Mozambike II: Estudos sobre fronteiras a sul

Provérbios e museologia social: para uma critica da imaterialidade

As palavras doem.

Mas na real dor se contorce a verdade

Elas mesmo

quando não ditas

 

                        Aprendi com os mestres da história social que temos que ler um texto até ouvirmos a voz que está por detrás desse texto. Os sons que ecoam através das palavras ditas. Silêncios que emergem. Nos vários trabalhos que temos vindo da fazer sobre as narrativas biográficas, habituamo-nos a ler até conseguir escutar a conversa dos outros. Todos sabemos que um dos erros básicos da metodologia das entrevista é ouvirmos nas palavras dos outros aquilo que queremos que eles digam.

Um dos trabalhos que levamos para esta viagem é trabalhar sobre os provérbios, os ditos de ocasião. As formas de cumprimento, os gestos, as canções do movimento. Enfim tudo o que nos permita escutar o quotidiano.

O ditado popular, um tema que tem sido trabalhado pelos historiadores da língua transportam o saber da tradição (Oblekevic, 1997). O provérbio como género oral transmita a sabedoria social, fornece um conselho de forma rápida e incisiva. Os provérbios podem surgir numa serie de contextos e são aplicados a uma variedade de situações. Situações retóricas, poéticas, como metáforas, para marcar o ritmo, aliterações, assonâncias, construções binárias, etc. O provérbio transmite um eco de sentido. Transmite ao mesmo tempo uma significado e o seu significante.

O provérbio é também fácil de ser memorizado, o que o transforma num argumento de excelência da oralidade. Ao ser pronunciado serve de veículo de conhecimento social, dando uma informação prática ou moral. Fornece de forma expedita uma regra de conduta ou um modo específico de olhar para o mundo. O provérbio é uma forma de transmissão do Senso comum. Um método sobre a forma de ver o mundo, de fazer as coisas ou de estar entre os outros. Nesse sentido é um indicador e regulador do papel, pois pode rapidamente ser mobilizado para interpretar as situações em contexto.

O provérbio, para além duma forma de conhecimento, uma afirmação da natureza do poder social, é também um fenómeno social que dá acesso à memória social. O provérbio é sempre um saber coletivo, que mostra a experiencia social dum grupo.

Os provérbios existem independentemente dos interlocutores. Tem uma existência própria, ainda que, como todos os fenómenos sociais estejam em permanente processos de ajustamento. A sua natureza coletiva transforma-os em coisas anónimas, resultante da tradição e dos saberes e experiencias do passado. Esta sua natureza permite que cada um o interprete em função do seu próprio olhar sobre o mundo. Um provérbio é uma voz social que é individualmente evocada.

Será portanto pertinente fazer uma etnografia dos provérbios como forma de entender as relações sociais duma comunidade, como forma de ter acesso e resolver as tensões na comunidade. O uso do provérbio pode ser um instrumento eficaz para restabelecer relações cortadas ou conflituais. O provérbio permite realizar um exercício de prática através das palavras.

Para trabalhar com os provérbios não só é necessário conhecer o que é dito, como sobretudo saber em que contexto é dito. Nos trabalhos de recolha oral que tem vindo a ser efetuados desde pelo menos o século XVII com as Fábulas de Rabelais, até aos arquivos contemporâneos do património imaterial, encontramos abundante documentação sobre o que é dito. Mas pouco tem sido revelado sobre o contexto em que é dito. Um provérbio transporta também um história. O provérbio conta uma história que está em evolução e em permanente ajustamento. É nessa dimensão de significado e significante que nos interessa abordar a questão dos provérbio no âmbito da museologia social.

A questão do trabalhos sobre os provérbio, ou adágios, como também se chama a este tipo de oralidade, constituía no passado um tema de estudo da sociedade. O Livro de Erasmo de –Roterdão “Adágios” é um exemplo paradigmático da importância que socialmente foi atribuído ao seu estudo, um fenómeno que hoje foi remetido para as aprendizagens das crianças.

É interessante notar que o estudo dos adágios esteja mais relacionada com as formas de ensino da retórica, um fenómeno que a partir do século XVIII se começa a basear na gramática. A gramático transforma-se num cânone que cada indivíduo segue. Como cânone é preciso e evita a metáfora. O ensino da gramática afasta as diversas formas de oralidade. Os provérbios são assim afastados do ensino, explicando-se em parte porque hoje apenas subsiste no ensino não letrado.

Ao mesmo tempo, o século XVIII, com o seu culto crescente pelo individuo e pela liberdade individual, também evita tudo o que é produção social. Tudo o que oculta a dimensão da criação do indivíduo e acentua a dimensão da criação coletiva é reprimido. O indivíduo é incentivado a cultivar-se a expressar-se de forma original pelas suas próprias palavras.

Com o século XVIII o provérbio é substituído pelo aforismo, com o qual por fezes é confundido. No entanto um aforismo tem uma dimensão pessoal mais radical. O aforismo não é uma tradição da oralidade nem é metafórico. O aforismo é um produto da modernidade e tem sempre um autor. É uma forma de mostrar um olhar particular sobre o mundo e não uma experiencias coletiva.

O seculo XIX acrescenta uma outra dimensão as questões da fundamentação do saber individual. A partir de Coldrige, na Alemanha passou a ser moda os fragmentos. Estas máximas são uma forma romântica de transmitir um conhecimento do mundo, muitas vezes através dum paradoxo ou uma parábola. Numa certa maneira estas citações implicam um processo de identificação dum individuo com outro individuo. Dão a indicação de um caminho que já foi seguido e que se pretende continuar a trilhar. Como dizia Oscar Wilde:”se ti mesmo. Esta escrito .”

Com o romantismo e a sua procura da voz do povo, assiste-se a um regresso a procura do s provérbios como “tesouros do pensamento”. No período romântico, citar lroverbips da uma imagem de erudição e sapiência a, pelo que e desse período que registamos muitas recolhas de provérbios.

Em suma o proverbio gera um paradoxo na modernidade, pois coloca o co letivo a falar sobre o individual. Coloca o recorrente e o estereotipo acima do excecional. Acentua a dimensão exterior das regras sobre a vontade individual. Coloca o senso-comum acima do conhecimento por via do esforço individual.

Ao fornecer uma imagem da tensão entre o individuo e a sociedade, fora das máximas e dos aforismo não existe uma museologia de provérbios. Como musealizar os provérbios.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

One thought on “Mozambike II: Estudos sobre fronteiras a sul”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search