Museus, democracia e empreendorismo

minomlogo2

Reuniu-se em Moura, nos passados dias 7 e 8 de novembro o XXII encontro sobre a Função Social do Museus. Infelizmente não pudemos participar em virtude de outros compromissos. Assinalamos  aqui todavia a sua declaração final.

É saudável esta prática de escrever um documento final de síntese  dos trabalhos.Para quem não pode participar fica com um som do que aconteceu. Uma sínteses que regista para memória futura o que se passou no evento.

Tem também uma outra função, para que pensa na função social dos museus. Dá conta das preocupações dos seus participantes a partir do seu locus discursivo.

Esta é uma declaração curiosa. No preâmbulo dá conta de uma série de problemas e auto elogia-se como movimento. Diz que termina um período de intensa atividade onde em pouco mais de um mês realizou três encontros. Um em Cuba, um na Guarda e esse em Moura. Este é um caso exemplar de que ilustra o discurso a partir de si.

Reclama contra a falta de apoio da câmara local. Fala sobre os retrocessos dos museus 40 anos depois de abril, como se os museus tivessem que ter processo pré definido. Falam, a propósito duma notícia do jornal a que dão relvo, a notícias sobre comemorações de outras coisas. Um documento que mostra que cada um chega com os seus problemas e os coloca no debate.

Esse processo é sem dúvida relevante. Trata-se das preocupações que cada um leva. isso constitui o ponto de partida. Seria a partir dessa preocupações de se construirá o esforço coletivo. O ponto de partida para a tal dclaração.

E aqui chegamos a esta declaração. Também ela curiosa e a mostrar de que forma o discurso revela dificuldade em descolar dum mundo autocentrado no protagonista.

Insistindo na ideia da decadência, desta vez denominada museologia portuguesa”, que é inserido no campo mais vasto da luta política (fala do empobrecimento da população e da concentração do capital) revolta-se contra o papel que os museus estão a ter. Sobretudo com o tais museus  de proximidade, que seriam mais próximos da comunidade que assume que estão cada vez mais irrelevantes. Reconhece com essas palavras que a sua proposta está ameaçada.

Recomenda por isso uma nova reflexão sobre a relação entre o museus e a autarquia; propõe um novo rumo para os museus, capitulando com a exigência do financiamento público e propondo alternativas empreendedoras; e propões o seu apoio a experiências que se afirmem contra o poder político.

Três recomendações. Uma museologia em tempos de cólera, uma museologia empreendedora e um última recomendação parece já estar sob o signo da desorientação de assumir uma museologia contra si mesma.

Desorientação porque sendo a museologia a relação entre a memória e o poder, é muito natural que a memória se aproxime do poder. Estar contra os ritmos do mundo não será uma boa proposta. o que talvez fosse bom de explorar era uma museologia como laboratório de  alternativas.

 

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.