Sociomuseologia e História Social da Linguagem

peterbruke

De Peter Burke e Roy Porter, Esta História Social da Linguagem, publicado em 1987 pela editora Fundação Universidade de São Paulo, numa tradução da edicção de 1993 da Cambridge University Press, apresenta um conjunto de trabalhos sobre os usos sociais da linguagem. foi um livrinho que encontramos, já vai para uns anos na Livraria Ler no Jardim da Parada em Lisboa, onde o então Sr. Luís guardava uma interessante coleção de livros sobre educação. Tinha em tempos trabalhado Peter Bruke. Na viagem a Moçambique levei-o na bagagem para ler durante as várias horas de viagem em avião e aeroportos. Por essa razão, algumas notas já estão no diario de viagem II, pelo que aqui não nos vamos alongar na recensão.

Aqui deixamos contudo algumas notas sobre a utilidade da abordagem da sociolinguística pela sociomuseologia, termos que aliás são aparentados na forma e no tempo. Campo de convergência do trabalho do historiador, do etnólogo, do sociólogo, do cientista político e da linguística constitui uma proposta de abordagem interdisciplinar no campo das ciências humanas que permite trabalhar sobre a matéria patrimonial. A enunciação em contexto é uma importante formas de recolha de informação relevante para a construção de ação social.

O estruturalismo teve como base os trabalhos de Sausurre nos anos 30. A semiótica e o seu trabalho sobre os signos como campos de valor permitiram alargar o campo de conhecimento sobre a função social da linguagem. A abrodagem de Peter Brule sobre a História Social da Linguagem foge à tradicional matriz genealógica (a evolução dos vocábulos) e propões analisar o valor da enunciação.

A Linguagem, é uma expressão do ser em contexto. Uma mediação que precede a ação, que resulta da tensão vivida. A língua como ato criativo e contexto.

A linguagem torna-se um elemento relvante para a museologia quer como entendimento das narrativas, (por exemplo sobre o entendimento dos fenómenos de  formação das chamadas línguas nacionais), onde determinados objetos são escolhidos como símbolos da nação; quer como relevância das tensões que se geram no uso da linguagem em contexto de processo museológico. A linguagem transporta igualmente o conflito na sociedade. A enunciação e o silêncio como expressões da memória. E essa enunciação tem uma função catártica para a consciência.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.