Transição Demográfica e Epidemiológica (Saúde Global V)

Os tempos estão a mudar (Bob Dylan)

Tudo está em permanente mudança. Os sistemas de Saúde Pública e a Saúde Global estão em mudança. No tempo longo tudo está a mudar.

Preparar as formas de mudança e prever o que vai suceder é uma doas condições necessárias para agir. Royner y Lang estudaram os processos de transição na área da saúde .

As causas mais evidentes são as demográficas, epidemiológicas, urbanas e nutricionais. No entanto hà outras razões, como por semplo económicas, biológicas de energia, ecológicas, culturais e políticas que também influencias a transição.

Tradicionalmente a transição demográfica relacionava a taxa de mortalidade com as condições dadas pelas industrialização. Warren Thompson estudou, em 1929, as tendências demográfica (o chamado baby boom), onde se relaciona a ideia de que os países desenvolvidos são acompanhados por uma transição epidemiológica.

As cinco fase do modelo de  transição demográfica são.

  • 1ª fase, Estabilidade: Verifica-se uma elevada natalidade e um elevada mortalidade. O sistema equilibra-se aos períodos de abundância alimentar por ajustamento na nascença.
  • 2º fase, de expansão: regista-se um aumento demográfico, por motivo da diminuição da taxa de mortalidade e manutenção da elevada natalidade. Corresponde à fase da revolução industrial, com mais alimentos disponíveis e a emergência das práticas de sanidade e saúde.
  • 3º fase, de recessão demográfica, na qual se reduz a taxa de natalidade e continua a verificar-se uma diminuição da natalidade. Corresponde, grosso modo ao período de generalização das praticas de medicina e ao aumenta da longevidade.
  • 4º Estado, estabilidade: ambas as taxas se mantêm muito baixas, mas os ganhos em longevidade vão mantendo o efectivo.
  • 5º fase, recessão demográfica: as taxas afundam-se por diminuição da população e sua não renovação.
  • 300px-Stage5.svg

 

 

 

Olhar para a pirâmide demográfica ajuda aperceber a configuração e a idade das populações. Por ecemplo, as pirâmides etárias da China e da ìndia mostram uma população muito jovem. No entanto, na China, em resultado da política de um só filho, verifica-se que entrará muito mais rapidamente na 4ª fase do que a ìndia. Estes casos comprovam que o desenvolvimento trás o aumento da esperança de vida e ajuda a perceber o modo como a população evoliu. O conhecimento da situação demográfica dum país é fundamental para reconhecer as condições em que a sociedade se encontra.

O conceito de transição epidemiológica, está relacionado com a transição demográfica, mas apenas com quatro fases. Foi apresentado por OMERAN

O Primeiro estádio é aquele em que as populações tem uma esperança média de vida de 35 anos e caracteriza-se pela má nutrição e pela presença de epidemias.

O segundo estádio, a esperança de vida sobe para 50 anos e emegem um conjunto de doenças não comunicáveis, por exemplo hipertensão, doenças coronárias e algumas doenças degenerativas.

O terceiro período corresponde a uma esperança média de vida de 60 anos, e emergem doenças como os AVC, os cancros, os ataques cardíacos, e as infeções entram em recessão.

A 4ª fase, emerge nos anos oitenta, quando a esperança de vida ultrapassa os setenta, e caracteriza-se pelas doenças degenerativas (Olshansky and Ault) ) onde há uma esperança média de vida de oitenta anos, com manutenção dos estado anteriores.

No entanto, as questões do desenvolvimento mostram que elas influem nos processos. Por exemplo, a Rússia, nos anos após o fim do comunismo, verificou-se um agravamento das taxas de mortalidade e o ressurgimento de doenças associadas ao consumo de álcool e má nutrição. O problema da transição epidemiológica é que as suas fases não são lineares e podem regredia. Paralelamente, também é possível prever que existem novos problemas que advém das condições ambientais e não sabemos como é que numa nova situação as doenças infecciosas vão evoluir.

É importante pensar e saber o que vai suceder em termos de transição demográfica e epidemiológica para melhor se prever as medidas a tomar. O conhecimento acumulado também ajuda a atura nos paíse que estão em desenvolvimento, podendo servir para encurtar fase e processos.

O modelo ajuda a explicar o que sucede mas tem no entanto limites: Ele está fundamentalmente focado na taxa de mortalidade. O estar centrado na mortalidade nos paíse nem sempre dá uma ideia clara do que se passa com diferentes doenças em alguns países (por exemplo a malaria e o HIV em África, ou mais recentemente o Ébola).

O modelo da transição epidemiológica de OMRAN que caulcula a percentagem de mortalidade pelo rácio entre a causa de morte sobre o numero total de mortes não deixa compreender a totalidade do problama. A transição não é um processo linear. Para o compreender na sua totalidade é necessário um modelo de transição epidemiológica Alguns casos,que ocorreram, por exemplo, no Máxico, nos anos 90, onde se registaram elevadas taxas de mortalidade e o ressurgimento de doenças não comunicativas, resultaram de formas de alteração económica. Há também causas que influenciam fortemente a transição: as questõs da paz, da urbanização, dos processos de globalização. São questões que afetam de diferentes formas os processos e a rapidez da transição.

Na análise dos processos de transição é também importante entender a Transição nutricional. O modo de alimentação ocidental está a espalhar-se por todo o mundo. Regista-se uma diminuição da diversidade alimentar e a população tem tendência para diminuir a sua atividade diária. A questão da transição não se coloca de todas as maneiras em todos os lugares. Por exemplo, na Ásia o processo de transição demográfica tem vindo a ser acompanhado por um processo de crescimento económico o que não está a suceder em África. Sabemos que em muitos lugares irão, no futuro irão surgir problemas que já eclodiram em outros lugares. Doenças como o cancro, as doenças cardiovasculares e as doenças não comunicadas vão surgir em paralelo com a expansão do uso do álcool e do tabaco.

É também necessário compreender a transição biológica e ambiental. O processo de abate de florestas. A criação de animais em cativeiro para consumo humano a redução das espécies cultiváveis, estão a ter impactos fortes na qualidade ambiental e estão a criar condições para que a biloogia se oriente para novaos caminhos. As alterações climáticas estão também elas a alterar as condições ambientais que por sua vez vão produzir novos micro organismos. É necessário conhecer o que está a acontecer.

As alterações noe processos de produção de energia, as redes de dependência afetam os sistemas de saúde em todos os países. A alteração da qualidade do ar, a crescente industrialização e da taxa de urbanização também é um fator.

A transição democrática está igualmente a influencia o desenvolvimento dos processos. A alteração dos sistemas de representação por um sistema de participação estão a influenciar profundamente os processos de decisão.O progressivo empoderamento das comunidade está também a produzir mudança na formas como os sistemas públicos se relacionam com as comunidades, ao mesmo tempo, que os novos média estão a contribuir para disseminar os conhecimentos de forma generalizada num processo mais intenso.

As tendências que se estão a dar na formaçºao das políticas de saúde pública e saúde global exigem um conhecimento da demografai, dos processos de urbanização, dos processos de industrialização, do processos de globalização, da educação e da cultura e da pobreza para entender fenómenos como: o aumento a esperança média de vida, a alteração das formas de vida e convivência urbana, a importância das alterações dos mercados, as alterações nos sistemas de crenças e identidade e nas questões do acesso à saúde. São alterações que estão a suceder em todo o mundo, em paralelo com a manutenção de problemas antigos.

A questão que se coloca á saúde global é então como responder a estes desafios. A questão passa por reconhecer que há populações com risco elevados: as populações rurais, as populações pobres, as populações que adotam modos de vida e alimentação ocidental, à crianças em situação de alto risco.

É necessário controlar os riscos. Fazer passar as populações ou grupos que estão em alto risco para uma situação de baixo risco. Isso faz-se atuando, simultaneamente na biologia, no sistema de crenças e nos comportamentos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.