O Anti-édipo de Gilles Deleuze e Feliz Guattari

 

 

antiedipo

O anti édipo: Capitalismo e Esquizofrenia ” de Giles Deleuze e Feliz Gautari, um livro publicado em França em 197, e publicao em Portugal pela Assírio e Alvim, em dois volumes,  em 2004 é um livro de culto para quem pensa no maio de 68 como um movimento social que marca a emergência da pós-modernidade nos movimentos sociais.

Livros como  “Eros e civilização” (1955), de Herbert Marcuse, ou “A sociedade do espetáculo” (1967), de Guy Debord; às vezes de “Os condenados da Terra” (1961), de Frantz Fanon; ou talvez “A arte de viver para as novas gerações“(1967), de Raoul Vaneigem a par com os trabalho “O existencialismo é um humanismo” de Jean Paul Satre , foram alguns dos cânones de seu tempo. São livros inspiradores duma geração,  citados em antologias , documentários e memórias, como inspiradores ou catalizadores.

O Anti-Édipo é posterior veio depois da grande turbulência, em 1972. O primeiro da série de livros em colaboração com o médico Felix Guattari que amados ou odiado são marca duma forma de pensar. Após os movimentos sociais, muitos intelectuais estavam desiludidos com a capacidade do movimentos sociais mudarem o mundo. Deleuze e Guattari empenham-s em pensar a sua transformação num momento de reflexão. Em vez de lamentar escreveram um desafio.

É um livro denso de ler. ousado na linguagem. Labiríntico. é um livro de filosofia e de experiência de vida. Um daqueles livros que fazem alucinar.

A questão da agressividade  do desejo estão presentes como fio condutor. é um livro revolucionário porque nega a possibilidade de conciliar ou negociar interesses opostos. Faz uma leitura de vários filósofos  de Marx e Freud, mas também Nietzsche, Spinoza, Kant, Artaud. Apresenta teoria do estado, uma teoria da moeda, uma teoria do poder constituinte, uma psiquiatria materialista, uma filosofia da imanência, o projeto da esquizoanálise. O protagonista é o desejo

O desejo como o que acontece no ser. é o desejo que motiva a ação, A leitura do real é feita a partir do desejo.

O desejo gera o real e toda a realidade se cria no desejo e pelo desejo, num movimento para dentro e para fora. O desejo diferencia-se pela sua intensidade. Somo permanentemente tocados pelo desejo. O desejo convoca o humano para a ação social. A acção social concretiza-se no desejo.

Por isso nenhum ser ou coisa é suficiente. ele convoca sempre mais. Nada se basta a si próprio.iro e doa (ou rouba) tudo, sem contrapartida nem equivalência. Por isso, nenhuma pessoa, nenhuma coisa, nada basta em si próprio.

O desejo está em tudo e tudo está nele. Tudo se cria, respira, numa variação contínua. O desejo pulsa no interior das coisas, das relações, dos afetos, das impressões, do que existe e pode existir. Uma metonímia infinita, um continuum de matéria e espírito, a contiguidade última.

Há como que um co-extensividade entre o ser humano e a natureza, entre cultura e universo, que os fluxos desejantes percorrem sem distinção real. Isto não significa que homem e natureza se unam nalguma pasta cósmica e indiferenciada. Mas, sim, que cultura e meio ambiente se dobram e redobram entre si, uma essência natural do homem, uma essência humana da natureza. A natureza funciona como processo de produção, enquanto a humanidade é soprada de todas as formas, figuras e máscaras do universo. Um pan-desejo essencialmente revolucionário, só por querer como, com efeito, ele quer: infinitamente.

Mas sucede também o desejo por fascismo. Isto é real. As pessoas não foram enganadas para apoiar ditaduras. Elas quiseram. E muitas pessoas efetivamente desejaram e desejam a mão que bate, explora, que faz sofrer o outro. O problema é menos de falsa consciência do que explicar porque a servidão voluntária pode acontecer.

Não é uma questão de denunciar ideologias mas compreender a materialidade do funcionamento do próprio desejo. Como podemos realmente desejar aquilo que nos reduz a potência de agir e existir? A pergunta de Deleuze-Guattari não é simplesmente por que, em face do intolerável, algumas pessoas se revoltam? Mas, por que não se revoltam todas o tempo todo? Eis um materialismo à altura de Marx. Embora o desejo seja infinito movimento e não tenha finalidade intrínseca, existem maneiras de recalcá-lo. Bloquear a sua potência revolucionária, usá-lo para oprimir e submeter. Toda uma maquinaria histórico-política, com suas forças de reprodução e repressão sociais, para esclerosar os fluxos produtivos, fazê-los voltar contra si mesmos, como na vontade de poder, do dinheiro, de ser amado, em toda essa abjeção de servo. No fascismo, apaixonamo-nos não só pelo poder, mas pelo poder em nosso eu-querido, nossa vaidade de pertencer àlguma raça de senhores.

Nesse sentido, Deleuze-Guattari se propõe a realizar uma crítica da economia política do desejo. Para isso, como o melhor Marx, o Marx dos Grundrisse, eles desbravam a formação do capitalismo. Três máquinas sociais, apropriadoras das forças desejantes, são descritas no capítulo 3. A máquina primitiva dos selvagens, a máquina despótica dos bárbaros e a máquina capitalista dos civilizados. A tarefa consiste em compreender como, na materialidade, operam essas maquinarias. Por meio de qual regime de funcionamento o desejo acaba sendo conduzido à servidão voluntária, como são organizados o social e o desejo?

O capítulo aborda como o capitalismo — esse Inominável — pôde ter ocorrido, a partir das formas pré-capitalistas, na contingência dos encontros e acasos que nos levaram até ele. Mas também almeja encontrar, dentro e contra a máquina capitalista, as faíscas no vento, as faíscas que anseiam pelo barril de pólvora.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.