Lugares de Estranhamento II

Sujeito e objecto: as duas faces de uma moeda

Tudo isto se relaciona, naturalmente, com a natureza do conhecimento em Antropologia e com a ideia da possibilidade de devolução desse conhecimento numa espécie de retorno à sua proveniência, isto é, trata-se de desencadear um processo através do qual, o produto do trabalho de investigação volta ao ponto de partida. Essa devolução não deverá ser apenas dirigida aos etnografados e informantes, mas abranger todo o conjunto da sociedade, verificando-se ao nível das trocas decorrentes no trabalho de campo, e resultando, por isso, da interacção no terreno, não apenas em torno dos assuntos directamente relacionados com a investigação, mas também com outros aspectos da vida social comum ao etnógrafo e ao(s) etnografado(s). Referimo-nos aqui a aspectos não directamente relacionados com a investigação em causa, tais como a tomada de fotografias em ocasiões de relevância social para a colectividade, o proporcionar utensílios inexistentes na comunidade estudada até à chegada do investigador, a ajuda no plano das deslocações ou o apoio em qualquer outra área que envolva saberes ou técnicas específicas desconhecidas ou não utilizadas no universo estudado pelo etnógrafo.

Na medida em que a Antropologia estuda a Humanidade na sua diversidade ou, como de forma feliz a definiu Pina Cabral numa das suas exposições orais, (“a disposição comparativa no estudo da condição humana”), é possível ao antropólogo agir enquanto mediador de conflitos e interesses ou, até, como agente do poder ou de poderes. Dificilmente o antropólogo será, no terreno, um agente imparcial que se move apenas pelo interesse científico. E na medida em que, no terreno, não existem outros instrumentos de mediação entre sujeito e objecto além da acção do etnógrafo, a relação entre ambas as entidades passa por um processo de permanente actualização, durante o qual, frequentemente, o sujeito assume o papel do objecto para, mais adiante, retomar de novo a sua condição.

Para o bem e para o mal, a história da Antropologia, encarada como o processo de análise dos dados recolhidos no trabalho de Etnografia  , está repleta de casos que confirmam essa realidade. Não existe qualquer oposição entre os conceitos que, no âmbito das Ciências Sociais, surgem sobrepostos. A Antropologia afirmou-se como uma tradição de viajantes e, na medida em que se trata de uma disciplina que visa um conhecimento preciso e íntimo, tendente para o detalhe, da variedade nos discursos humanos, recorre à Etnografia como sua vertente definitória.

Procedendo a uma abordagem dos fenómenos relacionados com o colonialismo e o imperialismo através do estudo de populações envolvidas, a maior parte das vezes involuntariamente, nessas realidades, é possível detectar na actividade do etnógrafo um posicionamento que favorece os interesses das populações ou, muito pelo contrário, uma acção que vai no sentido oposto. Por uma questão de comodidade e para que a chama do optimismo não se extinga por completo em tempos a ele tão adversos, gostaríamos de pensar que são mais comuns as primeiras situações.

Na verdade, na relação entre etnógrafo e etnografado, aquele pode funcionar como um tradutor, não apenas de línguas, mas igualmente de vontades e propósitos. E tal não anula nem suaviza o facto de, entre ambas as entidades, existir uma espécie de terra de ninguém onde reside todo um esforço de conhecimento. É neste âmbito que a Antropologia se interroga hoje, de forma absolutamente legítima, acerca da natureza do conhecimento que produz.

Talvez residam aqui algumas das questões do foro ontológico da disciplina. Até que ponto existe uma continuidade ou um processo sucessivo de acções que se desencadeiam entre sujeito e objecto na prática etnográfica? O conhecimento científico que resulta do trabalho de campo por parte do etnógrafo será sempre devolvido aos etnografados? Deverá sê-lo? E quando o é, terá qualquer interesse para estes? Para quem escreve o antropólogo? De que forma as eventuais mudanças introduzidas numa dada comunidade pela experiência do trabalho de campo nela desenvolvido pelo etnógrafo concorrem para a introdução de alterações paradigmáticas, mais ou menos acentuadas, na colectividade estudada?

Parece-me que este conjunto de interrogações deveriam conduzir-nos à ideia de complementaridade na acção entre sujeito e objecto, como se se tratasse das duas faces de uma mesma moeda. Uma moeda de uma riqueza incalculável e de difícil cotação de mercado: o conhecimento humano.

Estas são questões que se não punham (pelo menos com a acuidade com que os investigadores sociais hoje as colocam) há dez ou quinze anos. Através delas, ganha peso e adquire um sentido mais profundo, a legitimidade com que o etnografado pode, hoje, questionar o antropólogo acerca do direito que a este assiste em produzir uma Etnografia sobre ele enquanto alvo de estudo.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.