Mango beat e a música urbana no Recife

Há volta com os contextos musicais urbanos encontrei um interesante acervo sobre a mango beat a a música zumbi. Uma mistura de ritmos afro americanos criada na decada de novente pelo Chico Science

O Mango Beat cria uma diversidade sonora misturando ritmos e sonoridades africana, americanas e ibéricas recolhidas no mango. Tendo como simbolo o carangejo a música oubia-se no Pernambuco e em Olinda.

Alguns exemplos: “Quando a maré encher”, manguetown, maracatu atómico.

Sobre esta questão ver a tese de Luciana Ferreira Moura de Mendonça (2004). “Do mangue para o mundo; o global e o local na produção da música popular brasileira”, UNICAMP

Luciana, que fez um pós-doutorado em Coimbra, colaborou com Paula Abreu no artigo “Processos de Patrimonialização do Fado e do Samba”, incluido no livro de Carlos Fortuna e Rogério Proença Leite (2013). Diálogos Urbanos. O artigo surge nas páginas 291 – 317.

O artigo desenhado a duas mãos trabalha o processo de patrimonialização do Fado e do Samba. Questiona a emergência do conceito do património imaterial e efetua uma leitura sobre a forma como as instituições de cultura se apropriaram do conceitos e analisa as ferramentas teóricas usadas nos dois países: Portugal e Brasil.

A tese que as autoras desenvolvem, é que em Portugal, devido à tradição erudita o processo de patrimonialização é fortemente influenciado pela abordagem da História e da Etnografia. A hsitória, sobretudo na sua vertente de história de arte, e a etnografia, na sua recuperação do pioneirismo do folclore e das recolhas musicais, criaram processos de patrimonialização muito agarrados aos documentos e aos protagonistas.

Por seu lado, no Brasil, o processo de patrimonialização, é mais infkluenciado pelos estudos da oralidade e das performances. Ainda que também a abordagem antropologica seja predominante, nosta-se no caso brasileiro uma procura duma tradição e autenticidade populares.

Dessa forma o confronto entre a tradição e a modernidade influenciaram a operacionalização da noção teórica do imaterial, em Portugal, através da valorizção da sua via erudita, com base no estudo do documento e no registo das manifestações, e no Brasil, por via da tradição, com base na valorização da performatividade e das suas normas como atributos de autenticidade. Em ambos os casos o papel da antropologia é determinante, que para aferir a sua originalidade, quer para establecer os discurso identitários.

Esta questão torna-se relevante para a análise dos limites das categorias das ciências sociais e sua correspondencia nas categorias político administrativas. Como temos vinda a argumentar, a noção de imatrialidade, justaposta á noção de património cultural, tem vindo a revelar importantes deficiencias no trabalho patriminial, impedindo a emergência da inovação.

Como a sociologia do sensível tem vinda a chmar a atenção, a destracionalização tem vindo a revelar-se como um importante processo de produção de identidade urbanas. processo que os instrumentos de operacionalização do imaterial se revelam incapazes de captar e de trabalhar.

A questão da História Social da Musica Popualar Brasileira foi tratada por José Ramos Tinhorão.

A modernidade, ou melhor a pós-modernidade é desenhada como algo caótico. Forma hibridas que emrgem por todo o lado. O tempo contemporâneo é mestiço. O debate da sociologia da cultura está marcado por esta polémica: caos, pós-modernidade, fragmentação, esquizofrenia, disperção, internalização.

as metodologia da sociologia da cultura tem procurado intrepertar esse fenómenos. Por uma questão de simplificação, encontramos duas correntes explicativas. a escola de Frankfurt com as teoria das Industrias culturais, que desenvolveu a sua análise da arte como uma mercadoria, que emerge através da corporação. Tratam-se de narrativas explicativas que se tem vindo a revelar adequadas á análise do fenomeno do objeto artistico. A outra corrente explicativa considera que a criatividade e a individualidade são a marca da arte contemporânea. Trata-se duma forma simples de regressar á polémica dobre a arte: se o artista intrepreta a foraç do tempo em que vive, ou se o artista é influenciado pelo contexto social em que produz a sua arte. Um paradoxo sem resposta fácil.

Se seguirmos as propostas de Walter Benjamin, no seu livro “o objeto de arte na era da reproductibilidade” . Mas esse é um tema para amanhã. concuindo este post.

A produção de música urbana, como conclui Luciana Mendonça no seu trabalho sobre o Mango beat permite concluir que as músicas urbanas como processos de dialogo com as cultura locais podem usar as formas de globalização para incrementar quer a riqueza ritmica e melódicas das formas tradicionais.

O mango beat comprova que a apropriação das formas mundiais pelas formas locais  produzem dialogos com a tradição que permite manter viva a cultura local e evitar a folcorização dos processos.

Através das músicas urbanas é possível aumentar o dialogo entre gerações presentae na cidade.

Finalmente, através da música urbana, é possível criar processos de empoderamento na comunidade.

 

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.