicas, a violência doméstica, o estatuto da mulher, o tipo de trabalho, a condição de migrante, as práticas sexuais são todo um conjunto de condições culturais que influenciam o contágio e a disseminação das doenças infecciosas. em sáude pública é fundamental não envolver as questões dos valores e da ética das comunidades em que se trabalha ou com o caracter moral do paciente que padece duma determinada patologia.

A questão dos tratamentos dos doentes com HIV coloca este tipo de problemas. Sabemos que as relações sexuais e a troca de seringas aumentar a probabilidade de contágio. Para reduzir essa probabilidade era necessário que as relações passassem a ser protrgidas e a partilha de seringas evitada. Um processo que foi melhor implementado nuns locais do que noutros, através de programas caros, mas nem sempre é fácil de o fazer.

Por outro lado, no caso do HIV há também a questão do diagnóstico da doença. Dada a infecção, após as primeiras 3 semanas de elevada virulência de contágio e sem sintomas, o vírus hiberna por várias semanas ou anos para de seguida ir aumentando a sua capacidade de contágio. São factores que dificultam o rastreio da doença e a sua prevenção, pois durante o período de redução da virulência do vírus, a possibilidade de não ser diagnosticado em análise existe. Em teoria um indivíduo poderá estar durante um tempo bastante grande a ser portador e transmissor das doenças sem o saber e sem tomar medidas de protecção, dele e dos vários parceiros.

HIVContagio

Como prevenção de contágio pós-exposição tem sido eficaz administrar nevirapina. Por exemplo para prevenir o contágio entre mãe e filho em processo de aleitamento. Há outros processo profilácticos podem ser administrados retrovirais, principalmente a grupos de risco. Um ato médico a ser seguido por profissionais.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.