XII Conlab em Lisboa III: João Paulo Borges Coelho e os olhares Índicos sobre as ciências Sociais

João Paulo Borges Coelho, moçambicano por opção, historiador na Eduardo Mondlane por profissão, escritor por vocação, foi orador convidado para a abertura do XII conlab em Lisboa, fazendo a sua oratura em terceiro lugar, a seguir de Boaventura Sousa Santos.

É sempre um desafio o falar em último lugar. Desafio que Borges Coelho resolveu com a clarividência que lhe é própria. Olhar o mundo a partir do Índico, sem ter deixar de sentir o pulsar do mundo no atlântico é uma das suas interessantes características.

Começa por se interrogar sobre “qual o sentido dos espaços lusófonos de ciências sociais?”. Pergunta que conduz o seu diagnóstico sobre as transformações que estão a acontecer nas universidades. Sintomas como “a crise”, os despedimentos, o acantonamento das diferentes disciplinas, a predominância  da cultura tecnocrática na sociedade são, segundo Borges Coelho sinais duma “Crise epistemológica“. Uma crise que obriga a que no mundo de hoje a resolução de fatos seja feita em contexto. A ciência, ao contrário do que se procurou no passado não dá soluções. As soluções são criadas no momento.

Ora esta situação leva o orador, a afirma com convicção, que “o futuro será bem melhor que hoje”.Um otimismo que contudo não compartilha quando olha para o panorama das ciências sociais. A sua fragmentação é, segundo afirma, um sinal da sua incapacidade de olhar o mundo. A incapacidade das ciências sociais de olharem o mundo levou ao fim das narrativas. Segundo Borges Coelho, as ciências sociais deverá deixar de procurar trabalhar nas inclusões e procurar resolver as disjunções.

Aponta o caso de Moçambique e do percurso do Centro de Estudos Africanos, fundado logo após a Independência  de Moçambique por Aquino de Bragança e Ruth Feist. Recorda entre outros os trabalhos sobre “o mineiro moçambicano”, a “oficina de historia”, e a questão da Zambézia. São experiências do trabalho multidisciplinar do CEA que deverá ser prosseguido como exemplo da prática das Ciências Sociais na tal procura das disjunções.

Desta proposta de trabalhar sobre  o relevante interroga-se sobre o que pode resultar o lado do indico.

Começa por abordar a questão da língua. A língua é um lugar de enunciação. Um lugar de narração. Em Moçambique, a língua portuguesa é uma língua de enunciação do poder político. Uma língua de agregação que se enriquece com as diferentes linguas locais, línguas maternas para uma boa parte de população

Imagem

 A chave para a determinação da relevância na determinação nas ciências sociais está na consistência da enunciação como expressão do rigor do pensamento. A conformidade.

A relevância e verdade como questão. Haveremos de retornar a esta questão.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.