Pós – 2015 e a Teoria do Desenvolvimento II

Os Resultados das OID

De um modo geral ao olharmos para a evolução do PIB per capita em África podemos considerar que é uma evolução muito favorável nos últimos 15 anos. No continente há vários países com taxas de crescimento elevadas e sustentáveis. O Indicie de Desenvolvimento Humano, que procura medir o bem-estar e o grau de satisfação também se registou um crescimento elevado. Veja-se por exemplo o Relatório do PNUD sobre Desenvolvimento Humano em 2014

Esses resultado não invalidam que os índices, apesar de apresentarem um forte crescimento, em comparação com outros tempos, são ainda baixos e distribuídos de forma irregular entres os diversos países. grosso modo, esse crescimento está baseado na venda de matérias primas e recursos naturais. Isso é um elementos preocupante para prespectivar a sua sustentabilidade não. Não só há regiões onde não não existem matérias -primas para alavancar esse crescimento, como não se está a verificar uma relação entre o acesso a bens e serviços e os investimentos em educação, saúde e no combate à pobreza. A questão da igualdade de oportunidades no acesso aos benefícios não parece estar a verificar-se. Em suma este crescimento económico não parece relaciona-se com a diminuição da pobreza que, indubitavelmente, nestes últimos 15 anos se alcançou.

Crescimento Inclusivo

Como fazer com o crescimento económico pode reduzir a pobreza. Emprego e produtividade. Em áfrica produz-se pouco com fraco rendimento. O desemprego é uma má medida. A maioria da população trabalha em setores informais. Emprego vulnerável. 4/10 africanos tem menos de 1 U$ por dia. Crise de transformar o crescimento em emprego.

Agenda 2015. trazer para a discussão da agenda a questão da natureza do desenvolvimento económico

Como fazer uma agente ativas

Lição.  É importante ter objetivos. Ambiciosas, comunicar. Mobilizar

É necessário que os objetivos sejam mobilizados pela população.. Fazer chegar as pessoas os objetivos.

Haver uma harmonia entre as diferentes organizações internacionais.

Desafios. Juntar os objetivos. A ajuda ao desenvolvimento versus aplicação de politicas públicas. Um objetivo único.

O mundo da cooperação internacional hoje é diferente. Há países emergentes e não querem ser doadores.

O problema do que mostram os números.

A questão da igualdade, governação, conflito, vai dificultar a formulação dos conflitos



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2015, 27 Janeiro). Pós – 2015 e a Teoria do Desenvolvimento II. Global Heritages. Recuperado em 23 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2jq

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.