Impacto da globalização na Saúde Global – VII

O processo de globalização levou a um mundo interdependente. Depois de no século XIX a industrialização e a urbanização terem constituído os modos dominantes de criar crescimento na economia, e de criar processos de melhoria na saúde pública, o século XX viu surgir um modo de organizar a economia e as sociedades diferentes. Vimos as doenças não comunicativas, ditas do progresso, tornarem-se dominantes em todo o lado, ao mesmo tempo que as infecções e os agentes infecciosos viajem muito mais rapidamente. A globalização traz, para a saúde global, vantagens e desvantagens. Como em todas as coisas à que defenda e que critique, quem se entusiasme e quem seja mais cético. No entanto à que analisar o novo fenómeno para procurar as melhores soluções.

Há claras vantagens nos processos de integração económica. A circulação de capitais, bens e serviços, das tecnologias, do trabalho e do saber é benéfico.

Mas também trás inconvenientes. Para além da facilidade de viagem dos agentes infecciosos sabemo que o crescimento económico que a globalização procura catalizar não é infinito e não é necessariamente sempre crescimento. Doenças derivadas de hábitos de vida ou alimentares não saudáveis também se tornam globais, aumentando o risco das populações de cada vez mais regiões a este tipo de patologias. Há vário casos, como por exemplo o aumento da obesidade na população mexicana, nos anos 80, com o crescimento exponencial da importanção de produtos alimentares americanos embalados. Mas também a globalização pode trazer efeitos positivos, como sucedeu na Polónia, onde os níveis de saúde da população melhoraram substancialmente nos últimos quinze anos com melhorias no sistema de abastecimento alimentar. Há também um conjunto de vantagens no campo do conhecimento médico com a globalização. O Conhecimento pode agora ser acessível em todo o mundo.

No entanto, a globalização e o seu sistema de crises cíclicas traz vários problams. Por exemplo as políticas de ajustamento estrutural, levadas a cabo em países como por exemplo a Rússia nos anos noventa, levaram a claras deficiências no financiamento dos sistemas de saúde pública, com reflexos na saúde da população. Também na China, com a crescente mercantilização da saúde, regista-se uma tendência para uma diminuição dos indicadores de saúde.  Há no entanto paíse, como sucedeu na Tailanda, que resistiram às políticas de austeridade, e que mantiveram, contra a pressão das organizações internacionais, o financiamento ás serviços de saúde, mantendo e melhorando os seus indicadores. As várias organizações internacionais acabaram por considerar os efeitos negativos das reformas que propuseram, nomeadamento a limitação ao acesso aos serviços de saúde, com a introdução de taxas moderadoras, ou por um insuficiência no financiamento do sistema.

Há um outro importante impacto da globalização no sistema de saúde global que deriva da livre circulação de pessoas. Os pessoal médico e qualificado no campo da saúde é mais facilmente atraído ara regiões mias seguras e melhor remuneradas, o que cria dificuldades de cobertura em diversas regiões do mundo. É necessário um código de ética para assegurar a distribuição de pessoal qualificado por todas as regiões.

Um outra tendência da globalização, com efeitos na esfera da saúde global, é a tendência cada vez maior da investigação ser financiada por findações e empresas privadas. Nem sempre há uma coincidência entres os interesses globais e os interesses do mercado e das corporações. Isso é susceptível, por exemplo, de introduzir distorções nos processos de investigação, favorecendo uns em detrimento dos interesses gerais.

A globalização também tem produzido alterações noutros sistemas com resultado que tem impacto nos sistemas de saúde global. Por exemplo, na agricultura, a predominância do mercado e da produção extensiva em regime de monocultura, não só está a diminuir a diversidade da base alimentar e a destruir ecosistemas, como introduz lógicas que destroem recursos das populações. Por exemplo a produção de sementes através de processos de produção industrial ou a tendência do mercado para previligiar a produção de carne, levará, nesta caso, mantendo-se o crescimento previsto do consumo, a um impossibilidade de recursos para satisfazer a procura. Isso já está a ser visível, por exemplo ao nível dos recursos marinhos. O ambiente é outro sector onde a globalização também produz efeitos com reflexos na saúde global. A degradação do ambiente tem um reflexo na saúde pública. Por exemplo, o processo de transferência da industrias poluentes para países mais pobres, para aproveitar uma mão-de-obra mais barata, tem efeitos negativos nesse paíse, que já por sí são mais frágeis em termos de sistemas de saúde pública, introduzindo novas pressões que implicam a mobilização de mais recursos.

Mas por outro lado a globalização pode ser uma oportunidade para corrigir as distorções e conseguir alcançar condições para uma maior equidade na saúde global.

Sabemos que o crescimento económico, por si só não gera uma melhor saúde global. É necessário que o crescimento económico se faça com equidade. O mercado por si só não resolve os problemas das sistemas sociais. É necessário criar também alguma ação colectiva para criar equidade. O mercado gera assimetrias que é necessário ir corrigindo. É necessário que os podere públicos tomem uma série de medida para corrigir os mercado.

As medidas de ação podem ser, por exemplo, criar consciência da consumidores saudáveis e dar incentivos ás industrias de produção de bens alimentares saudáveis. Uma sociedade com saúde é mais produtiva, e uma população com um trabalho estável consome mais no mercado e com mais responsabilidade. É necessário criar condições para que a população aceda a uma alimentação saudável através do incentivo às industrias de produção de bens alimentares saudáveis.

A globalização criu uma superfície onde é mais fácil navegar. Mas por vezes a superfície é inclinada. Há que manter a superfície plana e equitativa. Sem isso não é possível alcançar uma melhoria nos indicadores da saúde global. Para isso é necessário criar um compromisso global e corrigir as assimetrias do mercado. É necessário assegurar que as instituições globais estão ao serviço da equidade e da justiça. É necessário que os diversos pasíses tenha consciência das armadilhas das dívidas externas. É necessário não confiar nos mercados financeiros. Sabe-se que ao menor sinal de fragilidade dum mercado, que os investidores desaparecem. O mercado financeiro é um mercado muito volátil e tem um risco muito elevado de sustentabilidade. É necessário proteger alguns serviços do mercado. Serviços como a água, o saneamento, a produção de alimentos, o ambiente, a saúde básica e a educação constituem serviços básicos que devem ser assegurados. É necessário ter em consideranção que o mercado é imperfeito.

Por outro lado é necessário aproveitar as vantagens que a globalização oferece. A livre circulação de conhecimento e das tencologias são um benefício da humanidade. É necessário construir pontes para o conhecimento para partilhar soluções inovadoras.

Por exemplo a inovação reversiva, que é constituída por inovações em processo aplicados em muitos pequenos ou médios países podem levar a implementar soluções de baixo custo e de maior rendimento em outros países.

Por outro lado é também necessário apoiar os países mais pobres a implementarem mais rapidamente os seus programas de saúde e de desenvolvimento económico. Estes países não podem ficar dependentes do assistencialismo e da caridade. Há que ter programas adequados. Para isso é necessário construir uma parceria global para valorizar os modos de vida saudáveis e os sistemas de alimentação saudáveis. É necessária atuar de forma aberta nos problemas sociais e combater as diferentes formas de pobreza. Criar um compromisso global é dominar os impactos da globalização e aproveitar as suas vantagens.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.