As Eleições em Moçambique e as ingenuidade do lacio

 

Acabei de ler o artigo publicado por Luca Bussotti no Savana no último dia de outubro.

Luca assina como investigador do ISCTE e visiting professor da UEM. Se o primeiro título marca a fliliação lusa, o segundo procura conferir a legitimidade de conhecedor da realidade local, em matéria de cooperação e desenvolvimento. Não conheço pessoalmente o autor mas acompanho as suas publicações.

Neste artigo o que me assusta é a grande ingenuidade com que as questões da arquitetura institucional moçambicanas  são tratadas.  Começa com um fato  que surge como “relevante”. Todos os candidatos eram homens do norte. Nussy, como sabemos é filho de um antigo guerrilheiro vindo da Tanzania, e era Ministro da Defesa do governo de Gebuza. Simango e Dlakhama vêm da Zambézia, ao Centro. O argumento não tem adesão nem explica nada.

Por outro lado esquece por completo as questões dos equilíbrios internos que levaram a Frelimo a apresentar este candidato, bem como as condições que que ele, assumindo a presidência exercerá o cargo e as condições da sua articulação com o partido Frelimo, onde Gebuza continuará como presidente. Assim sem mais nem menos interessará por exemplo como é que a legitimidade interna do poder se relacionará com a legitimidade institucional. Isso será efetivamente algo de novo na Frelimo e que depois de 40 anos de poder dá lugar a uma “nova” geração que não fez a guerra de libertação.

Também será interessante, por exemplo perceber como é que esta “novo” presidente, oriundo dumas Forças Armadas, se relacionará com a forte implantação das Forças do Ministério do Interior. Onde hoje radica uma boa parte do controlo e gestão do poder da Frelimo,

A questão da partilha dos recursos também não está aqui referida, pois como se sabe essa questão, o seu acesso e a distribuição dos seus benefícios, é hoje uma questão que está intimamente relacionada com a arquitetura do poder.

Mas o que mais sobressai é a ingenuidade com que se apontam soluções com base em questões meramente teóricas, sem que pelo menos a sua adesão à dinâmica local seja devidamente explicitada. Talvez afinal seja eu que não esteja a ler devidamente nas entrelinhas.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.