Walter Benjamin e a questão da Aura na obra de arte

Walter Benjamin

A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica

Walter_Benjamin_vers_1928

(no original em alemão,Das Kunstwerk im Zeitalter seiner technischen Reproduzierbarkeit é um ensaio publicado pela primeira vez em 1936, e, posteriormente, em 1955, do crítico cultural, filósofo e sociólogoWalter Benjamin. Lemos a versão traduzida por Maria Luís Moita, incluída na edição da Relógio D’Agua “Sobre Arte, técnica, Linguagem e Política, publicada em 1992, pp 73-113.

Benjamim procura nesta obra actualizar os fundamentos duma teoria marxista da arte. Uma teoria revolucionária da arte, numa discussão então em voga no centro da Europa, sobre o papel do artista como criador de tradição ou inovação. Face à disponibilidade e ao crescimento de meios e forma tecnológicas de reprodução de arte, qual é o papel e a função do artista.

O seu principal argumento é de que na ausência de qualquer valor ao ritual da tradição na era da reprodução mecânica, a arte seria sobretudo uma prática política.

A partir da análise sobre o processo de reprodutibilidade, segundo Benjamim, aplicação da técnica produzia uma erosão da aura da obra de arte. Este conceito de aura na obra de arte é essencial para entender a teoria do autor. A aura é uma figura simbólica que se projecta no espaço – tempo. Esta forma simbólica corresponde ao valor da obra de arte. A modernidade, e a sua reprodução mecânica produziram uma ruptura nesta forma simbólica. Essa ruptura produziu uma necessidade da posse do objecto e implicou alterações nas suas formas de Reprodução e a construção da sua imagem simbólia. As forma de reprodução implicam que o objecto de arte passa a ser transitório e é repetível. Por outro lado, a sua imagem, nos diferentes objectos reproduzidos, passam a ser uma unidade, e são duráveis.

A destruição da aura o objecto de arte, pela sua reprodução mecânica, para além de afetar a sua autenticidade como refere Choay, retira esse objecto do seu invólucro e transfomo em mercadoria. A arte, como mercadoria passa então a constitui-se como um valor de culto que necessita de se exibir de forma constante e renovada no tempo.

A ruptura da aura do objeto artístico leva à perda da sua “unicidade”, “singularidade” e “autenticidade” e a uma alteração do seu valor de culto. Esta alteração produz a amergência do espatáculo, dumasociedade de espectáculo como afirma Guy Debord

Em a Sociedade de Espetáculo, o argumento principal de Debord também desenvolvido a partir da análise marxista, é que a alienação é mais do que uma sucessão de emoções nos individuo. Ela é uma forma específica da organização social capitalista, que assume novas formas e conteúdos em seu processo dialética de separação e reificação da vida humana. Como uma constituição moderna da luta de classes, o espectáculo é uma forma de dominação de classe (da burguesia sobre o trabalho) que produz uma narrativa sobre a história, uma lógica de ser e estar que contamina todos os membros da sociedade.

Regressando a Benjamim e ao valor da exposição da obra de arte, na era da técnica e da reprodutibilidade, o fundamental é distribuir cópias (criar produtos) e facturar (distribuir no mercado) criando sempre novas necessidades de consumo.

Para Benjamin, o modo a produção artística foi alterado pela processo da sua reprodutibilidade técnica. O desenvolvimento do processo industrial na produção de obras de arte altera a sua função simbólica. A obra de arte sempre foi reprodutível. Sempre de fizeram cópias dos objecto de arte. No entanto a indústria altera profundamente os processos de produção/consumo das obras de arte, produzindo uma passagem da obra de arte dum valor de culto para um valor de exibição.

Essa proposta caracteriza a proposta de teoria da arte em Benjamim. A aura, ou o caracter mágico da imagem são formas constitutivas do seu valor de culto, que agora é alterado. Dos rituais simbólicos, de exibição em contexto mágico ou religioso, ligado ao seu caracter único; com a emergência da reprodutibilidade técnica das formas simbólicas, as obras de arte perdem a sua função ritualística, a sua característica de única, sua “aura”, e passam a ser exibidas e disponíveis, chegando a atingir enorme escala de exposição de massas.

Para Benjamin a fotografia é o início da alteração deste valor de culto das obras de arte, para o valor de exposição. Na fotografia contudo há ainda a possibilidade de ter presente um valor de culto, na medida em que a experiencia biográfica pode produzir influência na formação de cultos. A reprodução de rostos, por exemplo, tornaram-se no início do século objecto de culto.

A alteração simbólica do valor de culto para o valor de exposição leva igualmente a uma alteração dos processos de exposição. A exposição, que antes era feito ao serviço do ritual, passa a estar ao serviço da reprodução serial e passa a estar sujeita a necessidade crescente de novidade. Uma mudança de valores que refuncionaliza o papel da arte na sociedade.

A implosão da aura na obra de arte produz a erosão do espaço tempo. O carácter único da obra, a unidade da experiencia no tempo e no espaço (o aqui e agora), que conferem os atributos de raridade, passem a ser plurais e deixam de ser exclusivos. Ao objecto de arte deixa de ser uma experiencia única, vivida no espaço e no tempo, para passar a ser uma experiencia com objectos que se sucedem no espaço e no tempo. O objecto de arte fragmenta-se e constitu-se como um fluxo de possibilidades no tempo.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2014, 3 Julho). Walter Benjamin e a questão da Aura na obra de arte. Global Heritages. Recuperado em 24 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2fl

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.