Lugares de estranhamento I

 

 

Problemáticas em torno do trabalho de campo

Durante todo o século XIX, o trabalho de campo estava ainda longe de se afirmar como uma marca distintiva da Antropologia. Tal realidade sofreu, entretanto, significativas mudanças de paradigma, sendo hoje difícil imaginar uma investigação antropológica durante a qual não sejam reunidas bastas notas retiradas do terreno.

Parece ser de pacífica aceitação que a relação entre o etnógrafo e o indivíduo que integra a comunidade por este estudada, o etnografado, tem sofrido profundas mudanças, ditadas pelas modificações operadas nas sociedades. Isso é particularmente verdade no que toca à realidade que tem vindo a configurar o planeta, sob o ponto vista da geografia humana e do mundo social, ao longo dos últimos vinte anos. Ora, tais pressupostos, têm forçado igualmente o surgimento de alterações também no plano conceptual. Nada, ou pouco, se passa já como no tempo em que Boas ou Malinowski (e outros antropólogos coevos e posteriores, particularmente os conotados com a escola funcionalista) desenvolviam os seus trabalhos de investigação no terreno. Refiro Boas e Malinowski de um modo particular, na medida em que terá sido aquele o primeiro antropólogo a conduzir inquéritos no terreno através de uma directa e prolongada observação das culturas, ditas primitivas, que então estudou. Quanto a Malinowski, foi ele que, de certa forma, subiu a fasquia da qualidade no que toca ao universo da Etnografia, não apenas no domínio da escrita, mas também no plano do trabalho etnográfico, propriamente dito, e no nível das reflexões que o acompanham.

Estes dois aspectos do trabalho etnográfico são, sem dúvida, complementares, embora alguns antropólogos tendam a valorizar um deles em detrimento do outro. David Schneider, por exemplo, não tinha dúvidas ao conferir uma maior importância à textualidade relativamente à acção no terreno. Já Borneman e Hammoudi (2009), na obra Being There: The Fieldwork Encounter and the Making of Truth por eles editada, procuram demonstrar que o trabalho de campo não perdeu importância e significado nos nossos dias, colocando o enfoque não no posterior trabalho de escrita, mas no labor da etnografia realizada no terreno. Por outro lado, é bem verdade que muita da informação (e da sua relevância) proveniente do trabalho de campo, resulta de uma boa relação do investigador com os investigados, isto é, de uma boa aceitação por parte dos etnografados da presença e interacção do etnógrafo com a sua (deles) vida quotidiana. A Etnografia, e talvez mais do que nunca valha a pena afirmá-lo, é um espaço de relação, um espaço em que um encontra o outro.

Parece de cristalina evidência que quando o antropólogo parte para o terreno não o faz num estado de virgindade em relação ao universo que pretende abordar. Muito pelo contrário, quando se dá início ao trabalho de campo procura-se encontrar nele as respostas a perguntas previamente formuladas e que constituem o âmago da investigação que se pretende levar a cabo. Por outro lado, é da maior conveniência que essas perguntas encontrem, de forma natural, ancoragem no corpus teórico da Antropologia, sem que tal comprometa os dados recolhidos através da observação empírica.

Concluída a fase de trabalho no terreno (e por vezes não parece ser uma tarefa simples a definição e delimitação das fases de trabalho de campo e a sua interligação com o(s) tempo(s) de redacção da tese) torna-se necessário ao antropólogo ensaiar uma fase de distanciação. Ora, embora o processo etnográfico passe, nessa fase de abandono do terreno por um processo de dissolução controlada, será da maior conveniência que esse processo não se complete, i.e., que não se revista de formas identificáveis com a ruptura em relação à realidade social onde esteve inserido durante o trabalho de campo. Independentemente de podermos vir a perceber se a distanciação a que fizemos referência se chega ou não a verificar-se, importa que aqui teçamos algumas considerações neste domínio.

Em “Aromas de Urze e Lama: Reflexões sobre o Gesto Etnográfico”, João de Pina Cabral remete-nos para uma questão que ocupa, neste aspecto, um papel de absoluta centralidade e que se enuncia, desde logo, no próprio título: gesto etnográfico. Mas o que vem a ser afinal o gesto etnográfico? Trata-se, segundo o autor, do gesto “tanto físico quanto intelectual, que leva o cientista social a descontextualizar-se socialmente para poder re-contextualizar-se no ‘terreno’ – terreno que, na medida em que for sendo analiticamente construído pelo etnógrafo, será sempre um ‘novo’ terreno” (Pina Cabral, 2007, 191-2).

Aparentemente, a questão parece ser pouco mais que um fenómeno de carácter técnico. No entanto, trata-se de muito mais que isso, prendendo-se, na realidade, com a forma como se entende a Antropologia e o seu papel na vida das sociedades e no modo como os humanos, vivendo em distintas latitudes e com diferentes formas de organização social, se relacionam uns como os outros. Ou, como sugere Pina Cabral, trata-se de “prosseguir com a nossa tarefa etnográfica, dirigindo-nos para uma nova concepção universalista da antropologia” (Pina Cabral, 2007, 210).

Parece ser de comum reconhecimento de que o objecto da Antropologia tal como existia, por exemplo, no tempo de Evans-Pritchard, se desvaneceu, na medida em que desapareceram as sociedades ditas primitivas. Essa realidade conduziu a disciplina a situações de encruzilhada, caracterizadas por alguma indefinição acerca dos rumos a tomar. Por volta da década de 80 do século passado, desenvolveram-se intensos debates em torno da questão da essência e dos métodos da Antropologia, os quais ecoam ainda hoje no corpus teórico da disciplina e na sua relação com as demais áreas das Ciências Sociais.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.