O Cemitério de Escravos em Lagos II

Em 2009, durante as escavações para a construção de um parque de estacionamento, no Parque do Anel Verde, junto ao lado exterior da muralha de Lagos, designada “Cerca Nova” e datada dos séculos XVI e XVII, no lugar conhecido como “ Vale da Gafaria”, a equipe de arqueólogos em serviço encontrou dois grupos de ossadas em dois espaços diferentes, o maior – uma lixeira urbana natural – contendo cerca de uma centena e meia de esqueletos, a maioria sepultados (lançados) fora de quaisquer regras de inumação e uma variedade de objectos (moedas, cerâmica, adornos, …), restos ósseos de animais e detritos domésticos.

amendoeiras em flor no parque da cidade

Cerca Nova de Lagos. Denominado Vale de Gafaria, antes da intervenção urbana destinada a construir um parque de estacionamento automóvel em silo.

Os arqueólogos identificaram o pequeno grupo como sendo de leprosos ligados à gafaria ali construída em finais de Quatrocentos, de que restam algumas ruínas. O outro grupo, de 155 esqueletos de homens, mulheres e crianças, foi identificado como pertencendo a populações africanas. Estudos e sobretudo análises posteriores permitiram situar, os mais antigos esqueletos encontrados, num período entre 1430 e 1490, os mais recentes datando do século XVII. Se a datação quatrocentista coincide com as indicações fornecidas por Gomes Eanes de Zurara na sua Crónica dos Feitos de Guiné (1453), onde o autor descreve a chegada e primeira partilha de escravos africanos em Portugal, na cidade de Lagos (Agosto de 1444), as datas seiscentistas remetem para o fim da utilização da lixeira como local de ‘sepultura’.

A raridade do achado conduziu à assinatura de um protocolo de colaboração entre a Câmara Municipal de Lagos e o Comité Português do Projeto UNESCO A Rota do Escravo, com vista à criação de um Museu da Escravatura e à salvaguarda e memorialização do sítio. Nesse protocolo, previa-se que, no local hoje ajardinado, ficasse sinalizado o achamento através de um Memorial e de uma estrutura que permitisse dar a conhecer a realidade ali encontrada.

2-valegafaria
Trabalhos de terraplanagem Vale da Gafaria. São visíveis alguns restos arqueológico.
3-localcemiterio
Iniciada a Escavação são encontrados vestígios arqueológicos e ossadas humanas.
5a-corteestatrigrafico
Pormenor da série estratigráfica. Ao fundo ossadas humanas
5-corteestratigrafico
Séria Estratigráfica onde é visível a presença de ossadas.
4-escavacaocemiterio
trabalhos arqueológicos revelam ruínas romanas e vestígios da antiga Gafaria.

Trata-se de um achado único na Europa, de um importante registo material do fenómeno histórico da escravatura e do tráfico negreiro europeu, que levou à exportação violenta de cerca de 12 milhões de seres humanos da África para as Américas, estabelecendo durante cerca de quatro séculos uma relação trágica entre os três continentes. É ( era, pois foi destruído) o mais antigo ‘ cemitério’ de escravos africanos conhecido no mundo.

6-esqueleto
Ossadas. É visível o depósito por lançamento, contrário às práticas religiosas da época
7-esqueleto
Ossadas. São visíveis as mãos imobilizadas atrás das costas.
8-esqueleto
Ossadas. Cadáver de Mãe com recém nascido entre braços
9-parkingeminigolfe
O silo automóvel. após a construção é instalado um campo de mini-golfe. Não é referenciada a presença do cemitério de escravos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.