Sociodrama e Roll-playing

Distinção entre Sociodrama e Psicodrama

O Sociodrama trabalha sobre a relação social. Sobre os papeis sociais. Difere do psicodrama, que trabalha o eu: o papel do eu.

O trabalho do rol-playing em sociodrama é como um autoestrada. Entra-se e sai-se das cenas em função das necessidades. No psicodrama segue-se uma linha: uma hipótese terapêutica.

No sociodrama o protagonista é o grupo e trabalham-se os papeis sociais. Qualquer membro do grupo entra e saia da cena como quer. A espontaneidade é total.

O objetivo do sociodrama é trabalhar sobre os papeis sociais. Procurar a adequação dos papeis. Treinar a mudança dos papeis e a sua adequação. O sociodrama oferece um contexto e desenvolve a espontaneidade. Em sociodrama, os protagonistas experimentam os papeis. Atenção, que em socio drama experimentar não é trocar de papel. Não é procurar ver o outro com os olhos dele, mas procurar uma ação adequada ao contexto. Por exemplo, Moreno, usava o psicodrama para treino de empregadas de mesa. Efetuava-se uma autoscopia. Uma representação inicial, seguida duma apreciação pessoal, da discussão em grupo, e uma nova representação.

A inversão do papel social é uma experimentação de papel, pelo que há certos papeis que não podem ser solicitados. O bom-senso do diretor deve identificar essas situações. Por exemplo papeis que potenciem conflitos que não interessem trabalhar. Embora o conflito seja um tema  trabalhado pelo sociodrama  . A questão do conflito em sociodrama é explorado por  Peter Colman

Em sociodrama o processo de representação termina quando há uma saturação do papel. Há um conjunto de ciclos na representação. Quando à uma saturação do pepel, verifica-se uma alteração de ciclo. A riqueza do sociodrama é o de permitir que cada um descubra o que quer em cada situação. O sociodrama permite mexer em tudo, sem implicar mexer em nada de pessoal.

A interpretação em processo resulta das evocações dos protagonistas. As representações como evocações dos papeis socais, dão uma medida da conformidade do papel social.

A gramática de leitura – o modelo teórico do sociodrama- é um processo elíptico. Cada ponto (papel) conduz a uma multiplicidade de pontos.

No Porto foi construído um edifício transparente. No edifício cabe tudo. É uma casa onde se permite que tudo tenha lugar. Está contudo limitado pelas suas paredes transparentes. O sociodrama é como esse edifício. Permite que tudo aconteça e os limites são quilo que cada grupo definir como adequado.

Filme de Moreno sobre A espontaneidade no treino. Moreno denomina-o re-treining.

A questão da audiência no Psicodrama. No psicodrama trabalha-se a audiência. No sociodrama a audiência é o protagonista social. Ver site psichoterapy. Com da columbia unversity

A questão da transferência em sociodrama. A palavra é como uma semente que se deposita. Ele irá germinar No sociodrama, a ação é uma semente.

Os grupos são uni sintomáticos. Em situação de role playing há um protagonista e todos os outros estão em situação de espelho. Todo se encontram no protagonista. Podem entrar e sair, recriar e reinventar os papeis.

A direção de sociodrama com manejo de roll-playing

Procura de casos específicos:

  • Conflitos- criado a partir de movimentos comuns
  • Lideranças. Criado a partir do diretor e da participação
  • Encurralado –  criado a partir do bloqueio das passagens.

Em sociodrama o diretor dirige muito pouco. Deixa o grupo fluir e procurar as suas dinâmicas.

1º passo o sociodrama é a escolha do tema. A escolha é feita pelo grupo, ou resultam dos diversos subgrupos que existem. É necessário trabalhar a interação entre os membros do grupo.

2º passo- deixar o grupo trabalhar o que tem e o que quer, como quer. Cada grupo, ou subgrupo deverá trabalhar a sua própria questão. –ada grupo faz o seu trabalho. Em sociodrama o grupo é um único protagonista. A voz do gruo é a voz dos diversos elemento do grupo.

3º passo – confrontar cada grupo com os outros grupos. Procurar o que há de comum.

O encerramento é feito de forma individual. O sujeito individual só emerge na partilha.

Em sociodrama o duplo é a voz do grupo. Em sociodrama o duplo é o que se sente. A tele do grupo dá uma ressonância. A tele é a voz dos outros, a interferência que os outros fazem no indivíduo.

O certo é o que está certo. A técnica tem que ser eficaz. O que é necessário, em sociodrama é que o processo atinga o objetivo de forma eficaz. O protocolo é o que permite a criação da eficiência. No sociodrama há que aplicar o protocolo com adequação. Há um paradoxo na aplicação dos protocolos, quando o que está certo pode ser o que não se faz de forma certa.

A diferença entre a Tele e a projeção. A tele em sociodrama é um passo para a ação.

A técnica não é uma solução.

Jogos de grupo:

Jogo do jacaré.- os indivíduos colocam-se em cima duma cadeira. As cadeiras estão espalhadas pela sala. O objetivo é colocar todas as cedeiras em linha. A cooperação entre os membros fornece a solução.

2 jogo – interpolação de resistências

O diretor deixa experimentar o papel. Não são os indivíduos que interessam. São os papeis que interessam experimentar.

Questão da resolução de conflitos:

Questões gerais.

O que se pode, em situação de conflito, organizar.   O grupo organiza uma estátua do conflito. Como é que vê a sua resolução.

Como é que eu vejo o meu grupo e o outro grupo. Fazer uma escultura fluida. –evitar as palavras e centrar-se no atos.

-Escolhe-se um representante do grupo. Colocar cadeiras, em angulo reto. Evitar a confrontação direta.

No conflito é normal ninguém se ouvir e ninguém reconhecer o outro. A voz do outro é importante, mas não há escuta. Na ausência de relação racional e relação emocional, é necessário, primeiro, criar uma relação emocional.

Técnica da resolução em cadeiras. Triângulo virtuoso. Eu, problema, resolução

 

problema

Cada representante do grupo senta-se numa cadeira e desenvolve a sua argumentação para a cadeira em frente, vazia ou com um observador. O grupo rival ouve, sem se exprimir. De seguida o papel é feito de forma alternada com o outro. Atenção, nos conflitos não há inversão de papeis.

O objetivo é baixar a tensão e dar lugar a trocas, primeiro emocionais, depois na procura de pontos comuns, não conflituais.

Trilogia de Beck. Nos conflitos não é bom colocar material exterior. Só se deve utilizar material no local

Ver os trablhos de Ron Weiner: Changing the world

Peter Kolemann – Sociodrama

 

Elaborado a partir do módulo de Gabriela Moita 25 de janeiro 2014.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.