Multiplicidade dos determinantes na Saúde Pública (Saúde Global II)

Para o sistema de saúde Pública contribuem diversos e complexos factores. Fatores de ordem social, política económica e biológica. Tradicionalmente as questões biológicas tem sido uma campo considerado como o campo da medicina e da investigação médica. No entanto hoje a abordagem sobre a Saúde Pública é considerado como uma questão social.

No século XIX, Rudolf Virchaw[1], enviado para as planícies da silésia para procurar soluções para uma epidemia de Tifo, apresenta um relatório sobre a doença em que considera que a doença do tifo tem origem na pobrez e na desigualdade. Recomenda ainda nesse relatório um conjunto de medidas para acabar com a pobreza, nas quais se destacam o fim do sistema de servidão feudal e a introdução de medidas de democracia política.

A partir do século XIX começa-se a interrogar se a doença num indivíduo não é um sintoma das diferenças na sociedade. Assim a doença torna-se uma expressão individual das circunstâncias sociais desfavoráveis e as epidemias são consideradas problemas sociais.

Hoje as questões culturais são parte integrante da Saúdfe Pública. Sabe-se que grande mudanças culturais podem trazer grandes problemas e doernças. Se no século XIX o tifo foi uma desses sinais, no século XX temos várias doenças associadas ao Tabaco, ao stress, a uma dieta alimentar desfavorável. Na Inglaterra vitoriana, como se pode ver através da literatura de Charles Dickens as situações da pobreza já eram relacionadas com as questões da saúde pública.

É certo que a medicina tem vindo a descobrir e a aplicar framacos que são poderosos e reduzem de forma eficiente alguns problemas provocados pelas doenças. Mas, como se comprova pela luta contra a tuberculose, a descoberta da vacina dá-se numa altura em que já se assistia a uma forte redução da doença pela introdução de modos de vida mais adequados. Por vezes as descobertas quando surgem, já ocorrem após mudanças culturais.

No século XX, os problemas da Saúde Publica não estão apenas associados às questões da pobreza. Os modos de vida das sociedades desenvolvidas são também eles catalisadores de doenças. Por exemplo, o uso do tabaco, o sedentarismo, uma dieta alimentar desadequada, são manifestações de comportamentos coletivos que induzem doenças.

Em suma “os indivíduos doentes são provavelmente resultado de sociedades doentes”. Se nos países pobres temos doenças da pobreza, nos paíse ricos temos doenças do desenvolvimento. Por exemplo, estudos sobre a pressão arterial em populações urbanas e rurais permite entender que a vida urbana e o ritmo de trabalho urbano produz, em média, uma pressão arterial mais elevada nos indivíduos, o que a prazo, se traduz em mais problemas cardio-vasculares nessas populações.

Os princípios do risco e as formas de prevenção como campo de ação da Saúde Pública: Existem dois axiomas no processo de intervenção

  • Pequenas reduções dos factores de risco em elevado número de pessoas numa população leva a uma redução alargada das doenças.
  • Os melhores resultados na prevenção de doenças são alcançados através da combinação de um universo alargado de processos de prevenção na população com níveis de risco elevado.

O sistema de Saúde Pública deve combinar a aplicação dos dois processos de intervenção de forma a potenciar os seus resultados

Constituição do Sistema de Saúde

O sistema de Saúde é constituído por:

  • Recursos humanos (médicos, enfermeiros e pessoal técnico e auxiliar)
  • Disponibilidade de vacinas, de fármacos e tecnologia
  • Capacidade de financiamento
  • Sistema estatístico fiável
  • Capacidade de governação

No entanto, um sistema de saúde existe num determinado contexto social. No contexto social são importantes entender os seguintes factores

  • Sistema de abastecimento de água potável,
  • Processo de saneamento
  • Sistema alimentar
  • Condições ambientais
  • Estabilidade e segurança
  • Capacidade de participação das populações

Este conjunto de determinantes socais que resulta da relação Saúde Nutrição, depende duma dada dimensão formal, dada pelos níveis de rendimentos da população, pelos níveis de educação, pelas formas de ocupação, pelo estatuto social, género e redes de participação. Por sua vez o Sistema de Saúde depende do sistema político e económico que procede, em condições normais, ás escolhas sobre o que é determinantes em cada momento.

Nas análises do Sistema de Saúde, usa-se muitas vezes a relação entre a esperança de vida e a taxa de mortalidade. Sendo certo que os países desenvolvidos, com uma maior renda per capita apresentam indicadores mais elevados para a esperança de vida dos seus cidadãos(a curva de Preston é uma relação empírica que cruza a espetativa de vida com a renda per capita. Samuel H. Preston apresentou essa relação num artigo “The Changing Relation between Mortality and Level of Economic Development”, publicado em 1975 na revista Population Studies). No entanto é necessário ter em linha de conta que o rendimento médio varia dentro dos países em função das regiões, do estatuto social, das condições de género, do nível educacional, do nível de rendas, etc.

É necessário não esquecer que há uma conexão entre as condições de vida e o desenvolvimento, uma relação entre os estilos de vida e a pobreza e a desigualdade.

A intervenção dos Sistemas de Saúde Pública assumem um importante papel na redução das desigualdades e da pobreza através das suas ações. Existe conhecimento é apenas necessário aplicar a técnicas e os procedimentos por os profissionais.

[1] Rudolf Ludwig Karl Virchow (Świdwin, 13 de outubro de 1821 — Berlim, 5 de setembro de 1902) foi um médico e político polaco, ao serviço do Imperio alemão. É considerado o pai da patologia moderna e da medicina social, além de antropólogo e político liberal (Partido Progressista Alemão e Partido Livre-Pensador Alemão). Graduou-se em medicina em Berlim em 1843, pela Academia Militar da Prússia. Tornou-se professor em 1847. Por participação ativa na Revolução de Março (1848-1849), mudou-se para Würzburg, onde trabalhou como anatomista. Casou em 1850 com Rose Mayer, com quem teve 3 filhos e 3 filhas. Em 1856 retornou a Berlim, para assumir a cátedra de anatomia patológica da Universidade de Berlim. Durante a Guerra Franco-Prussiana, liderou pessoalmente o primeiro hospital móvel para atender os soldados na fronte. Também envolveu-se em atividades sociais, como saneamento básico, arquitetura de construção hospitalar, melhoramento de técnicas de inspeção de carne e higiene escolar. Foi opositor ao Chanceler Otto von Bismarck.

[2] .



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2015, 5 Março). Multiplicidade dos determinantes na Saúde Pública (Saúde Global II). Global Heritages. Recuperado em 23 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2ll

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.