Teses sobre a História XVII

Décima sétima tese sobre a Teoria da História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepoliticaO historicismo culmina legitimamente na história universal. Em seu método, a historiografia materialista distancia-se dela talvez mais radicalmente que de qualquer outra. A história universal não tem qualquer armação teórica. Seu procedimento
é aditivo. Ela utiliza a massa dos fatos, para com eles preencher o tempo homogéneo e vazio. Ao contrário, a historiografia marxista tem em sua base um princípio construtivo. Pensar não inclui apenas o movimento das ideias, mas também sua imobilização. Quando o pensamento pára, bruscamente, numa configuração saturada de tensões, ele lhes comunica um choque, através do qual essa configuração se cristaliza enquanto mónada . O materialista histórico só se aproxima de um objeto histórico quando o confronta enquanto mónada. Nessa estrutura, ele reconhece o sinal de uma imobilização messiânica dos acontecimentos (do devir), ou, dito de outro modo, de uma oportunidade revolucionária de lutar por um passado oprimido.

Ele aproveita essa oportunidade para extrair uma época determinada do curso homogéneo da história; do mesmo modo, ele extrai da época uma vida determinada e, da obra composta durante essa vida, uma obra determinada. Seu método resulta em que na obra o conjunto da obra, no conjunto da obra a época e na época a totalidade do processo histórico são preservados e transcendidos. O fruto nutritivo do que é compreendido historicamente contém em seu interior o tempo, como sementes preciosas, mas insípidas.”

Novamente o problema da análise do presente na história crítica e da sua distinção do historicismo. Segundo Benjamin, o historicismo coleciona os eventos de forma acrítica. Preenche os espaços do tempo sem procurar entendendo-los na sua dimensão dialética, isto nas tensões que lhe estão subjacentes.

Para o historiador crítico, segundo Benjamin, é necessário pensar sobre o significado desse acontecimento. Mas o objetivo ultimo desse esforço é procurar a sua essência poética. Procurar o sua monada ou a configuração estrutural  que permite entender o porque que esses eventos se desenvolvem duma determinada maneira e não de outro (uma configuração saturada de tensões). Ou por outras palavras, porque é que são essências únicas.

Uma ideia curiosa sobre o devir é a sua correspondência à ideia messiânica.  Qualquer coisa que essencial que provem do tempo e se concretiza na história. A história não desenha a totalidade dos eventos, mas procura elementos significativos dessa totalidade para compreender o total.


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.