O Alvarinho é nosso ou da autenticidade de Património

De viagem para Coimbra para mais uma reunião de trabalho, com tempo para saborear a cidade, resolvo apanhar o comboio que vem da Figueira da Foz para Coimbra A. Porque da B já falei no posta anterior. Saio da estação e embrenho-me nas vielas da cidade velha ou Bairro de Santa Cruz. Paro na casa de pasto /taverna de António Pinto de Vasconcelos, para comer uma sandes de leitão da Bairrada antes de me aventurar a atravessar o arco da Almedina e trepar o quebra costas.  O empregado, brasileiro por sinal, serve-me uma generosa sandes, com molho picante. Forneceu-me ainda, extra pão, uma crosta estaladiça, que delicadamente recusei, a pensar que não faria nada bem ao colestrol.

Na TV dava conta duma manifestação, lá para as bandas de melgaço. Um punhado de lavradores, de capote e chapéu redondo, tal qual as personagens das “pupilas do sr. Reitor” do Júlio Dinis, naquele velhinho filme de Leitão de Barros de 1935. As personagens chamaram-me a atenção pelo seu ar castiço em 2015, simulando uma tradicionalidade. O meus espanto foi ainda maior quando entendi o motivo da manifestação.

Protestavam então os castiços lavradores contra a expansão da Região Demarcada do Vinho Alvarinho uma proposta da Comissão de Vinicultura do Vinho Verde. Ou seja Melgaço e Monção reivindicam a manutenção da denominação de origem do vinho. Segundo os manifestantes, alargar a Denominação de Origem vai baixar os preços da compra do uva, e lançar 700 famílias na pobreza.  É a única coisa que lá têm. já não há agricultura e já não há contrabando.Um negócio de 17 milhões de euros a ir por água abaixo. E canta-se:

O alvarinho tem dono / como manda a tradição, / é de Melgaço / e de Monção.

Confesso que tenho alguma dificuldade em perceber como é que este património, em nome da tradição deve ficar imóvel. É certo que o Alvarinho é o melhor dos vinhos verdes. É uma marca mais forte do que o viño ribeiro da Galiza (de onde de resto também há alvarinho) ou do vinho Loureiro, mas enfim apesar de tudo há que separar a questão das marcas da questão das castas.

Ora dizer que um planta é nossa, só pode ser cultivada aqui, porque aqui é que ela é boa não tem nada a ver com a questão da autenticidade do património. se assim fosse ainda estariamos na idade da pedra. Mas enfim. O problema é pois o negócio… Mas também aí sabemos que há os velhos do restelo. No século XIX os operários destruiam as máquinas que pensavam que lhes iam tirar o trabalho. Cem anos depois, os trabalhadores depositavam, nessas mesmas máquinas a esperança da libertação da escravidão do trabalho. Hoje as máquinas foram-se e foi-se o trabalho. Mas ainda temos o alvarinho.

Estranho mundo este

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.