Cultura e Dignidade Humana CIV – Redes e conexões da Economia Criativa

Atualmente na era pós industrial, muitas cidades estão a fazer uma transição. Os processos de manufaturação e industrialização estão em desaparecimento e está a ser dada uma maior atenção aos serviços direcionados e aos setores de tecnologia intensiva.

Esse conceito de transição urbana tem vindo a ser aplicado no planeamento urbano para a regeneração das cidades. A Cidades criativas podem usar o potencial de criatividade de muitas formas. Essas cidades procuram ativar os seus recursos culturais para atrair empregos e investimentos criativos. As cidades criativas colocam em evidência as atividades cirativas para valorizar a vida urbana, a coesão social e a identidade cultural.

Em 2004, a Unesco criou a Rede de Cidades Criativas para valorizar o papel da cultura na sociedade como parte da sua economia. (www.unesco.org/culture/creativecities).

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

CIII – Cultura e Dignidade Humana – Lugares das Economias Criativas

Apresentamos a dinâmcia da co-criação, os projetos das cidades criativas, e o papel das redes de desenvolvimento e comunicação para promover o mercado de produtos criativos

Sumario:

  • Descrever as dinâmicas da co-criação, os clusters criativos e as cidades criativas;
  • Identicar a relevância das parcerias e das redes para a promoção da cultura do empeendorismo criativo;
  • Reconhecer a importância de estar ligado e das plataformas digitais para os produtos criativos

 

No nosso mundo globalizado e intedependente, pessoas, mercados e lugares estão interconectados. Para entender a dinâmica da economia criativa, os indivíduos e as organizações devem ser proativos e estarem envolvidos no setor criativo, mas duma forma em que interagem uns com os outros. A economia criativa é uma grande rede que envolve múltiplos atores.

Para ser ser eficiente, a economia criativa necessita de ser inclusiva. Requer um processo de participação, o que significa que deve juntar e envolver os representantes do setor público, do setor privado e do setor solidário (ou não lucrativo /economia social) e sociedade civil.

A Economia Criativa tem as suas peculiaridades. Grupos ou locai de economia criativa podem surgir em qualquer lugar. Mas o seu crescimento pode ser exponencial se as condições para a constituição de clusters puderem emergir. A proximidade a um cluster é uma condição qu permite às empresas criativas sobreviverem e crescerem.

Todas a industrias criativa tem a sua estrutura organizacional, mas normalmente envolvem áreas de artesanato, música, filmes, artes visuais, novos media, moda, etc. que tende a clusturizar para criar economias de escalas. Os profissionais das artes e criação podem beneficiar dos mercados e da informação, podem partilhar cursos e conhecimentos. De certa forma eles são competidores mas são ao mesmo tempo colaboradores entre si, uma vez que aproveitam os saberes e os fazeres locais.

Um exemplo bem conhecido da clusterização das industrias criativas é Hollywood nos Estados Unidos e Bollywood em Bombaím na India.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana – CII – Recursos sobre Economia Criativa

Recursos adicionais.

Augusto Mateus (2010) O Sector Cultural e Criativo em Portugal: Estudo para o Ministério da Cultura

Augusto Mateus (2013) . A cultura e a criatividade na Economia Portguuesa.

Augusto Mateus (2016) A Economia Criativa em Portugal: Relevância para a Competitividade da Economia Portuguesa

http://creativeconomy.britishcouncil.org/resources_new/

https://cirquedumonde.app.box.com/s/dq719esu46eh7nklamaqp1r3vlyy3ghs

UNCTAD & UNDP – Creative Economy Report 2010 pdf 

UNESCO: Cultural times – The first Global Map of Cultural and Creative Industries pdf 

UNCTAD – Capturing the Creative Economy in Developing Countries ppt (1.2 MB)

Bas RAIJMAKERS, Eindhoven Danielle ARETS “Thinking Through Making – An approach to orchestrating innovation between design and anthropology pdf (491 KB)

Tim INGOLD. “Thinking through Making” at Pohjoisen kulttuuri-instituutti – Institute for Northern Culture (video lecture) (25 min 29 sec)

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana CI – A ideia de Economia Criativa

Estamos então em condições de entender que o conceito de economia criativa depende do uso dos conhecimentos, das capacidades e aptidão de aproveitar as novas oportunidades”[1].

Também verificamos, que associado ao conceito de Economia Criativa está a ideia de Desenvolvimento Sustentado. Uma ideia também ela complexa, que implica que o desenvolvimento, ou a melhoria do bem-estar e das condições de vida, devem ocorrer, idealmente, em simultâneo nos diferentes planos, culturais, societais, económicos e ambientais.

Deste modo a Economia Criativa é também olhada com um instrumento de desenvolvimento, sobretudo nos países menos avançados, onde a economia criativa pode ser usada para afirmar as suas tradições e projetos identitários (muitos países em desenvolvimento encontram-se em processo de afirmação das suas identidades nacionais), mas também com um instrumento para diversificar as suas economias, promover o crescimento económico e estimular a participação social na criação do bem-estar e progresso social.

Já nos países desenvolvidos, a economia criativa é essencialemte olhada pelo seu potencial na promoção da criação de emprego e oportunidade de negócio, sobretudo entre a juventude. Nos países desenvolvidos, as políticas de combate à pobreza e exclusão social, é frequente verificar o uso de políticas públicas para estimular a economia criativa. Algumas desta políticas tem sido usado com sucesso em espaços de trtansição de economias tradicionais para economias globais (Colômbia, Nigéria, Tailandia)

Da prespetiva económica a Economia Criativa tem registado um crescimento mais rápido do que outros setores da economia mais tradicional A economia criativa tende a ser olhado como uma alternativa aos setores de especialização tradicional, sobretudo pelo sue impacto nos processos de urbanização. A crescente conexão dos mercado, o crescimento das tecnologias de comunicação, a ampliação e diversificação dos media, são fatores que tem vindo a aumentar e a alrgar o mercado potencial para produtos e serviços criativos, tais como musica, animação digital, videojogos, publicidade. Há toda uma gama de serviços que são possíveis de concretizar na economia criativa, encurtando redes de intermediação e olhando para mercados mais vastos.

A economia criativa em todo o mundo apresentou uma elevada resiliência perante a crise financeira de 2008, continuou a crescer a uja taxa elevada e apresenta-se hoje como um dos setores mais dinâmicos da economia mundial

[1] Creative Economy Report 2010 – UNCTAD/UNDP

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana C – O Processo de Criatividade

velazquez-las-meninas

O processo de criatividade

A questão da produção de inovação social tem sido um tema que temos vindo a trabalhar no âmbito da museologia social.

 

Velasquez as meninas: a inversão da perspetival

  • O que controlo e o que não posso controlar: selecionar o relevente e deixar o acessório
  • Inspiração nas Histórias contadas
  • Ultrapassar os Limites. Procurar novas soluções para velhos problemas
  • Ultrapassar a Perda – O trágico da condição humana

Tudo está em processo. Procurar a Tensão no processo.

Há um ciclo de criação e destruição. Há coisas que podemos controlar e outras que temos que deixar. É necessário pega nos restos e começar de novo

Arqueologia, História, Museologia, património

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana – XCIX – Economia Criativa e Cultura

Sem conhecimento, cultura e educação é muito difícil ser-se criativo. Sabemos que os valores culturais, as práticas culturais, os valores históricos e o conhecimento das tradições locais são fatores que influenciam de forma relevante a criatividade. É também necessário acesso à tecnologia e à informação. A criatividade não é algo que pré-existe. Podem ser treinadas atitudes que favorecem a emergência de situações criativas. Mas a criatividade emerge da leitura do lugar (Spiritus loci) da experiencia de vida e da interação em grupo (do encontro).

A criatividade não é uma forma de inteligência. Não se pode aprender a ser criativo. A criatividade pode ser definida como a capacidade de criar qualquer coisa nova e útil. Por isso a criatividade tem mais a ver com uma atitudo perante o mundo, uma capacidade que pode ser treinada, e que pode mergir em qualquer lugar em qualquer tempo.

Ser criativo, é em síntese encontrar um lugar no mundo. Num mundo em Mudança. Nessa prespetiva a criatividade não existe apenas no campo das artes e da cultura. A criatividade é necessária em todos os campos da vida individual e dos grupos. Existe na economia, na ciência, nos negócios. È uma forma de adaptação à mudança.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana XCVIII – Industrias Criativas e Economia Criativa

As indústrias criativas podem classificar-se em 4 grandes grupos: Património, Artes, Média e Criações funcionais.

Industrias Criativas
Património Arte Média Criações Funcionais
Expressões Culturais Tradicionais

l

Artes Visuais

Pinturas

Escultura

Fotografia

Imprensa e Literatura

Livros

Jornais

Publicações

Design

Design de interiores

Grafico

Moda

Joalharia

Brinquedos

Lugares de Cultura

Monumentos

Museus

Livrarias

Arquivos

Artes Performativas

Musica

Teatro

Dança

Opera

Circo

Marionetas

Audiovisuais

Filmes

Televisão

Radio

Radiodifusão

Serviços Criativos

Arquitetura

Publicidade

I&D Criativo

Serviços culturais

Serviços Digitais

Novos Média

Conteúdos Digitais

Videojogos

Software

Animação

O primeiro grupo, inclui dois subgrupos: as expressões tradicionais, com o artesanato, as festas e romarias e as expressões da cultura local (gastronomia, lendas, musicas, danças), e os lugares de cultura, como monumentos, museus, arquivos, livrarias que são lugares de memória, simultaneamente de valor simbólico e onde são possíveis concretizar atividades económicas.

O Segundo grupo, da Produção de Arte, que inclui todas as expressões que se inspiram seja na cultura popular ou erudita, local ou do mundo inclui as expressões visuais (de produção de pintura, escultura, fotografia, instalação) e as artes performativas (como música, concertos, danças, circo teatro, etc).

No terceiro grupo, nos produtos mediáticos são produções criativas que se destinam a grandes audiências e a mercados mais globais, é constituída pela industria livreira, cinematográfica, televisão e radio e, mais recentemente as comunicações na rede global (WWW)

IO quarto e último grupo das industrias criativas corresponde a Criações funcionais, e incluem as áreas do design, dos novos médio, arquitetura, a publicidade, o entretenimento.

Como todas as categorizações as fronteiras entre as diferentes industrias podem ser muito fluídas. No entanto o que queremos aqui salientar é que entre elas existe uma forte ligação entre conhecimento, cultura e educação, e uma dos fatores que distingue o seu trabalho é a criatividade

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana XCVII – Redes de Cidades Criativas

Um outro lugar onde as indústrias criativas são convocadas a intervir, agora numa prespetiva de intervenção é nas cidades. A rede das cidades criativas[1] procura criar focos de desenvolvimento a partir das atividades criativas, ou usar as atividades criativas para regenerar tecidos urbanos degradados (criação de hubs criativos)

cidadescriativas

Também aqui as fronteiras das indústrias culturais se tornaram fluídas, tendo sido necessário introduzir a ideia de “indústrias criativas”, definidas agora como um ciclo de criação, produção e distribuição de bens e serviços que usa a criatividade e o capital intelectual [2] As industrias criativas permitem agregar, em termos económicos a produção dos bens intelectuais e bens simbólicos e encontra-se no centro da Economia Criativa

[1] http://en.unesco.org/creative-cities/home

[2] Noutra definição de 2008 “ atividades que têm a sua origem na criatividade individual, habilidade e talento e com potencial de criação de emprego e riqueza, através da geração e exploração da propriedade intelectual” https://www.gov.uk/government/policies/media-and-creative-industries

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e dignidade Humana XCVI – Ideia de Economia Criativa

Na definição da UNCTAD a Economia Criativa é um conjunto de atividades baseada no conhecimento que podem gerar rendimento, emprego e exportações, promovendo a inclusão social, a diversidade cultural e o desenvolvimento sustentado.

O conceito abrange atualmente um conjunto de expressões que marcaram a observação do fenómeno cultural, nomeadamente a visão da organização da sociedade em setores ou áreas de atividade. Na economia, a cultura foi inicialmente referenciada como “setor cultural”, um conceito que procurava integrar os “produtos culturais”, de natureza simbólica ou performativa, no âmbito da economia de mercado, sobretudo através do alargamento do consumo. Para melhorar a compreensão desta ligação, e para melhor distinguir a produção cultural do consumo da cultural, surge, já nos anos oitenta e noventa o conceito de Industrias culturais, que integrava atividades, algumas já consolidadas, como o mercado dos livros, dos discos e do cinema, com outras emergentes, os grandes eventos ou a moda.

Um fator que tornou relevante esta necessidade de distinção entre o lugar de consumo da cultura, como um espaço de troca mercantil de mercado (industrias), ou como espaço de criação resulta do turismo, que organiza o mundo em produtos. Para a atividade turística o que é relevante não são os recursos que existem, mas os produtos que se podem criar para consumo dos turistas. Por exemplo um museu ou uma paisagem é, primariamente um potencial recurso. Apenas se transforma-lo numa atração turística, se dele foi possível criar um produto ou integra-lo num processo de comercialização.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana – XCV – Economia Criativa em Portugal

Também em Portugal, nos últimos anos o conceito de economia criativa se tornou um termo de “moda”, tendo sido alvo de várias relatórios, como por exemplo os relatórios de Augusto Mateus em 2010 “O sector criativo e cultural em Portugal”, em 2013 “A cultura e a criatividade na internacionalização da economia portuguesa”, e em 2016 “Economia Criativa em Portugal: Relevância pra a competividade e internacionalização da economia portuguesa”[1]. Não é apenas para a economia que a palavra criativa se tornou viral: outros relatórios de outras agências também evidenciam esta modernidade do termo[2]. De acordo com este último trabalho a economia criativa é responsável por 3,6 do VAB e 3,2 do emprego em Portugal. No último relatório das Nações Unidade sobre a Economia Criativa, pode-se ter um retrato do peso deste setor na economia portuguesa[3], o seu perfil. Dado o relacionamento entre economia, é também interessante verificar quais são os principais parceiros de negócios. Também nas cidades, a economia criativa é hoje valorizada como instrumento de política pública[4].

A Economia Criativa em palavras simples é o processo que transforma ideias em bens ou serviços que apresentam, simultaneamente um valor cultural e económico.

Estamos em presença duma processo onde se procura criar inovação a partir da relação entre uma ideia e criação de condições de troca no mercado global. O ponto de partida é uma ideia, uma ideia criativa, sobre a que se tem que exercer um conjunto de atividades, que se destinam a satisfazer várias necessidades. As necessidades de quem faz o produto e as necessidades de quem tem interesse em consumir. A distinção entres estes bens e serviços da economia criativa é que esta criatividade (que pode ser artística, científica, económica, social ou tecnológica) deverá transportar um potencial de criar inovação na sociedade e na economia.

[1] http://clubecriativos.com/wp-content/uploads/2016/12/ADDICT_Economia-Criativa_vf.pdf

[2] https://www.fct.pt/esp_inteligente/docs/IndustriasCriativas_ENEI_Coimbra.pdf

[3] http://unctad.org/en/PublicationsLibrary/webditcted2016d5_en.pdf

[4] http://www.cm-lisboa.pt/investir/setores-estrategicos/economia-criativa

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana XCIV – Critatividade e Economia Criativa

O Mundo está atualmente em profunda transformação. Tudo está a mudar e nós temos que adaptarmo-nos rapidamente à mudança e a novas realidades. Para compreender melhor como funcionam as novas formas de vida e de trabalho, é necessário ter uma visão estratégica e criar um pensamento holístico.

Não é mais possível viver fechado no mundo tradicional. A sociedade e a economia é hoje global e é necessário compreender essa dinâmica. É necessário compreender como é que as pessoas e as coisas se ligam, de forma a explorar de forma adequada as nossas capacidades e dos lugares que habitamos.Quando procuramos juntar a economia, a cultura e a tecnologia estamos a fazer economia criativa

O termo Economia Criativa foi usado, pela primeira vez em 2001, por Jonh Howkins no seu livro “Economia Criativa: como fazer dinheiro das ideias[1], onde relaciona a criatividade e a economia. Nesta última quinzena de anos o conceito de “Economia Criativa” tem vindo a evoluir e tonou-se uma moda. Uma parte deste sucesso deve-se à sua adopção pelas Nações Unidas, que tem feito vários relatórios sobre a “Economia Criativa” (2008, 2010,  2012)[2] onde se analisam as relações entre a economia e a cultura. Estes relatórios das Nações Unidas, em particular da sua Agência para o Comércio e Desenvolvimento dão seguimento à Convenção da UNESCO sobre Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais de 2005[3], onde no seu artigo 13º se defende a ligação entre a cultura e o desenvolvimento sustentável. Atualmente, todos os países, independentemente do seu nível de desenvolvimento, está interessado em valorizar a economia criativa como instrumento de desenvolvimento sustentável.

[1] http://www.johnhowkins.com/wordpress/

[2] http://unctad.org/en/Pages/DITC/CreativeEconomy/Creative-Economy-Programme.aspx

[3] http://www.ibermuseus.org/wp-content/uploads/2014/07/convencao-sobre-a-diversidade-das-expressoes-culturais-unesco-2005.pdf

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana XCIII – Estrutura da formação

Module O: Introdução

Objetivos de aprendizagem

A ) Explorar a organização do Curso

  • Apresentação do curso
    • Módulos e seus sumários
  • Documentação auxiliar
  • Processo de avaliação
  1. B) Introdução á Economia Criativa
  • Conceitos de criatividade e economia criativa
    • Identificar o que é economia criativa e indústrias criativas
    • Explicar o impacto de economia criativa na vidada da comunidade e no processo de inclusão social
    • Lugares de criatividade, redes e conexões.
      • A dinâmica da co-criação, cluster criativos e cidades criativas
      • A identificação da alianças e pareceria, redes para promoção da cultura e do empreendorismo
      • A questão das plataformas digitais e o marketing de produtos criativos. Reelvâncias
  1. C) Características do Mercado de Trabalho Criativo
  • Identificar as características do mercado de trabalho criativo
  • A ligação entre indústrias criativas e desenvolvimento sustentável e diversidade cultural
  1. D) Negócios criativos
  • Identificar atores e mercados na economia criativa
  1. E) Os modelos de negócio da criatividade
  • Distinção entre modelo de negócio planeados e modelos de resiliencia e ajustamento
  1. F) Avaliação
  • Assistência a sessões
  • Questionário de conhecimentos
  • Trabalho prático: pensar modelo de negócio criativo

A avaliação procura identificar o grau de compreensão dos conceitos (conhecimento declarativo) e da sua utilização em contextos (conhecimento prático):

  • Identificação do conceito atual de economia criativos e industria criativa
  • Explicar o impacto da Economia Criativa na vida quotidiana da comunidade e o seu papel na inclusão social e no reconhecimento da diversidade cultural
  • Explicar a dinâmica da co-criação, dos clusters criativos e das cidade criativas
  • Identificar a relevância das alianças, parcerias e redes para a promoção da cultura da criatividade e negócios
  • Reconhecer a relevância das plataformas digitais a da conexão para a criação e marketing de produtos criativos

Sistema de Avaliação

  • Avaliação dos módulos (40%) + projeto (60%)
    • Cada modulo é avaliado por questionário numa escala de 0 a 5
    • O trabalho de projeto é avaliado numa escala de 0 a 5 atendendo a: adequação da ideia, formulação do negócio, redes de parecerias, processo de marketing
  • Para concluir o curso com sucesso necessita de obtenção do grau 3

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana – XCII – Formação em Economia Criativa

Sumário

O Curso de Economia Criativa tem como objetivo desenvolver as capacidades dos empreendedores criativos e de pessoas que estejam interessadas nas indústrias criativas, na políticas públicas para a cultura, para dotá-los de capacidades de promoção da diversidade cultural e de usar a criatividade para contribuir par atingir os objetivos de desenvolvimento sustententável na cidade.

O curso é composto por 4 módulos:

Módulo 1: Criatividade e Economia Criativa

Módulo 2: Lugares da Economia Criativa, Redes colaborativas e Pontos de Conetividade.

Módulo 3 Característica do Mercado de trabalho Criativo

Módulo 4 Negócios Criativos

Para completar o curso, é necessário assistir às aulas e completar os questionários associados que demonstrem ter atingido os objetivos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana XCI – O que é Economia Criativa ?

A Economia Criativa é um dos mais dinâmicos setores da economia global, com uma capacidade de transformação socioeconómica e de promoção da inclusão social. A Economia Criativa trabalha na intersecção entre a economia, a cultura , a tecnologia e as questões sociais. Através da criatividade, como guia, o setor agrega produtos e serviços que recorrem a um propostas, criativas, com base me valores culturais, e com objetivos de mercado. Os produtos da economia criativa são resilientes e incorporam ideias, conhecimentos e capacidades que permitem novas oportunidades.

Quadro Sintese

Industrias Criativas
Património Arte Média Criações Funcionais
Expressões Culturais Tradicionais

Artesanato

Festivais e Romarias

Cultura Local

Artes Visuais

Pinturas

Escultura

Fotografia

Imprensa e Literatura

Livros

Jornais

Publicações

Design

Design de interiores

Grafico

Moda

Joalharia

Brinquedos

Lugares de Cultura

Monumentos

Museus

Livrarias

Arquivos

Artes Performativas

Musica

Teatro

Dança

Opera

Circo

Marionetas

Audiovisuais

Filmes

Televisão

Radio

Radiodifusão

Serviços Criativos

Arquitetura

Publicidade

I&D Criativo

Serviços culturais

Serviços Digitais

Novos Média

Conteúdos Digitais

Videojogos

Software

Animação

 

  1. Objectivos do Projeto

Os objetivos deste projetos é criar novas oportunidades na cidade no campo da economia criativa, um setor económico com elevado crescimento na economia, para promover o desenvolvimento da dignidade humana, nos aspetos da sociedade, na economia e no ambientes, e contribuir para a desenvolvimento da cidadania, da inclusão social, da redução da pobreza. É um contributo para o desenvolvimento da democracia participativa e dos direitos humanos

A Iniciativa “Economia Criativa, Diversidade Cultural e Desenvolvimento Sustentável” visa promover na cidade o desenvolvimento sustentável através da criatividade, incentivar a transformação socioeconómica que permita reduzir a pobreza e favorecer a inclusão social através da da prmoção da diversidade cultural, dos direitos humanos e no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, através de processos participativos

Os seus objetivos específicos são:

  • Aumentar o conhecimento sobre políticas publicas e dinâmicas dda economia criativa;
  • Promover uma abordagem centrada no ser humano de acordo com os contextos onde se inserem;
  • Estimular, criar e treinar conhecimentos e práticas significativas, com base na curiosidade e no trabalho de equipa com base na criatividade e na inovação, nas novas gerações para estimular a emergência de profissionais criativos, empreendedores culturais e negócios inovadores
  • Desenvolver capacidades e estimular atitudes criativas para otimizar o potencial de empreendorismo em produtos e serviços inovadores;
  • Favorecer as boas práticas de administração no setor criativo, favorecendo a interação e relação entre produtores, distribuidores e trabalhadores criativos;
  • Facilitar as relações entre artistas e artesão nos setores informais da economia, nas micro e pequenas empresas culturais com o setor público;
  • Facilitar a disseminação e o acesso a informação, dados e conhecimento sobre economia criativa.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Cultura e Dignidade Humana XC – Projeto de Economia Criativa

O Projeto  economia criativa propõe-se trabalhar em 5 domínios:

  1. No Domínio dos Diálogos sobre Economia Criativa

Os diálogos são momentos de transformação, que criam espaços para abordagens criativas entre atores da sociedade civil, profissionais independentes e atores políticos. Cria oportunidades para estes atores se compreenderem entenderem sobre as questões da economia criativa, para explorar processos de problematização inovadora que valorizam o setor criativo. Favorece a emergência de abordagens interdisciplinares que vaforece a dimensão socioeconómica da economia criativa.

  1. No domínio da formação de Estratégias de Desenvolvimento Inovador para a Economia Criativa

A natureza interdiciplinar a economia criativa exige abordagens inovadoras, obrigam a compromissos entre diferentes atores e disciplinas. Os atores políticos são motivados a propor e desenhar estratégias de desenvolvimento inovadoras que integrem a economia criativa nos planos de desenvolvimento. Os governos não chamados a desenhar políticas, regulamentos e mecanismos institucionais necessários para otimizar o potencial socioeconómico do setor criativo para a criação de emprego, para a expansão do comércio e para a inclusão social

  1. No domínio da criação Oficinas de Empreendorismo Criativo

Aos participantes são oferecidas oportunidades de reforçar as suas capacidades de empreendorismo, de otimizar o seu potencial criativo para produzir produtos e serviços. As oficinas são baseadas numa mistura de métodos, onde se combinam diferentes atividades. São privilegiadas atividades de participação orientadas para aprendizagens significativas, integtando estudos de caso relevantes e treino laboratorial de atividade de grupo.

  1. No Domínio da oferta de Cursos à distância sobre Criatividade e Economia Criativa

Os cursos à distância tem como objetivos favorecerem uma compreensão alargada da economia criativa, centrada nas capacidades de produção, criatividade e inovação na sociedade. Os participantes são sensibilizados sobre o valor da cultura e da criatividade, assim como dos elementos base da economia criativa que contribuem para uma cultura de inovação, de empreendorismo, na tolerância para o erro, no pensamento criativo, nos métodos do design, na curiosidade, na capacidade de lidar com a incerteza e de calcular riscos a assumir.

Os cursos deverão desenvolver capacidades sobre o empreendorismo criativo, na criação de equipas de critatividade que entendam a natureza do negócio (na base do conceito de micro-empresas), assim como na capacidade de desenvolver a inovação e a criatividade. Serão público alvo preferencial destas ações, as mulheres. Como resultado, os participantes deverão ter a capacidade de desenvolver os seus próprios negócios com base num modelo de sustentabilidade dentro do ambiente da economia criativa..

  1. No Domínio do Conhecimento aberto e na criação duma plataforma digital de casos histórias de casos relevantes

O conhecimento aberto e a criação de plataformas de Estudos de Casos Relevantes, que deverá estar associado a plataforma colaborativa de metodologias, e que permite agregar e disseminar conhecimento sobre economia criativa. Há na sociedade uma grande disponibilidade de informação sobre a economia criativa, mas essa informação não está disponível, de forma acessível aos diferentes atores, de forma a que essa informação possa ser usada e compreendida. A Plataforma digital tem como objeitvo ultrapassar essa deficiência.

Para isso vamos ver o que é a Economia Criativa e quais são os objetivos deste projeto

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

The inclusion of community knowdlege on territorial development