Sobre Sociodrama Público

Eleborado a partir de notas de sessão com António Teixeira de Sousa, em sessão, organizada pelo António Gonzalez, no ISPA. Trata-se duma sessão num ambiente controlado. Criado por Moreno como um momento único, realizado em apenas uma sessão, o psicodrama público procura o momento criativo. Pelas suas características acaba por ser um trabalho sociodramático, pois na maioria dos casos são levantadas questões das relações com os outros.

O Psicodrama Público tem como elemento central a questão da vivência do momento. Em relação ao processo psicodramático em ambiente controlado (em sesão psicoterapeuta ou em grupo sociodramático) o psicodrama público apresenta dificuldades de aquecimento em virtude da presença do grupo. A dificuldade no aquecimento leva a que a escolha dos protagonistas seja mais lenta. há também a registar que parte da audiência se mantém como observadora.

Uma outra dificuldade prense-se com a necessidade de fazer com que o grupo estabeleça as suas regras. Cada grupo estabelece as suas regras e tem que as seguir ou modificar através de consensos ou compromissos.

A génese do psicodrama público encontra-se nos trabalhos feitos por Moreno no teatro em Viena, quando ele observa que a sus protagonista Barbara, desenvolve com maior aderência o seu papel, quando representa os seus próprios problemas.  Essa situação levou a que Moreno procurasse estabelecer a ligação entre os papeis do eu e os papeis complementares. Sobre esta veja-se o trabalho de Pablo Valcarce . Quando se encontra um emergente, procurar criar papeis complementares favorece a dinâmica do grupo.

A escolha do protagonista deve ser feita através do método sociodramático. O caminho a seguir é:

  • identificar o problema.
  • colocar um teste sociométrico para verificar adesão
  • decidir o tema a trabalhar a escolher os papeis

Deve ser colocado à assistência a escolha de quem quer ser protagonista. quem mais vai beneficiar com o processo são aqueles que oferecem resistência.

Há três modos de encontrar o protagonista em sociodrama público.

  • o falso protagonista (são pessoas que procuram representar papeis que não são. devem ser identificados e excluídos pelo diretor)
  • deixar o grupo escolher o que vai ser o protagonista.
  • deixar o auditórios escolher o protagonista. É o processo mais comum de escolha.

Encontrado o protagonista a dramatização desenvolve-se de acordo coma as técnicas e os momentos sociodrmáticos. Há que ter em atenção a emergência de tensões entre os protagonistas, identificar e procurar trabalhar individualmente, caso seja necessário, num momento posterior. os indivíduos devem ser protegidos no seu eu durante o psicodrama público. a exposição não deve ser feita fora do contexto psicodrmatico. No final debate-se os resultados.


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *