Poéticas do Espaço e experiências de cartografias de fronteira

riosemmargem_redux

A dimensão da análise da poética do espaço como metodologia de trabalho no campo dos estudos do urbanismo e do património tem vindo a ser trabalhada no âmbito das “cartas do património”.

As Cartas do Património constituem-se com instrumentos de planeamento territorial e transportam um potencial de inovação social. Por um lado, a partir do resgate dos elementos de significância e dos valores das comunidades, são identificados os elementos a cartografar. Por outro lado, o trabalho com a comunidade, a mobilização das vontades e as investigações seminais, permitem criar compromissos de ação. Todavia, este potencial das cartas do património tem permanecido como uma metodologia pouco desenvolvida, sobretudo quando pretendem captar as formas dos processos de transformação.

Neste artigo procuramos colocar em diálogo este potencial de inovação social da Cartas do património com as experiências de fronteira como pratica da construção duma ecologia dos saberes. Os lugares de fronteira constituem-se como formas de sociabilidade privilegiadas para a observação. As comunidades de fronteira são espaços onde se cruzam as tradições locais e as tradições que resultam dos movimentos de confronto São espaços de se reconstituem com base na mestiçagem, construindo normas e hierarquias dinâmicas, estabelecem relações fluidas. São processos onde se confrontam tempos diferenciados, produzidos em espaços diferenciados. São territórios onde se presente a instabilidade no ar, onde as relações estabelecidas são simultaneamente horizontais e verticais.

A fronteira, ou melhor a experiencia dos limites é um local onde se torna possível a intensidade da existência. A vivência dos limites no espaço é uma experiencia possível em comunidade. Uma experiencia de vivência da poética numa dimensão exegética (de transcendência) que liberta significados contidos nas formas, através da verbalização e ritualização (os movimentos pendulares e as festas). Ao mesmo tempo apresenta uma dimensão inclusiva ou teórica, (a imanência, como uma busca do todo na essência das coisas) porque produz um discurso contextualizado num espaço e num tempo, onde tradicionalmente se procuram captar os fenómenos.

Ora este discurso contextual recria sucessivamente a experiencia social, constituindo as narrativas desenvolvimento delas mesmas. A poética como ato comunicativo permite produzir significados plurais, através dos quais se podem constituir leituras inovadoras. A dimensão poética traduz-se por uma experiência do sensível. Uma viagem dos sentidos pelo espaço na busca de momentos processuais.

A poética como experiência urbana é uma experiência de intesubjetividade onde os diversos sujeitos se deslocam no tempo e no espaço em torno de objetos socialmente significativo, de herança comum, para, em conjunto reconstruírem os elementos que lhes são comuns, criando novos sentidos e novos processos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.