Etnografias e Museologia

Etnografias Processuais e etnografias particularistas

As etnografias processuais são as que revelam maior utilidade para o estudo dos processos de transformação e inovação social. Elas podem ser divididas em quatro grupos: Etnografia Holística ou clássica, particularista ou focada, de corte transversal, etnografia etnohistórica.

A etnografia clássica, holística, em princípio centra-se na descrição de grupos ou unidades sociais integrais. O seu resultado é sempre um livro.  O objectivo é a descrição global das relações do grupo. O etnógrafo olha para as diferentes partes do grupo social como um conjunto dinâmico e interactivo. Do ponto de vista histórico, estas etnografias correspondem às etnografias clássicas, onde a descrição das comunidades se integrava a partir do contexto de interpretação do etnógrafo, onde por exemplo, as práticas de saúde, eram ritualizadas e classificadas como práticas sobrenaturais, magicas, ou religiosas, em função da significação que lhes era atribuída.

As etnografias particularistas, ao invés das anteriores, parte do princípio que, salvo excepções muito particulares, não há grupos sociais que vivam completamente isolados. Desse modo, é possível, em função do contexto, estudar unidades socais particulares. Grupos escolares, de saúde, de adolescentes, constituem exemplos destes trabalhos, que dão origem a monografias ou artigos científicas. Etnografias de grupos pequenos, mini etnografias que incidem em grupos particulares.

As etnografias de corte ou transversais distinguem das anteriores, no foco em função do contexto. Por exemplo, ao estudar um grupo de estudantes, ou vagabundos, a unidade de estudo não é necessariamente a totalidade das unidades do sistemas, mas um conjunto representativa do grupo, a partir do qual é possível fazer uma generalização. São feitos cortes transversais na amostra, na procura de elementos comuns.

As etnografias históricas procuram ultrapassar a sincronia da descrição. Quase toda a etnografia é feita num tempo presente. As descrições são feitas de observações sobre interacções do presente, assumindo-se esse presente como totalidade. Na etnografia história, procura-se ultrapassar esses limites temporais. As etnografia etnohistórica descreve o pressente como resultado das interacções do passado. Alguns estudos sobre a dor nas comunidades da américa central, feitos com base em fontes primárias e secundárias, demonstraram a ligação entre as experiencias do presente e as vivências da comunidade no passado. As experiencias traumáticas por exemplo, dão conta da diversidade de vivências da comunidade.

As outras etnografias, as binárias, que se apoiam na oposição de pares  são também elas muito variadas. Podem ser classificadas por dimensões espaciais ou geográficas (quarteis de bombeiros, salas de aula, enfermarias, cidade, vilas) podem ser classificadas pela linguagem (linguagem nativa ou traduzida). O que é determinante na produção de enterografia é a procura de padrões. A etnografia existe para procurar nos dados das observações, ideias que explicam a regularidade ou os padrões de comportamento. A análise tem dois significados. Por um lado, tem como objectivo explicar a realidade através da decomposição dos seus elementos, (análise descritiva) por outro,  tem que mostrar como é que esses componentes interagem e quais são as regras a que  elas obedecem (a teoria). Essa simplicidade é igualmente a dificuldade da etnografia, pois todas as escolhas determinam os caminhos a percorrer, mas também determinam os resultados que se obtém.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.