A Arte do Clown e o sociodrama

arlequim1

A arte do Palhaço é uma tradição antiga.  O seu uso como instrumentos de sociodrama tem vindo a ser trabalhado por Pedro Fabião. Tem diferentes tipos de uso fundamentalmente  na arte e mais recentemente na terapia. Este artigo procura analisar a sua relevância no sociodrama.

A arte do Clown é um exercício de reconhecimento do mundo através da experiência da emoção do corpo.

A formação, aquecimento do grupo é por isso fundamental. é necessário quebrar as barreiras. tocar o outro. com o olhar e com o corpo. é um exercício de reconhecimento.

O exercício impossível.

No exercício impossível, alinham-se os participantes em três colunas de seis filas. Pedem-se que se alinhem e solicita-se á primeira fila que dê dez pulos, de forma a que no último salto se virem para a fila de três. Sucessivamente as filas dão 8 saltos, 6, 4, 2 e um. Após o último salto, colta-se a salter atá à primeira fila de dez saltos. No final, no décimo salto da fila todos dão um salto. O exercício é impossível de concretizar de forma sincronizada sem um treino aturado.

O exercício é útil para levar ao reconhecimento do outro. Para analisar a forma como enfrentamos o outro. O sorriso como forma de enfrentar. O sorriso liberta o campo da procura do outros. O exercício também permite verificar as emoções de cada participante. Há quem assuma a sua incapacidade, e há quem revele uma obsessão por alcançar o impossível. São sinas que revela o estado emocional da cada um.

O crescimento emocional, até aos dois anos é feito através do papel de comer e andar. A parti dos três surge a capacidade da fazer perguntas. A capacidade de perguntar relaciona-se com a capacidade de resolver problemas. O riso liberta o encantamento. O eu emocional liberta-se com o riso.

Exercício de reconhecimento do outro.

Desafiar o olhar do outro. Procurar os detalhes do outros. Perceber as diferenças. Procurar encontrar o outro para alem das máscaras que ele coloca. Respirar fundo ao olhar o outro e procurar levar o outro a reconhecer-se.

Exercício do palhaço.

Fazer emergir o eu através do abandono da máscara. todos construímos máscaras. O palhaço é aquele que procura o eu sem rede. O exercício leva a que uma personagem enfrente o auditório durante um minuto. Sem gestos e sem palavras. apenas olhar os outros. Lentamente, as mascaras vão tornando-se instáveis. A ansiedade emerge. O eu de cada um emerge. Sem rede. Na sua originalidade.

 

 


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.