Psicodrama Estratégico

Capitulo 1. Psicodrama

Processo em que alguém representa situações pessoalmente relevantes, numa situação de grupo. O psicodrama trabalha sobre as emoções e exaltações. Os protagonistas estão em estado de arrebatemento. Um estado de “loucura”. Os protagonistas expressam mundos fenomenológicos. O Psicodrama procura captar os sentidos do tempo. Cada protagonista é como uma agulha num disco. Capta melodias do mundo.

No psicodrama os problemas são construídos no presente. O palco é o mundo físico, os egos são personagens relevantes, o cenário são os objectos simbólicos. A conjugação. Do espaço, das pessoas e dos objetos desperta emoções. Procurar as emoções humanas. Onde estão os gestos. As emoções nascem dos gestos. O objectivo é capturar a vida na sua essência. A emoção expressa essa essência.

Capturar a paixão como algo relacional. A paixão expressa a adesão a uma emoção com algo exterior. Uma representação é uma unidade nuclear (cena nuclear). Procuirar em cada representação a revelação. (pode assumir formas, sons, cores). Em cada atos deve-se procurar o que é duradouro, o que persiste para além do momento. O que é duradouro na vida das pessoas.

Procurar o relevante passa pelo processo. Aquecimento-Representação-Compilação (Busca, Palavra, Reconhecimento da mudança) Cada ato produz uma mudança.

Os conceitos morenianos do eu implicam a ideia do eu como construção relacional. O eu é relacional e contextual. Está em processo. A sua existência no espaço é interpessoal.

A ideia de TELE é importante. Representa a distância entre o eu e o outro. A Tele é o sentimento que existe entre duas pessoas (o fluxo energético) que se estabelece. A comunicação. Como objeto de comunicação tem dois pólos. A Tele é um processo espontâneo de apropriação de um pelo outros. ( Tele foi definida por Rojas Bermudez (1966), como “o conjunto de processos perceptivos que permitem a um indivíduo avaliar correctamente o mundo ambiente”).

Atomo Social. É uma unidade de medida viva da estrutura da TELE. É a cartografia do mundo feita por cada protagonista. O processo psicodramático busca a esponteineidade. A esponteneidade é o aqui e o agora. O eu em ação. A ação é feita em função do momento (o futuro é imprevisível). A espontaneidade é a experiencia de adaptação a novas situações. A esponteineidade é a resolução da ansiedade.

A personificação. É o fato axial do psicodrama. O eixo de ação. A espontaneidade aumenta ou reduz a ansiedade (a tensão essencial). O psicodrama, através da personificação recria o momento seguinte. Permite testar a resolução da ansiedade.

A criatividade. A passoa adapta-se através da criação. A adaptação é a criação. Criatividade é criar algo de novo. Opõe-se à originalidade (que é uma nova forma de olhar para um mesmo problema). A daptação do indivído processa-se apor criatividade.

A espontaneidade. A espontaneidade procura a substância primordial. A criatividade é um catalizador da substância promordial. Olhar de uma nova forma para o problema ajuda a entender a sua essência.

Entender a essência é criar consciência. Ter conhecimento do eu. Ter uma percepção mais ou menos clara do que se passa em nós[1]. (ter ciência de si) Tomar conhecimento de si. Inconsciente (Psicanálise Parte mais profunda da estrutura mental humana, em que se dão processos psíquicos, impulsos e desejos, que escapam à consciência, porque estão censurados ou reprimidos. O inconsciente pode encerrar impulsos e desejos que nunca foram conscientes, isto é, nunca foram percebidos pela pessoa, ou então que, tendo chegado ao nível consciente em algum momento, foram censurados e voltaram ao inconsciente. Do conflito entre esses impulsos e a repressão que a consciência exerce sobre eles é que nascem as neuroses e as psicoses). O inconsciente no psicodrma é uma recriação entre os processos.

O Espírito do Lugar. A consciência é algo de fluido. Algo que está em permente trasnformação. Algo que se agrega e desagrega. (Por volta de 1937, J. L. Moreno definiu sua proposta acerca do inconsciente na teoria psicodramática considerando-o como uma das dimensões da própria vida relacional. Dizendo de outra forma: para ele, pessoas que têm uma convivência estável e significativa, tais como casais, pais\filhos e parceiros profissionais, acabam desenvolvendo conteúdos psíquicos e formas compartilhadas de subjetividade que constituem os estados co-concientes e co-inconscientes. Os primeiros são lembrados como parte de suas histórias de vida, como constituintes de suas identidades. Os últimos fazem parte do que cada um viveu, ouviu falar, soube um dia, mas que não se lembra mais, ou ainda, do que nunca soube, mas faz parte das experiências das pessoas significativas de seu campo relacional, estejam elas vivas ou mortas. Constituem um continuum de sentidos transmitidos relacionalmente, que dá colorido e singularidade às experiências.”



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2014, 31 Outubro). Psicodrama Estratégico. Global Heritages. Recuperado em 23 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2h3

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.