Sobre a Ciência da Incerteza

farrotiMais um livro sobre o método biográfico nas ciências sociais, do italiano Franco Ferrarotti, editado em 2013 pelas edições pedagogo.

Sobre Ferrarotti, com quem já nos haviamos cruzados através de alguma produção em Portugal  nas seguintes obras ….

  • Ferrarotti, Franco. Sobre a Autonomia do Método Biográfico. In: NÓVOA, António;  FINGER, Matthias (Org.). O Método (auto)Biográfico e a Formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. P. 17-34.
  • Farroti, Franco, (1991). “Sobre a autonomia do método biográfico”, in Sociologia: Problemas e Práticas, nº 9, 1991, pp 171-17

… suprende-nos nete livro por nos falar da ciência da incerteza

Este livro é constituído por um conjunto de artigos produzidos ao longo dos anos 80, num tempo em que se polemizava sobre os limites dos métodos quantitativos nas ciências sociais. Parte dessas questões estão hoje ultrapassadas, embora não tenham desaparecido,  sobretudo na academia portuguesa a antipatia visceral pelo método biográfico.

Em Olhares Biográficos e no artigo sobre “narrativas biográficas” que apresentamos ao ECAS 2013, já abordamos algumas destas questões. é todavia sempre salutar as releituras quando nos abrem novas formas de abordagem.

Só para ter uma ideia. No primeiro capítulo, com o título genérico “a metodologia da sociologia como técnica de ouvir” começa-se com a citação de Sthanadl, que nas suas obras “Philosophie Neuve”, publicadas postumamente, propôs o registo ao minuto, do dia dum homem comum, seguindo, do registo desse mesmo homem durante um ano. O objetivo, segundo Sthandal, seria o de encontrar regularidades (semelhanças e diferenças). Segundo Sthandal as regularidades dependiam do grau de civilização. Quanto mais civilizados (ou domesticado se preferimos) forem os homens (ou o pensamento), mais regularidades apresentam.

E as diferenças. Como é que surgem os acasos. Como é que se trabalham as irregularidades. A história de vida permite a criação de janelas para entender. Como é que num individo emerge uma irregularidade. Como é que essa irregularidade se propaga no todo social. Como é que se constitui uma ciência da incerteza ?

Quatões que ficam no ar para ir trabalhando.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.