Zoonoses e Doenças Infeccioasa : Saúde Global X

Zoonoses

Neste artigo abordamos a questão das zoonoses. Primeiramente definimos o conceito, em segundo ligar abordamos o seu desenvolvimento, em terceiro as estratégias de controlo e finalmente analisaremos os seu impacto económico.

Zoonose é uma infecção ou uma doença infecciosa que é transmitida de forma normal e em condições naturais dos animais vertebrados para os seres humanos. O agente infeccioso usa um veículo de transporte. Podem ser enzoóticas ou endémicas, que afetam animais de uma dada região, epizooticas ou epidémicas, que ocorrem em determinados períodos ou que são prevalecentes num determinado numero de animais num determinado tempo. Podem ainda ser zooantropnoses, que constituem doenças humanas transmitidas aos animais.

As formas de transmissão das zoonoses também diferem em relação ao tipo. Podem ser de transmissão direta, através dum contato íntimo com um animal infectado, através duma mordidela, através dum arranhão, um esguicho de fluido corporal ou material fecal. Através da inalação de cheiros ou outro processo de inalação de resíduos; ou de transmissão indirecta, por um vetor artrópode (insecto). Mosquitos, Baratas, moscas ou outro animal que transporte um determinado produto duma animal infectado para o ser humano. Um termo que nos deve ser familiar é as espécies de salto (species jumping), que é a transmissão de uma animal para o ser humano, seguido a transmissão entre seres humanos. E esta é o grupo que é mais relevante para o estudo das doenças infecciosas com efeitos epidémicos, como o ébola, o HIV/SIDA, o SARS, a Gripe das Aves e a Gripe dos Porcos

O SARS (Sindroma Respiratório Agudo) conhecido como a Pneumónica Asiática é uma doenças severa que à alguns anos atrás paralisou o mundo. É provocada por um vírus particular chamado coronavírus, uma mutação de RNA de um vírus que está hospedado num lince (que se encontra na Ásia e em algumas zonas de África) que é vendido em alguns mercados na China. A crise que ocorreu deveu-se à infecção dos linces por morcegos. Quando os linces foram abatidos, esguichos de sangue salpicaram ou por inalação, passou para um ser humano, que depois transmitiu a outros seres humanos gerando a febre peneumónica. A doença teve uma maior incidência no sudueste asiático, mas por via de Hong-Kong acabou por se dissiminar por várias partes do globo.Não chegou a ser uma pandemia, mas teve condições para o ser.

A última das pandemias foi o Ébola. Particularmente devastador em África. O processo de contaminação é feito através contagio de fluidos corporais, tal como o sangue ou a saliva. Não parece que haja contágio através das vias aéreas (respiração ou espirro). Através do contágio fica-se doente. Não se tem a certeza da forma como se iniciou a epidemia, mas pensa-se que o contágio desse vírus particular foi feito através do morcego da fruta. Terá sido através da alimentação desses frutos contaminados que a doença se terá difundido entre humanos, e entre estes, por via de contágio de fluidos. Foi um animal que contagia um alimento, que depois contagia um ser humano que por sua vez espalha a doença.

ebola

Uma outra doença o Virus Nipah (Nipah viurus)  que tem origem nos morcegos gigantes da fruta. É uma doença nos dias de hoje com uma fraca incidência, que se registou sobretudo na malásia, e que se registou em árvores de fruto. A região era povoada por varas de procos que se alimentavam de fruta caída. Os porcos desenvolveram a infecção através da fruta contaminada do chão. Os porcos quando foram abatidos passaram a doença para os humanos. O vírus passa do morcego para a fruta, da fruta para os porcos e dos porcos para os seres humanos, que por sua vez a disseminaram entre si. Dos cerca de 250 casos de infecção, a taxa de mortalidade foi cerca de 50 %, numa epidemia entre 1998 e 1999. Para além disso, os porcos doentes que foram levados para o mercado, sem que os compradores suspeitassem das doenças, contraíram através do seu consumo peneumonias.

Esse é um fenómeno que já não se manifesta na Malásia, que acabou com a industria de carne de porco, que na altura assumia uma certa dimensão, por causa desta epidemia. No entanto, no Bangladesh também há surtos desta doencça Nipah, embora não haja criação de porcos, uma vez que como país muçulmano não se consome essa carne. Pensa-se que aqui o vetor de transmissão será na mesma o morcego, através do sumo de palma (sure) que os agricultores produzem. Como o sumo é douçe, os morcegos devem bebe-lo dos potes e através da defecação, contagiar o sumo, que depois de bebido, passa para o ser humano. Tal como no caso da malásia, a taxa de mortalidade é elevada, cerca de 50 %, chegando nalguns casos aos 60 %. Os sintomas são os de uma meningoencefalite que se manifesta no cérbero. Algumas medidas que impedem os morcegos de beber o sumo, como por exemplo tapar os potes com esteiras de bambu, tem permitido diminuir eficazmente a manifestação da doença. Também aqui do morcego para o sumo, do sumo para o ser humano e entre eles a disseminação, embora apenas através de contactos íntimos e da gotículas de saliva. É necessário estar muito próximo do indivíduo infectado para apanhar a doenças.

Como se controlam as doenças infecciosas.

processosdecontagio

No diagrama acima pode-se ver a relação entre os diferentes processos de transmissão e emergência de doenças infecciosas entre animais e humanos. Elas podem ocorrer entre vida selvagem e animais domésticos (e destes para seres humanos) como também podem ocorrer directamente entre animais selvagens e seres humanos. Todos eles podem interagir entre si. Processos de industrialização alimentar, viagens, urbanização ou manipulação genética são factores de risco. Mas igualmente a interacção entre animais selvagens com animais domésticos, com os quais tem relações genéticas de proximidade, podem dar origem a transmissões que se podem transmitir para os seres humanos. É necessário estar atento as estas relações e criar diferentes estratégias para minorar cada uma das possibilidades enunciadas.

As maiorias das doenças infecciosas emergentes, na maioria dos casos, estão relacionadas com zoonoses e são mutis caras de solucionar. Por exemplo a Febre das Vacas Loucas nos anos noventa, produziu um prejuízo de cerca de 9 bilhões de U$. A Nipah, na Malásia cerca de 540 US e a SARS, que começou na Cinha mais de 50 bilhões de U$. A Gripe Asiática (Swine Flu) conhecida como H5N1 produziu biliões de dólares. Uma outra gripe, conhecida como Gripe dos Porcos (H1N19 produziu um impacto económico desatrozo no México. Para além do abate dos procos, registou-se uma perda nos resultados turísticos de nos fluxos internacionais, devido ao cancelamento de viagens.

O impacto das zoonoses tem sido crescente no mundo atural. Há um programa da Nações Unidas “one health” que tem como objetivos relacionar a saúde humana com a saúde animal e minorar os seus impactos negativos

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.