Controle de doenças Infecciosas : Saúde global IX

Controle, eliminação e erradicação das doenças infecciosas

Controlar erradicar e eliminar doenças infecciosas são três conceitos que importa clarificar. Controlar, significa reduzir a prevalência e a incidência do número de casos da doença. Reduzir o número de casos novos num determinado período de tempo e reduzir a manifestação das doenças para um número considerado adequado para as condições de saúde pública do país. Para um nível que se considere que já não constitui uma prioridade para o sistema de saúde pública do país.

Eliminar uma doença infecciosa é reduzir a sua taxa de incidência ou da taxa de infecção para zero. Uma doença eliminada não significa contudo que não haja necessidade de manter um sistema de vigilância a um nível adequado. A doença pode não se manifestar, mas pode estar endémica e poder ocorres em função de variação de determinadas condições. A erradicação é a redução global da doença em todo o mundo. O agente já não está presente na natureza, e não é necessário qualquer intervenção.

O critério de erradicação implica portante que os humanos sejam os únicos reservatórios para o agente e não existam vectores de infecção fora dos humanos. Significa a ausência total de possibilidade de transmissão. Significa que não haja indivíduos portadores da doença, mesmo que não estejam doentes. Essa é uma situação que é rara. Apenas há um caso em que a doença foi globalmente erradicada: a varíola. Isso foi feito através da vacinação.

Há outras doenças infecciosas que estão próximo da erradicação. Por exemplo o verme da guiné, um verme que vive na pele de mamíferos em diversos países subsarianos e asiáticos ou o tétano neonatal, que também resulta de de vacinação. No nosso ambiente há já muito poucos bacilos do tétano, a poliomielite está muito próximo da erradicação, mas ainda se registam alguns casos em África e na Ásia. A difteria tem vindo decrescer, tal como a lepra. Mas estarem próximo da erradicação, significa que ainda existem. Em muitos locais estão eliminadas, significando que não existem riscos de infecção, mas que todavia podem surgir em função de movimentos de população.

A varíola é a única doença que foi erradicada porque já não há incidência nos animais, que eram os únicos portadores para os humanos. Nenhum humano transporta o agente e não há possibilidade de transmissão através de casos clínicos. Desenvolveu-se um sistema de vacina muito eficiente. Também foi feita uma investigação extensa e a doenças transmitia-se com muito pouca velocidade entre humanos. Apesar de no passado ter sido uma doença terrível, foi possível de identificar o agente e combate-lo. Os últimos casos de varíola registaram-se em 1976 no Bangladesh e em 1977 na Somália.

A próxima doença a ser erradicada poderá ser a poliomielite. Já há poucas incidências. É uma doença que desenvolve a paralisia dos membros inferiores. Por vezes desenvolve-se em regiões do cérbero e causa problemas respiratórios graves que conduz à incapacidade de respiração autónoma. É difícil de dizer que está erradicada, mas já foi eliminada em 98 % do mundo actual. Há uma vacina barata a eficiente para a poliomielite.

A poliomielite foi eficazmente combatida na Índia através da vacinação, nos anos noventa. Em 1994 havia um número elevado de casos. Através da vacinação de todas as crianças abaixo de uma determinada idade, em pouco mais de cinco anos registou-se uma redução substancial da incidência da doença, encontrando-se hoje praticamente erradicada.

Há outras doenças com decréscimo de incidências acentuado e que registam um número muito escasso de novos casos com uma diminuição acentuada da sua mortalidade. O Sarampo é uma delas, que foi uma das doenças mais mortais para crianças, sobretudo em paíse de baixo e média renda. A Febre reumática que afecta o coração, a hepatite B, que por vezes conduz ao cancro do fígado, a úlcera péptica ou o heliocobacter que com os tratamentos de antibióticos ou com vaso bloqueadores viram reduzir a incidência. O tétano neonatal é hoje raro de ver, porque as mães estão hoje imunes e não passam para os filhos.

Em suma se há apenas um doença erradicada, e eventualmente outra em vias de o ser, à uma grande conjunto de doenças que avançam para uma clara eliminação através das campanhas de vacinação e através de novos tratamentos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.