Saúde Publica Global – (Saúde Global III)

O global é o local sem fronteiras (Miguel Torga)

O conceito de saúde pública é antigo. No entanto ele evoluiu para um novo conceito que se passou a designar saúde Publica Global. Esta evolução é recente e é feita nas últimas décadas e resulta deas alterações que tem vindo a acontecer na sociedade, nomeadamente o processo de globalização e do modo como olhamos para os problemas da saúde mundial.

Periodização da evolução da Saúde Global

  1. Primeiro período, a medicina tropical. Foi o tempo colonial onde a preocupação das potências europeias era criar condições para a presenças de soldados, comerciantes e administradores colonais, numa promeira fase, de depois da instalação de populações de colonização. O objectivo era tratar doenças tropicais, tais como a malária e a doença do sono. Localmente, as populações acabavam por beneficiar dos serviços de saúde, mas esse era um processo acidental.
  2. O segundo período, corresponde ao tempo pós-colonial, onde em paralelo com a criação de estados nacionais, se procurava encontrar as grandes tendências das doenças nos diferentes países. Tal como acontecer no século XIX na europa, procurava-se fazer uma cartografia das epidemiologias em cada território.
  3. O terceiro período corresponde ao tempo da cooperação internacional, em que os países ricos criaram os “programas de cooperação médica” onde se fazia investigação nos países pobres através de fundos afetos por governos ou agências internacionais. O objectivo era procura a cura para as doenças dos países pobres.
  4. O quarto e mais recente período corresponde à emergência da consciência do global. A investigação é feita pelos paíse pobres, através do financiamento das agências internacionais, lideradas pelos próprios atores, na procura da aplicação e disseminação dos resultados. O processo de investigação deixa de ser a doença e a investigação centra-se essencialmente nas razões e causas da pobreza. A investigação parta da identificação da relevância local.

Procura de compromissos

A Saúde Global é um campo de trabalho sobre processos que podem e devem ser conduzidos em conjunto. Parte da consciência que as questões sobre a saúde são hoje globais, e que as doenças e os vírus viajam por todo o mundo afectando todos ao mesmo tempo. Desse modo, a saúde global é um compromisso global.

  • Um partilha do sentimento de vulnerabilidade do ser humano. Hoje a humanidade está ameaçada por processos comuns (bioterrorismo, H1N1, SARS, Gripes diversas)
  • Há uma necessidade de procurar respostas comuns e reforçar os processos de cooperação.
  • A partilha da vulnerabilidade é também uma partilha de valores comuns;
  • A resolução dos problemas passa por uma partilha de conhecimento e saberes.
  • A saúde global evidencia o valor da universalidade e do património comum.

As questões do global e do local

No Saúde global, o processo de decisão é global, mas a sua aplicação é local. Dessa forma é necessário que a partilha de conhecimento resulte dum processo de construção de pontes entre as pessoas.

O conhecimento das relevâncias implica um conhecimento sobre as questões e sobre as tendências atuais. Uma dessas questões é a natureza das dienças que estão em transformação. As doenças, o que afeta a saúde do indivíduo resulta também dum processo de evolução biológica. Dessa forma,os riscos estão também em processo de transformação.

Há riscos demográficos, que por exemplo conduzem a uma alteração dos riscos numa dada população. O envelhecimento induz novos riscos que se diferenciam das sociedades mais jovens. Há também desafios económicos, que evolvem a sustentabilidade da capacidade de financiamento dos sistemas. Por exemplo, no sistema de saúde pública é necessário pensar sobre de que forma os recursos financeiros são afectados . é necessário pensar de que forma é que se tem acesso a drogas e a vacinas para combater determinada doenças, de que forma é desenhada a organização do sistema. Se é por exemplo uma organização hierárquica, sem capacidade de resposta às epidemias, se é uma organização integrada, com diferentes organismos a trabalharem sobre questões ou programas particulareas, ou se é uma organização em “diagonal” que assegura uma hierarquis básica e que se ajusta a atividades espacíficas.

Há por outro lado outros riscos que decorrem desta consciência do global. Os riscos que advém dos desastres naturais, das cheias, dos terramotos ou outras eventos naturais. Todos estes factores estão em causa face a possibilidade de surtos epidémicos mais ou menos virulentos.

Isso obriga o sistema global de saúde de pensar as capacidades de construção de saúde. Isso só é possível se formos capazes de integrar a diversidade do mundo. Se formos capazes de aprender com a partilha dos conhecimentos. A capacidade de desenvolver a cooperação e as capacidades de coordenação das agências internacionais, Se formos capazes de criar um processo de financiamento dos sistemas de saúde que favorecem o desenvolvimento sustentável. Se formos capazes de integrar, nos sistemas de saúde pública as tendências de evolução dos determinates sociais (o uso do tabaco, da droga, dos processos de alimentação, das migrações, dos conflitos e dos refugiados). O sistemas global de saúde trabalha com conhecimentos interdisciplinares e necessita de comunicar os conhecimentos e práticas no mundo.

Essa discussão está hoje em curso na nova proposta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Nos ODM verificamos que muitas das doenças que se procuraram resolver, embora com resultados positivos, acabaram por se manter. Em paralelo surgiram novas ameaças, como por exemplo o Ébola. Está também em causa, nesta discussão, a introdução de novas formas de olhar para o sistema de saúde global integrando a questões da saúde mental e das doenças do “desenvolvimento”. Há nesta discussão de que os problemas dos sistemas de saúde são também eles globais, com práticas que necessitam de ser locais. Há por isso um processo que procura restaurar o espírito de Alma-Ata no desenho dos ODS.

Os sistemas locais de saúde estão também eles perante desafios importantes. No passado era prática comum procurar resolver os problemas de saúde, das doenças, através de programas. A luta contra o cancro, contra o HIV. É hoje claro que a continuidade e a expansão destes programas, e da elaboração de novos programas dependem em grande medida da extensão dos recursos financeiros do sistema. Hoje defende-se a integração dos diferentes programas em serviços integrados de forma a oferecer, em cada local, uma solução ajustada às populações. Essa questão implica um desafio de procurar as relevências em cada local. Não é mais possível fazer desenhos de sistemas pelo processo de replicação de modelos. É necessário, que em cada caso se atente aos recursos financeiros disponíveis, das capacidades culturais de cada local, das formas de acesso e promoção de equidade e dos processos políticos e de formação de directivas. Um processo que justifica que o trabalho sobre o sitema de saúde seja uma atividade interdisciplinar.

A formação de políticas de saúde exigem um necessidade de desenvolver uma investigação em diferentes níveis. Para a sua credibilidade científica, é necessário que esteja apoiado em investigação epidemiológica de de biomedicina. Na sua procura de viabilidade financeira, para que o sistema seja eficiente e acessível, é necessário investigação em economia da saúde. Para procurar a estabilidade operacional de forma a que o sistemas seja sustentável e ajustável (que trabalhe sobre diferentes escalas de problams) é necessária uma investigação sobre sistemas de saúde. Finalmente, para que as políticas de saúde sejam viáveis, que sejam aceites e percebidas pelas comunidades, é necessário um investigação no campo das ciências sociais.

O sistema de saúde global procura novas políticas que integrem os novos conhecimentos para prevenir e reduzir os riscos de epidemias. Procura intervir na comunidade para beneficiar as pessoas. Fá-lo através da implementação de ações necessárias de acordo com formas de boas-praticas de ação. A saúde global é um campo de investigação interdisciplinar operacional Estuda os métodos para promover a intergração dos resultados das investigações nos sistemas de saúde e procura influencias a formação das políticas públicas. Com conhecimento procura-se que o sistema mude de comportamento, melhore a sua organização, seja mais eficiente e com custos controlados.

Em suma, no campo da investigação, a saúde global passou da molécula para o mercado. No campo da política de saúde, passou da pessoa/pessoas para a população. No campo da ação, passou da área dos riscos para a área dos direitos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.