A questão do plágio no trabalho científico

A questão do plágio o trabalho científico está na ordem do dia das unidades de investigação e publicações científicas.

O trabalho científico caracteriza-se por procurar explicar os fenómenos. A investigação implica respostas inovadoras a problemas, alguns recorrentes, outros novos. A questão da inovação, sobretudo a sua gestão, é contudo crucial nos atuais processos de avaliação das unidades e dos investigadores. Há um pressão para publicar, a todo o custo. Uma pressão a que se junta a outra pressão para apresentar resultados, que devem ser sempre  positivos e inovadores, pois como sabemos a competição não se preocupa com os perdedores. Uma forma de gstão que também exclui a cooperação.

A avaliação, neste, como noutros domínios tende a valorizar a competição e a esquecer a cooperação, esquecendo-se da regra do bom senso com que a evolução social se tem vindo a fazer, procurando sempre saltar mais altos, correr mais rápido e lançar mais longe alargando sempre o universo da competição.

A questão que agora quero ponderar é saber que implicações esta pressão para publicar e inovar sempre de forma positiva, (e só quem o faz tem acesso a financiamento para investigar) é compatível com as normas éticas de pesquisa.

Por exemplo. Não existiam, até há bem pouco tempo, revistas sobre cultura portuguesa com refree. As grandes revistas internacionais são quase todas elas oriundas do norte, na maioria dos casos publicações em inglês. Quem trabalha no campo da cultura portuguesa, sobre comunidades portuguesas, não publicou, muito naturalmente em inglês. Nessa língua, pois não tem, perdoem-me o simplismo, público. Não tem pois qualidade suficiente para continuar a investigar. E isto para não falar da grande quantidade de hipóteses que não se verificam, pois como sabemos, na ciência experimental, por cada “descoberta” científica, há várias dezenas de insucessos. Em tese, se não houver publicação destes insucessos, eles serão sucessivamente hipóteses. Haverá sempre gente que gastará recursos a comprovar o que já foi comprovado, até que algum acerte no totoloto. A ciência como um acaso.

Quer-me parecer que estamos perante um dilema de difícil resolução. A tentação para estilhaçar com a ética para procurar efeitos imediatos a curto prazo é grande. O problema de compatibilizar os objetivos de longo prazo com os objetivos imediatos é uma equação de complexa resolução. Não se pode transigir.

Receio bem que em alguns lugares as tentações sejam como as de Santo Antão. Veio isto a propósito dum inquérito sobre a integridade no trabalho científico que a CNPQ colocou aos investigadores. E no final, de forma amável, deixaram uma bibliografia sobre o assunto para que quem queira possa aprofundar o assunto.

Aqui partilho essa bibliografia

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.