Mozambike II: Estudos sobre fronteiras a sul

A questão da sociolinguística e a museologia.

Temos vindo a tratar a questão da linguística e dos discursos. Desta vez, a propósito dum proverbio que ouvi, avançamos mais um pouco. Agora ligando as questões de fronteira às epistemologias do sul Os provérbios podem constituir uma interessante metodologia para as questões das árvore das memórias.

A linguagem tem sido sobretudo tratada a partir da sua perspetiva de evolução. Contudo, na perspetiva que agora a procuramos abordar da sua dimensão social, tem como objetivo procurar o seu sentido ou o seu contributo para a formação social da sociedade. Olhar como os homens e as mulheres nomeiam o seu mundo.

Todos conhecemos o movimento estruturalista que a partir dos trabalhos de Levi Strauss  nos anos sessenta deu uma dimensão científica à analise das estruturas linguísticas nas sociedades, numa perspetiva interdisciplinar. A análise estruturalista aborda a linguagem como um campo de tensão. Esta tensão nos modos de comunicação foram instrumentos de construção das línguas nacionais. A decisão sobre o que é a língua nacional, quais as formas de expressão que devem ser cultivadas, a par das formas que devem ser deixadas, são formas de analise processual desta tensão.

O papel político da língua é conhecido desde os trabalhos de Herder, quando no século XVIII escreveu o seu “ensaio sobre as origens das línguas”. Também Rousseau em “o pensador andarilho”, deu conta desta dimensão política quando reflete sobre o modo como a palavra passava na sociedade. Este autor deu conta de que as pessoas já não de juntavam nas praças para ouvir as notícias com tanta frequência como nos tempos antigos, dando conta que passavam a escolher a leitura dos cartazes que estavam afixados nas esquinas. A dimensão política da linguagem assumia-se como uma linguagem publicitária. Alias, nessa época essa proximidade entre a linguagem e o poder esteve na origem da distinção entre as línguas quentes e frias. A linguagem do amor, linguagem quente dos países do sul, contrapunha-se as linguagem frias do norte, as línguas da ajuda e do assistencialismo.

Língua e nação surgem assim ligados como a expressão dum povo. A língua expressa uma vontade política autónoma. Confere-lhe legitimidade, tal como o livro sagrado fundamenta a comunhão dos crentes. As comunidades escolhem uma língua e rejeitam outras. Essa escolha é uma expressão da vontade do poder de umas forças sociais sobre outras formas de vida e de estar.

Nos dias de hoje e a questão coloca-se em termos de leitura das pluralidades internas das comunidade. Os regionalismo como formas de expressão local, são também formas de identidade dos sujeitos. Nessa forma a língua, ao mesmo tempo que continua a ser uma intermediação do poder social, expressa também a pluralidade dos atores num dado território.

A linguagem expressa a tensão. Não dá um sentido a essa tensão (como propunha a dialética) mas mostra algo que está oculto e que se pode transformar, dependendo da sua própria organização interna e da sua relação com o ambiente. Nesse sentido a tensão presente no processo linguístico expressa um valor de relação. Torna-se num fenómeno observável em processo.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

One thought on “Mozambike II: Estudos sobre fronteiras a sul”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search