O Curinga no Teatro do Oprimido

A Técnica do Teatro do Oprimido

A proposta doTeatro do Oprimido organiza-se em diversas formas de ação teatral. Todas elas implicam uma ação dramática. Uma ação que é catalisada o confronto com uma realidade. As tecnicas são soluções para gerar ação dramática:

O “Teatro-Jornal” é uma acção teatral com base nas notícias do jornal ou qualquer outro material, que sem estar expressamente ligado á ação dramática, se transforma em pretexto de ação dramática. Aplica-se de diferentes fomas: Inicia-se por uma leitura simples duma notícia, procurando apenas captar os fatos. de seguida procura-se uma leitura cruzada. Outro ponto de vista e outra leitura, duas leituras sobre uma mesma coisa. finalmente procura-se informação complementar. Um olhar, olhares cruzados, olhares complementares. A leitura complementar deverá produzir uma crítica ao processo. Essa leitura é alvo duma ação dramática. Musicada, declamada de forma a que o “filtro” da leitura crítica seja acentuado. É um processo de produção de inovação. Na representação são admitidas a manutenção das outras leituras e os atores podem recriar eles próprios outras cenas sobre a notícia. No processo de produção do material dramático podem-se integrar outras situações dramáticas que acentuam a sua ocorrência noutros contextos. Acrescenta-se com isso uma dimensão histórica ao processo.

No processo de produção do Teatro do Oprimido acrescentava-se à acção dramática a encenação. A encenação não é pensada em temos de estética, mas como forma de pontuar os elementos da cena. O projetor que acentue o foco e a tensão da ação.

Na produção do teatro do oprimido procura-se que a forma a poética acentue a essência da tensão. No Teatro do Oprimido, esse essência poética é acentuada pela “opressão”. A função desse teatro é procurar realçar essa opressão e acentuar as formas que podem conduzir à libertação. A produção cénica deverá acompanhar essa pulsão de opressão-liberdade. Por vezes usa-se o absurdo e o brulesco para acentuar situações limite.

O trabalho com os atores é uma parte essencial da produção do teatro do oprimido. Cada pepel é apresentado ao grupo e discutido em grupo. É necessário gerar um consenso no grupo para a escolha dos papeis. Um papel é simbólico e implica o uso do corpo. A experiência corporal é integrado do processo dramático. Os papeis tem que ser experimentados e representados.O ator vai esculpindo estátuas de forma a representar o papel. A estátua deverá resolver a tensão do papel. A estátua deverá de seguida ser resolvida, O processo deverá ser iniciado na tensão e resolvido como experiencia do processo.

Em algumas formas do Teatro do Oprimido, o corpo de atores atuam na produção duma proposta dum problema, convidando de seguida os espetadores a participarem na produção da soluções para o problema.Este tipo de teatro Forum. Pode ser adequado para a criação de processos inovadores.

Outra das formas de atuação do teatro do Oprimido, para além da experiência “terapêutica” e do “forum” é o “teatro invisível”. O TI é a representação de situações dramáticas em contextos urbanos sem que os espetadores saibam que estão a ser espectadores da ação. Estas representações no quotidiano apelas à participação das pessoas na solução do problema dramático apresentado. A partir dum guião ensaiado, os atores apelam à participação e intervenção do público na situação dramática.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Pedro Pereira Leite (25 de Outubro de 2014). O Curinga no Teatro do Oprimido. Global Heritages. Recuperado em 21 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/p2gw


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.