O problema do trágico na museologia

Na museologia estamos prisioneiros na coerência das narrativas.

Uma narrativa museológica tem que ser coerente. Temos (ou pelo menos deveríamos ter )  que enunciar uma questão para resolver. Uma “gota de sangue” como diz Mário Chagas, o a “musealização duma lágrima”, como diz Isabel Vitor. A essência da tragédia é o desafio à vontade dos Deuses. A superação da condição humana  pela posse da luz. Na museologia estamos convictos do poder da narrativa.

Esquecemos frequentemente que a tragédia se resolve pelo castigo divino, pelo regresso à ordem anterior pela vontade dos Deuses. Aristóteles, na sua Poética, detalha-se bastante sobre a tragédia.

Não sabemos se a comédia lhe mereceu igual destaque, já que os escritos que até nós chegaram são fragmentos. Desconhecemos se ampliou esses escritos. Mas ainda hoje estamos prisioneiros dessa relação trágica . Será possível uma museologia sem conclusão ?

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.