Ego-auxiliar em sociodrama: papel e função

A Função do ego-auxiliar em sociodrama

Uma sessão sociodramática através do método sociodramatico moreniano, modelo defendido pela Sociedade Portuguesa de Sociodrama, implica um encontro no espaço e no tempo. Um encontro que é dramatizado por um diretor, um ego-auxiliar, um protagonista, um auditório, num cenário. Estes são os cinco instrumentos base do sociodrama.

Neste artifo refeltimos apenas a questão do ego-auxiliar que é um ator, um investigador e um terapeuta.

O papel do ego-auxiliar desenvolve três funções. A de ator, desempenhando o papel que lhe é apresentado pelo diretor e desenvolvendo a sua espontaneidade; a de investigador, através da observação do outro, das suas vivências, linguagens (verbais e não verbais) e dos seus papeis; e de terapeuta, através da sua relação funcional com o diretor.

No psicodrama a função do ego-auxiliar é fundamental para permitir aos protagonistas ultrapassar a dinâmica da relação causal linear com o outro e captar a relação causal circular.

Um protagonista, ao verbalizar ou representar o outro, necessita de criar o contexto sequência da ação (ou do discurso). Na relação causal linear, o eu interage com os outros através de sequências narrativas alternadas (eu disse, ele responde). No fenómeno comunicativo, a descrição da narração, para alem da perda de informação, a sequenciação temporal implica a perda da convergência dos fluxos. O que acontece é sempre uma interção. O que resulta dum processo é uma relação de probabilidades.

Através do ego-axiliar permite recriar uma sequência numa dimensão de contexto. O ego-auxiliar permite recriar a complexidade e os espaços próprios da ação, libertando o protagonista do sucessivo desdobramento dos outros, centrando-se no si-mesmo e na sua interção com o outro. Ver Pio de Abreu (2006). O Modelo do Psicodrama Moreniano, p 26

A relação Diretor – ego-auxiliar : Unidade funcional. Patologias da unidade funcional

A função terapêutica do ego-auxiliar assenta na relação funcional com o diretor. O desempenho do papel de ego-auxiliar implica assumir dinâmicas em contexto. O ego-auxiliar é solicitado a entrar e a sair de papeis. Nalgumas situações é solicitado a ser neutro outras vezes a ser criativo. São situações em que ao mesmo tempo que é solicitado a sentir o outro é também solicitado a sentir o si-mesmo.

Através da relação dinâmica do ego-auxiliar, este desempenha uma função de ressonância da ação psicodramática dirigida pelo diretor, do ato psicodramático do protagonista e da sua própria ação em contexto.

Por essa razão a relação entre o diretor e o ego tem que ser trabalhada. Não deverá existir patologias na unidade funcional.

A relação entre os membros da unidade funcional deve ser trabalhada. Deve ser verdadeira. As dificuldades devem ser trabalhadas. Uma das patologia que mais emergem é da confusão dos papéis entre o de diretor e de ego-auxiliar.

A abordagem da questão do papel do ego-auxiliar é uma especificidade da linha da Sociedade Portuguesa de Psicodrama, na linha de Soeiro. No Brasil para alem da linha de Soeiro é também a linha do Psicodrama Triádico de Pierre Weill. O Psicodrama Triádico de Pierre Weil fei muito desenvolvido no Brasil Parte duma tentativa de síntese entre Freud, Moreno e Kurt Lewin, ou seja da Psicoterapia, do Psicodrama e da Dinâmica de Grupos e sua sociometria.

O ego-auxiliar no Psicodrama em Grupo, no sociodrama de casal e no psicodrama individual

As patologias devem ser trabalhadas. As patologias do protagonista devem ser trabalhadas pelo ego de forma profissional. Por exemplo, a aplicação do desdobramento do eu (inversão de papeis) só devem ser aplicada por um profissional. O ego-auxiliar é um instrumento de trabalho do diretor.

A questão do desdobramento do eu é uma técnica complexa. Deve ser aplicada por um ego-profissional.

O ego-auxiliar, intervêm pouco no aquecimento, para além de poder aplicar alguns exercícios no aquecimento inespecífico. Intervém como ator e intervém no final. O comentário do Ego deve ser “curto e grosso”. Deve comentar o que viu e o que sentiu. É no comentário que o papel de observador do ego-auxiliar de manifestar.

No Psicodrama individual o ego-auxiliar assume ainda o papel de auditório.

O psicodrama individual é feito em situações específicas. Casais, problemas de assumir comportamentos e atitudes em contexto grupal. Aplica-se em situações de grande intensidade individual..

Deve-se ter em atenção, na aplicação das técnicas os procedimentos corretos. Por exemplo, um solilóquio nunca deve seguido por uma inversão de papéis. A aplicação dum solilóquio é um parêntese na ação. Ele deverá ser retomado no ponto anterior ao solilóquio.

Treino de papel de ator: treino corporal, exercícios grupais, treino com panos e treino de cenas difíceis de protagonizar (agressividade, intimidade, morte)

Exercícios para treino do ego. Antes da sessão o diretor e o ego devem conversar. Ao diretor cabe dirigir, e o ego seguir as indicações. O Ego deverá estar sintonizado com o diretor para captar as dinâmicas. Poderá, em certas ocasiões sugerir ao diretor ajustamentos na ação.

Treino de papel de terapeuta: funções no aquecimento, na dramatização e nos comentários

O ego deve olhar a postura física, o tom de voz, os movimentos no espaço, o olhar, os movimentos das mãos e do corpo. O ego-auxilair tem um papel importante na análise da linguagem gestual.

Treino do papel de ego-auxiliar na dramatização: treino da inversão de papeis, treino na interpolação de resistências, treino de espelhos, treino de duplos, treino de desdobramentos do eu e treino de técnicas especiais

O ego-auxiliar acompanha o diretor. O ego entre por solicitação do diretor e sai quando a cena se dilui. Deve estar atento à linguagem não-verbal para analisar as intensidades narrativas.

O ego-auxiliar raramente entra no aquecimento. Por exemplo pode desenvolver o jogo da loja mágica

O ego-auxiliar é um instrumento precioso na dramatização. É terapeuta e observador. Assume a ação debaixo da direção do diretor. Contem a espontaneidade.

O ego-auxiliar apenas comenta se tiver algo para dizer.

 


 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.