Etnografias e Museologia

Tipologias Emic na entografia

Por uma questão de facilidade na descrição da epistemologia Emic da etnografia, podemos classificar as análises etnográficas em etnociência, análise de conteúdo e análise etnográfica com análise descritiva.

A etnociência ou as teorias cognitivistas enfatizam as visões Emic e dão clara relevância aos dados das entrevistas. Procuram alcançar a precisão científica da linguagem. A etnociência baseia a sua análise nas cadeias de decisão ou na divisão taxonómica. O processo decisório como uma cadeia de relações causais, dos modelos semânticos complexos (análise de domínio ou componencial). A construção da taxonomia é a unidade de análise fundamental. A taxonomia é uma descrição dum domínio cultural (lista de palavras numa linguagem). A análise parta da construção do domínio taxonómico a partir do qual se constrói um domínio de interesse.

Trata-se dum trabalho complexo, na medida em que as categorias podem ser diferentes de informante para informante, podem inclusive ser constituídas por frase. Pode igualmente ser detectado que não existem etiquetas para domínios, na medida em que os problemas ainda não estão formulados. Para ultrapassar essas dificuldades pode ser usada a análise componencial[1]. Esta análise tem dois objectivos. Em primeiro lugar especificar em que condições o orador especifica algo com um termo específico, uma palavra). A partir desta palavra procura-se entender o processo pelo qual o orador desenvolve o seu processo cognitivo, e quais a variáveis que usam para determinar a coisa. Esta técnica é um instrumento preciso para determinar os significados que as pessoas atribuem às coisas, quais são os seus campos de linguagem e determinar a lista de taxonomias. Cada séme liga-se a outros semes através da rede de conexão de significância. A análise leva à construção dos mapas cognitivos. Mapas cognitivos são mapas de cultura, amplos na sua abrangência e significado.

A análise de conteúdo  é outra técnica que pode ser usada para fazer inferências a partir de textos. A análise dos conteúdos das entrevistas implica categorizar o discurso através de etiquetas. A análise de conteúdo pode ser semântica (manifesta) ou conteúdo inferido (latente) a partir do que é dito. Este procedimento infere o significado de algo a partir do que é dito. Qualquer análise de conteúdo deve conter três elementos básicos, para assegurar a clareza do processo: A decisão sobre unidade de análise, a aplicação do quadro de categorias, desenvolver a razão fundamental e o quadro de segmentos que guia a codificação dos dados em categorias. A análise de conteúdo tem como objectivo obter a validade externa do discurso. Mede a quantidade de ocorrências e depende do seu processo de categorização.

A análise descritiva parte da observação e registo dos dados. A partir de cada observação são efectuadas vários testes de hipótese para verificação da sua validade interna. Trata-se duma abordagem mais tradicional, que usa dados duma observação participante e das entrevistas informais. O investigador parte em regra dum quadro teórico que vai ser testado. O investigador é guiado pela teoria e procura confirmar ou infirmar os dados, identificar padrões e tentar compreender como é que os dados se interelacionama. O sucesso do trabalho depende em muito da perícia do investigador, do quadro inicial de hipóteses, das categorias analíticas inicias e do quadro teórico que é criado. Este quadro deve estabelecer as ligações entre os conceitos e acrescentar novos. Trata-se dum método comparativo constante, onde os dados são descontextualizados para serem recontextualizados num novo texto. É um trabalho de corte e costura.

Conclusão

Concluindo, o estilo e o método da etnografia são funções do etnógrafo que transporta as suas próprias tradições científicas, de formação, de socialização. A etnografia é escrita em função dum grupo. Isso influencia igualmente a sua narrativa. A narrativa etnográfica (seja etnociência, seja através de métodos tradicionais) pode ser mais holístico ou mais naturalista. A etnografia pode ser apresentada como uma história ou como uma cronologia, pode ser mais geral ou mias particular. Independentemente da forma como é apresentada e do método escolhido para a análise, uma etnografia deve apresentar uma compreensão sobre um grupo de pessoas e possibilita uma oportunidade para compreender esse mundo. Um etnografia pode se densa, interpretativa, uma teoria ou um modelo. Ele deve ajudar a compreender o comportamento humano.


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.