Estranhamentos IV

Considerações Finais

No desafio que constituiu procurar perceber o que existe no meio do que se constrói na relação que etnógrafo e etnografado estabelecem mutuamente, procurei identificar a matéria volátil que de que é feita a relação entre ambas as entidades e de que forma estas se assumem enquanto sujeito e objecto de um mesmo processo conducente à produção de uma etnografia, uma obra escrita, também denominada tese ou dissertação.

A tese é o resultado físico da Etnografia produzida no terreno e vai inserir-se no meio da relação entre o Etnógrafo e o Etnografado de um modo distinto do que ocorreu durante o trabalho de campo, sendo, frequentemente, um elemento de perturbação na relação entre ambas as entidades. Mediando essa relação, a tese assume uma função de articulação cognitiva e social entre elas. Tratando-se de um olhar de uma dessas identidades sobre o universo da outra, ela é também, na medida em que o investigador recorreu a mecanismos (observação participante, informante(s), por exemplo) constitutivos do mundo estudado, um produto criado (no sentido de descrito, explicado…) por esse mundo. E o que é fascinante de observar e compreender, é a forma como esses dois mundos ou entidades se fundem e se afastam à vez, se misturam e separam, se sobrepõem e distinguem. Parece-me, por isso, não estar muito longe da verdade se afirmar que, num processo – e a Etnografia é sempre um processo – de investigação de cariz antropológico, o objecto de estudo se deixa, naturalmente, de forma gradual e imperceptível, substituir pelo corpo da própria tese.

Finalmente, parece-me importante salientar que, em matéria de investigações antropológicas, escolhido o objecto de estudo, parte-se sempre de algum ponto que equivale à vontade, empenhamento e conhecimento que o investigador possui relativamente ao que se propõe estudar. O lugar nenhum, o ponto neutro, não existe. Na medida em que se vem sempre de algum lado, o antropólogo é tudo o que o constitui, tudo o que é, tudo o que o fez ser como é e pensar como pensa. E é com essa complexa dividualidade (não é o antropólogo um e o outro?) que encara o terreno onde recolherá a informação que depois trabalhará na solidão de um gabinete de forma a produzir um trabalho que nos ajude a todos a perceber melhor quem somos e como somos.

Referências Bibliográficas

ARAÚJO, Fernando Cesar de (2010). “O Silêncio do Informante e a Ausência do Amigo: os Sonhos e a Morte como Encruzilhadas da Pesquisa Etnográfica” in Teoria & Pesquisa – Revista de Ciências Sociais, Vol. 19, nº 1. Acedido em 13/Fevereiro/2012 em:

http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/viewFile/208/162

BORNEMAN, John W. e Abedellah Hammoudi (2009). Being There: The Fieldwork Encounter and the Making os Truth. Berkeley, University of California Press.

PINA CABRAL, João de (2007). “Aromas de Urze e Lama: Reflexões sobre o Gesto Etnográfico” in Etnográfica, Maio 2007. Lisboa, Centro de Estudos
de Antropologia Social (CEAS).

PINA CABRAL, João de (2011). “The Two Faces of Mutuality: Contemporary Themes in Anthropology” in [artigo a publicar na] Anthropological Quaterly, [?] 2012. Washington D.C., George Washington University Institute for Ethnographic Research.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.