O Barroco : A forma da festa / Baroque: The Fashion Performance

Rio de Janeiro e o Barroco

Partida de Lisboa às 9:30 em direção ao Rio de Janeiro.

Saída de Casa às 7:00. Apanho o autocarro e deixo a A. e os putos em casa a dormir. amanhece em Lisboa. A cidade começa a movimentar-se. No oriente o movimento é intenso. Comboios, autocarros, ,metro, movimento a pé. Chego rápido ao aeroporto. Como tinha feito o check in eletrónico foi só entrar. Pouca bicha na revista. Um passeio pela lojas franca. Na Portfolio vende-se a imagem de Portugal. Ourivesaria em filigrana. vinhos, roupa de estilistas com motivos “regionais” ou diria “nacionais”. Livros de escritores portuguesa, com Saramago em destaque, Lobo Antunes, poesis.

Vacilo em comprar um disco de fado para oferecer ao Mário. Passo adiante e sigo para a manga. O terminal está novo e anda-se alguns metros em passadeiras. Gente deitada nos bancos. Painéis de infromação que dão partidas para todo o mundo. O aeroporto é um hub de potencialidade. Cada unidade dirige-se apressadamente para uma qualquer lugar.

Espero meio hora. Dou uma telefonadela aos putos para ver se já estão acordados. Dou uma olhada ao jornal que ti há levantado. Notícias estranhas a deste país. Fala-se duma realidade estranha. Opiniões centradas no umbigo de cada comentador sem uma verdadeira dimensão que as transcenda. Nota-se que o pais vacila. Até numa aeroporto internacional há sinais da dissolução de procedimentos.

Apanhado o autocarro esperamos quase um quatro de hora pela saída do pessoal da limpeza. Ao lado, um enorme avião da TAG terminava a descarga. Mulheres vestidas de azul movimentavam-se em intensa azafama na pista. Subiam e desciam. Umas comunicavam por telefones portáteis. Outras transportavam sacos de plástico recolhidos por carinhas que iam e vinham com rapidez. Nos autocarros várias centenas de pessoas   esperavam. Pacientemente.

La subimos. Agora, sobre o atlântico, com o avião escurecido para que os dorminhocos possam repousar escrevo. Revejo o texto. Tento meter a bucha do necessário reconhecimento do outro. Ponho imagens. Muitas imagens das heranças africana da isabel Castro Henriques.

Agora espero o se Seminário Arte, Cultura e Poder. Como reconhecer o outro através da arte.

A questão da impossibilidade do discurso (a função comunicativa) conter a totalidade da memórias, contendo no entanto fragmentos do passado, que através do discurso de vão metamorfoseando em presente.

Chego ao aeroporto Internacional. A aterragem demora. Passamos por cima do Rio e das suas baías, dos montes inselbergs. Um passeio turísticos.

Saio rápido. Apanho um táxi para o hotel “mundo novo” na praia do flamengo. É um bairro catita. Saio para esticar as pernas. O sal cai sobre a cidade. As gentes correm atarefadas de regresso a casa. Nas lanchonetes, comem-se pasteis. Entro no supermercado e compro uma maçãs da argentina, umas bolachas integrais e uma garrafa de água para levar para o quarto. O movimento junto ao museu da republica continua.  Começo a sentir o cansaço da viagem.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search