Padrões das Doenças Infecciosas: Saúde Global VIII

As mudanças de padrões das doenças Infeciosas: Tempos e Lugares

As doenças infecciosas estão a mudar de padrão. É uma variação de padrão e de história. As mudanças derivam de medidas de controlo, de irradicação ou de eliminação das doenças infecciosas, zoonoses, doenças emergentes ou reemergentes, diarreias, doenças respiratórias nas crianças que criam ou podem contribuir para aumentar a mortalidade infantil.

O conceito de doença infecciosa é doenças que resultam da intervenção de um agente externo: o agente infeccioso. A Intervenção do agente infecciosos é um processo de entrada, crescimento e multiplicação, no corpo dum individuo ou indivíduos, de bactérias, vírus, parasitas, protozoários, fungos, Rickettsia e Prions.

Alguns termos são úteis para estudar ajudar a entender as doenças infecciosas: A incidência duma doença, é o número de uma dada unidade de tempo em que se manifesta a doenças, medida em números de dias, semanas, meses ou anos. A prevalência é o número de casos em que ocorre uma doenças num determinado tempo.

As doenças infecciosas manifestam-se ao longo da história da humanidade de diferentes formas. É útil entender a maneira como as epidemias se manifestaram, para compreender o impacto que tiveram na sociedade. Uma epidemia é um elevado número de casos de uma determinada doença que ocorre num determinado lugar. Um pandemia é uma epidemia que cobre todo o mundo, um fenómeno que é cada vez mais fácil de acontecer nos tempos atuais, devido ao elevado ritmo de trocas entre os diversos espaços geográficos. As principais doenças infecciosas são a cólera, a febre amarela, a peste negra, a gripe, a varíola, o sarampo.

As várias doenças tiveram diferentes incidências ao longo dos tempos. As doenças infecciosas também resultam de alterações na natureza que levam a diferentes formas de ocorrência. Por exemplo a Peste Negra, que afectou a Europa no século XIV levou a uma taxa de mortalidade que variava entre 30 %a 70 % em diferentes regiões. A varíola e a cólera, levada pelos conquistadores europeus para as Américas dizimaram praticamente 90 5 da população americana. O surto de pneumónica que eclodiu na Europa em 1918, provocou uma mortalidade de vários milhões de pessoas, que abalou um continente, já bastante fragilizado por causa das guerras. O efeito duma epidemia é bastante alargado com a globalização. Por exemplo, nos anos oitenta, a gripe asiática, foi um dos primeiros fenómenos que permitiu entender os riscos que as actuais sociedades enfrentas face a um surto ou mutação de um agente infeccioso.

No passado, o desconhecimento das razões das infecções levava a graves problemas sociais. Por exemplo, na Europa durante o século XIV acreditava-se que andar com bicos de pássaro, ajudava a prevenir a peste, o que de certo modo era verdadeiro, pois criava um espaço pouco favorável à inalação do agente infeccioso. Mas por vezes, acreditava-se que a doença era motivada por intenções malignas de alguns membros da sociedade ou por aqueles que praticavam ações fora do que se consideravam “normal” ou correcto. As crenças conduziram a grandes violências e mortandades na fogueiras ou a ostracismo de todo o tipo de minorias, com acusação de feitiçaria ou de serem hereges. A ignorância é pois um elemento que agrava os efeitos das epidemias. Nos dias de hoje, algumas doenças infecciosas, como por exemplo o HIV/SIDA também produziram, sem razão, ostracismo de grupos sociais que podem ter resultados negativos no controlo da doença.

Se alguém é exposto a um agente infeccioso, com elevada probabilidade pode suceder uma das seguintes situações:

31processodeinfecao

Mesmo que não haja infecção, o agente pode transportar o agente infeccioso e transmitir a outro indivíduo. Por essa razão devem ser tomados procedimentos adequados a evitar a propagação da doença através da restrição e controlo de movimentos das população, o que nem sempre é eficaz.

Algumas das questões que afetam ou influenciam a transmissão do agente infeccioso passam por saber e registar as seguintes questões:

  • Qual é o agente. Saber se é uma bactéria, um vírus ou outro agente;
  • Como é que se apresenta (sintomas) da infecção;
  • Qual a causa da doença e de que tipo de trata,
  • Saber se o desenvolvimento da doença conduz à morte e qual a taxa de sobrevivência;
  • Saber se há um hospedeiro animal que transmite ao humano, ou se á uma transmissão entre humanos,
  • Saber, nos casos ocorridos, a idade, sexo, a profissão, o comportamento, o estado nutricional, e pode também ser útili recolher informação sobre o estatuto social;
  • Saber qual o ambiente é que o doente vive (condições da habitação e sanidade)
  • Qual é o clima predominante, em termos de temperatura e humidade relativa,
  • Quais são as crenças predominantes e que tipo de procedimentos as crenças apontam para situações de doença
  • A qualidade do ar, da alimentação das populações da área de incidência e qual a extensão dessa área.

Um dos principais problemas das infecções nos indivíduos, com implicações nos processos de controlo, relaciona-se com o processo em que a doença está em incubação, ainda sem sinais exteriores, mas que já pode ter tornado o indivíduo num agente infeccioso. É importante ir fazendo o rastreio das doenças para saber a sua possibilidade de extensão no grupo social ou área geográfica onde o indivíduo se moveu.

31infecaonos individuos

Mudanças nos padrões das infecções

Nos últimos 100 anos as doenças infecciosas tem vindo a ser reduzidas e controladas na maior parte dos países. Há uma nítida redução da mortalidade e da morbilidade produzida por doenças infecciosas na maior parte dos países. Algumas das razões para essa alteração tem a ver com as melhorias no abastecimento de água e saneamento, na capacidade de reduzir a incidência da tuberculose, uma melhor cultura na sociedade em relação os comportamentos básicos de higiene, sobretudo na educação das crianças. Regras como lavar as mãos ou tomar banho com frequência tem sido bastante eficientes. No entanto, não existem iguais condições em todos os lados e sítios urbanos. Os locais onde as latrinas são a ceu aberto ou ao ar livres, onde não há águas tratadas, ou onde o consumo de água é feito em locais de águas estagnadas, são exemplos de locais de elevado risco que implica tomar medidas de saúde pública. Por exemplo criar latrinas sem contaminação para o ambiente, ou evitar deitar dejectos para o exterior, ferver as águas para alimentação são medidas eficazes para diminuir os riscos.

Vacinação

Um outro processo de evitar as doenças infecciosas é a vacinação. Há muitas doenças infecciosas que são hoje muito menos incidentes do que no passado pela utilização de vacinas. A primeira vacina foi produzida em 1796 e foi usada contra a varicela. No século XIX surgiram as vacinas contra a Raiva, a cólera, a febre tifóide e a bubónica. No século XX contra a difeteria, a tuberculose, e tosse convulsa. Nos anos 50 contra a poliomielite, e nos anos oitentas, contra a hepatite, A e B, a meningite e contra vários pneumococos. A utilização das vacinas permitiu diminuir de forma acentuada a incidência das várias doenças. Contudo, nem todas as vacinas estão disponíveis em todos os lugares e a sua aplicação não ocorre ao mesmo tempo em toda a população.

Um outro fator que ajuda a combater as infecções produzidas pelas doenças infecciosas foi a descoberta dos antibióticos. Em 1930 os sulfamidas e em 1944 cura da tuberculose. A combinação da vacinação, como prevenção, e dos antibióticos, como terapêutica, levaram a uma forte recessão da incidência deste tipo de doenças, e à erradicação de algumas.

Há no entanto que manter algumas medidas para vigiar e controlar as doenças infecciosas. É necessário manter a vigilância e relatar as suas ocorrências. É necessário saber quem tem e como apanhou a doença. Há que manter com habtio as regras de higiene e sanidade. Lavar as mãos, a educação nas escolas, monitorar a evolução das doenças, observar os comportamentos sociais e manter o marketing social. É necessário estar vigilante e aplicar correctamente as terapêuticas. No campo das doenças infecciosas, o tempo é determinante par controlar o alargamento da incidência das doenças. As doenças infecciosas vão continuar a desenvolver-se no mundo e vão continuar a ocorrer. Uma boa redução das taxas de incidência e mortalidade não implica uma diminuição dos esforços de vigilância.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.