Etnografias e Museologia

O processo de produção da etnografia

A etnografia é um ato de ciência, que fundamente a sua credibilidade, e um ato de arte, que fundamenta a sua humanidade. A humanidade é fundamental para compreender os outros. Para criar ligações. Dessa forma uma etnografia apresenta algumas características: são de natureza holística e contextual, apresentam um caracter reflexivo, usam dados Emic e Etic, e apresentam-se como um produto.

Do ponto de vista holístico e contextual, uma etnografia resulta duma recolha de dados de observação, num determinado contexto, que são colocados numa perspectiva mais alargada. O que acontece, o comportamento das pessoas em grupo depende do seu contexto. Apenas me contexto se pode compreender. A observação tem que se concretizar em contexto. A interpretação do que acontece decorre do contexto. É o contexto que fornece a chave do comportamento. O contexto é portanto algo mais do que acontece. O comportamento humano não basta ser descrito, necessita também de ser compreendido no porque e em que circunstâncias.

Na etnografia, o trabalho de campo permite concretizar a relação entre o etnógrafo e o grupo. A observação participante permite a proximidade para descrever e o distanciamento para interpretar a observação. A observação implica um contacto intenso com os grupos. Através dela o etnógrafo toma contacto com a comunidade e tenta recolher o máximo de informação possível. Essa informação fornece um quadro de referência holístico. É uma informação contínua, circular e não segmentada. A entrevista é uma parte integrante da observação. É o momento é que a palavra é registada. A partir da palavra do outro, pode-se ilustrar caso paradigmáticos

A etnografia é reflexiva na medida em que o etnógrafo é influenciado pelo mundo em que vive e habita. O etnógrafo é afectado por esse mundo. Não é possível isolar o etnógrafo da contaminação do ambiente em que se envolve, mas igualmente, não pode deixar de se procurar criar algum distanciamento em relação a esse ambiente. Uma etnografia tem diferentes formas de implicação. Uma observação implica uma menor aproximação ao outro, enquanto uma entrevista pode implicar uma maior aproximação. Uma boa etnografia combina as entrevistas com os processos de observação. Este processo implica uma observação de fora (observação) e de dentro (entrevista). É a partir dessa combinação que se procura interpretar.

A questão do Emic e do Etic decorre da reflexidade. A perspectiva interior, Emic, procura encontrar a forma como o interlocutor descreve a realidade. É avisão de dentro. Ao passo que a visão ética, é uma visão do quadro geral . Uma perspectiva de abstracção construída pelo investigador.  É portanto essencial assegurar que os instrumentos de descrição socioculturais estão padronizados, de forma a permitir a medição das variáveis.

Embora a combinação Emic/Etic seja uma chave de resolução, na etnografia há que ter em atenção que cada processo de recolha de dados implica uma metodologia específica. Para os processos Emic, são necessárias formas ou processos mais cognitivos. Os dados das entrevistas assumem um maior valor. Por seu lado, numa perspectiva mais Etic, os dados podem ser recolhidos de forma mais informal, procurando encontra o sentido através do quadro teórico de análise (materialismo cultural).

Em relação ao produto da etnografia levantam-se uim conjunto de observações. Uma etnografia não pode ser apenas um conjunto de observações, e também não é apenas um método. A etnografia depende dos contextos e das circunstâncias. Como processo de compreensão dum fenómeno, implica a concretização de uma reflexão e  da partilha dos seus resultados na forma que sejam mais útil para a comunidade

Grosso modo a etnografia é hoje um processo e um método usado nos mais diferentes contextos de intervenção social por diferentes disciplinas científicas e por diferentes atividade. Dependendo da unidade social a estudar, a descrição ou o método etnográfico pode variar. A formação de base de quem aplica o método etnográfico também vai influenciar a sua aplicação. Por isso é usual separar a aplicação do método em duas taxonomias. As etnografias processuais, que descrevem processos sociais, seja sincrónicos sejam diacrónicos, e as etnografias binárias, que descrevem oposições ou interacções (rural/urbano, tradição/modernidade).

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.