Arquivo de etiquetas: Walter Benjamin

O vôo Benjaminiano de Joana D’ ARc Ferraz

Angelus Novus de Paul KleeDe Joana D`Arc Fernandes Ferraz, da Universidade Federal Fluminense (joanadferraz@gmail.com) e Cíntia Christiele Braga Dantas, Universidade Federal de Uberlândia (historiadoracintiabraga@gmail.com) escreveram o excelente artigo de reflexão sobre a memória e o esquecimento na ditadura brasileira.

Com o título O vôo Benjaminiano de Klee: 50 anos do Golpe na perspectiva das memórias, dos esquecimentos e dos silêncios (The Benjaminian flight of Klee: 50 years of the coup, from the perspective of memories, of forgetfulness and silences) , o artigo foi publicado na Revista Maracanan em Dezembro de 2014. Aqui transcrevemos o seu resumo

Resumo:

No momento em que completa cinquenta anos o Golpe militar-empresarial brasileiro, que fez do terror a prática política do Estado e fortaleceu todos os mecanismos refratários à promoção e à defesa dos direitos humanos e fundamentais (com todos os seus limites), a alegoria do “anjo da história”, de Walter Benjamin, nos convida a refletir sobre os usos políticos da memória, do esquecimento e do silêncio, que vem sendo conduzidas pelos governos pós-ditatoriais. Na primeira parte deste artigo, será feita uma análise comparativa entre as opressões do passado ditatorial e as do presente, atualizadas no regime denominado democrático. Na segunda parte, serão avaliados os dispositivos de reparação e os seus limites no Brasil. E, finalmente, as implicações do esquecimento do silêncio. Neste sentido, algumas questões nos levam à reflexão. O que esta memória produzida, atualmente, pelo Estado esquece ou silencia? Como este  processo vem sendo construído? Quais as sequelas presentes e futuras desta política de memória que está sendo reconstruída para a sociedade brasileira?

Palavras-chave: Ditadura militar-empresarial; Direitos humanos; Políticas de memória; Memória social e
esquecimento.”

 

 

 

Teses sobre a História de Walter Benjamim -sobre os apêndices

Com estes dois apêndices, Walter Benjamim termina as suas tese sobre a História. como vimos nos postais anteriores totalizavam dezoito teses.

walterbenjamimarteepoliticaApêndice A
O historicismo se contenta em estabelecer um nexo causal entre vários momentos da história. Mas nenhum fato, meramente por ser causa, é só por isso um fato histórico. Ele se transforma em fato histórico postumamente, graças a acontecimentos que podem estar dele separados por milénios. O historiador consciente disso renuncia a desfiar entre os dedos os acontecimentos, como as contas de um rosário. Ele capta a configuração, em que sua própria época entrou em contato com uma época anterior, perfeitamente determinada. Com isso, ele funda um conceito do presente como um “agora” no qual se infiltraram estilhaços do messiânico.”

Walter Benjamin retoma e precisa neste primeiro apêndice a questão do significado do acontecimento para a teoria crítica da história. Não é o acontecimento, enquanto facto, que é relevante na história. É o seu encadear na formação do presente que o torna relevante. Enquanto parte duma complexidade que se insere na sua função ou missão messiânica. O messianismo em Benjamin é aqui a concretização da missão que permite a libertação do ser humano na sua luta contra a dominação e a opressão.

No apêndice B escreve:

Certamente, os adivinhos que interrogavam o tempo para saber o que ele ocultava
em seu seio não o experimentavam nem como vazio nem como homogéneo. Quem
tem em mente esse fato, poderá talvez ter uma ideia de como o tempo passado é
vivido na rememoração (ou comemoração): nem como vazio, nem como homogéneo mas sim como experiência.

Sabe-se que era proibido aos judeus investigar o futuro. Ao contrário, a Torá e a prece se ensinam na rememoração. Para os discípulos, a rememoração desencantava o futuro, ao
qual sucumbiam os que interrogavam os adivinhos. Mas nem por isso o futuro se converteu para os judeus num tempo homogéneo e vazio. Pois nele cada segundo era
a porta estreita pela qual podia penetrar o Messias.

Neste segundo apêndice a relação entre o messianismo e a experiência ou vontade de futuro surge com maior clareza. A rememoração da comemoração e o estudo é feito sobre o passado na procura de algo concreto. na procura do presente que se concretiza no momento como experiência.

Lisboa 23 de dezembro 2014

Teses sobre a Historia XVIII

Décima oitava tese sobre a Teoria da História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica“Comparados com a história da vida orgânica na Terra”, diz um biólogo contemporâneo, “os míseros 50 000 anos do Homo sapiens representam algo como dois segundos ao fim de um dia de 24 horas, Por essa escala, toda a história da humanidade civilizada preencheria um quinto do último segundo da última hora.” O “agora”, que como modelo do messiânico condensa num resumo incomensurável a história de toda a humanidade, coincide rigorosamente com o lugar ocupado no universo pela história humana.”

Neste tese Benjamin detalha a questão do messianismo que abordara na tese anterior (17ª). Aqui chama-lhe modelo e resulta do agora. O presente tem em o si um significado. Um significado que vem do início do tempo, que se condensa no momento para a realização final do caminho ou marcha da humanidade. uma crença num destino final. Um questão crucial para a teoria crítica como instrumento de analise.

Teses sobre a História XVII

Décima sétima tese sobre a Teoria da História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepoliticaO historicismo culmina legitimamente na história universal. Em seu método, a historiografia materialista distancia-se dela talvez mais radicalmente que de qualquer outra. A história universal não tem qualquer armação teórica. Seu procedimento
é aditivo. Ela utiliza a massa dos fatos, para com eles preencher o tempo homogéneo e vazio. Ao contrário, a historiografia marxista tem em sua base um princípio construtivo. Pensar não inclui apenas o movimento das ideias, mas também sua imobilização. Quando o pensamento pára, bruscamente, numa configuração saturada de tensões, ele lhes comunica um choque, através do qual essa configuração se cristaliza enquanto mónada . O materialista histórico só se aproxima de um objeto histórico quando o confronta enquanto mónada. Nessa estrutura, ele reconhece o sinal de uma imobilização messiânica dos acontecimentos (do devir), ou, dito de outro modo, de uma oportunidade revolucionária de lutar por um passado oprimido.

Ele aproveita essa oportunidade para extrair uma época determinada do curso homogéneo da história; do mesmo modo, ele extrai da época uma vida determinada e, da obra composta durante essa vida, uma obra determinada. Seu método resulta em que na obra o conjunto da obra, no conjunto da obra a época e na época a totalidade do processo histórico são preservados e transcendidos. O fruto nutritivo do que é compreendido historicamente contém em seu interior o tempo, como sementes preciosas, mas insípidas.”

Novamente o problema da análise do presente na história crítica e da sua distinção do historicismo. Segundo Benjamin, o historicismo coleciona os eventos de forma acrítica. Preenche os espaços do tempo sem procurar entendendo-los na sua dimensão dialética, isto nas tensões que lhe estão subjacentes.

Para o historiador crítico, segundo Benjamin, é necessário pensar sobre o significado desse acontecimento. Mas o objetivo ultimo desse esforço é procurar a sua essência poética. Procurar o sua monada ou a configuração estrutural  que permite entender o porque que esses eventos se desenvolvem duma determinada maneira e não de outro (uma configuração saturada de tensões). Ou por outras palavras, porque é que são essências únicas.

Uma ideia curiosa sobre o devir é a sua correspondência à ideia messiânica.  Qualquer coisa que essencial que provem do tempo e se concretiza na história. A história não desenha a totalidade dos eventos, mas procura elementos significativos dessa totalidade para compreender o total.

Teses sobre a História XV

Décima quinta tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepoliticaA consciência de fazer explodir o continuum da história é própria às classes revolucionárias no momento da ação. A Grande Revolução introduziu um novo calendário. O dia com o qual começa um novo calendário funciona como um acelerador
histórico. No fundo, é o mesmo dia que retorna sempre sob a forma dos dias feriados, que são os dias da reminiscência. Assim, os calendários não marcam o tempo do mesmo modo que os relógios. Eles são monumentos de uma consciência histórica da qual não parece mais haver na Europa, há cem anos, o mínimo vestígio. A Revolução de julho registou ainda um incidente em que essa consciência se manifestou. Terminado o primeiro dia de combate, verificou-se que em vários bairros de Paris, independentes uns dos outros e na mesma hora, foram disparados tiros contra os relógios localizados nas torres. Uma testemunha ocular, que talvez deva à rima a sua intuição profética, escreveu:
“Quem acreditaria? Diz-se que os irritados contra a hora, novos Josués, ao pé de cada torr, atiravam sobre os quadrantes para parar o dia.

Numa nova abordagem sobre a qualidade do momento inicial, a qualidade do momento catalizador, a partir da qual o curso da história se reorienta, Benjamin aborda o tempo significativo. O tempo que se memorializa através da festa. O tempo com património histórico, recordado (celebrado) pela festa revolucionária.

Teses sobre a História XIV

Décima quarta tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica“A Origem é o Alvo.”
Karl Kraus,  Palavras em verso
A história é objeto de uma construção cujo lugar não é o tempo homogêneo e vazio, mas um tempo saturado de “agoras”. Assim, a Roma antiga era para Robespierre um passado carregado de “agoras”, que ele fez explodir do continuum da história. A  Revolução Francesa se via como uma Roma ressurreta. Ela citava a Roma antiga como a moda cita um vestuário antigo. A moda tem um faro para o atual, onde quer que ele esteja na folhagem do antigamente. Ela é um salto de tigre em direção ao passado. Somente, ele se dá numa arena comandada pela classe dominante. O mesmo salto, sob o livre céu da história, é o salto dialético da Revolução, como o
concebeu Marx.

A questão do processo da história é aqui abordado por Benjamin como um campo de possibilidades. O passado apenas lhe interessa na medida é que legitima as leituras revolucionárias. A narrativa da utopia como possibilidade depende da ação dos sujeitos, e não das pré-determinações inatas.

 

Teses sobre a História XII

Décima Segunda Tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica
Precisamos da história, mas não como precisam dela os ociosos que passeiam no jardim da ciência.” Nietzsche, Vantagens e  desvantagens da história para a vida

O sujeito do conhecimento histórico é a própria classe combatente e oprimida. Em Marx, ela aparece como a última classe escravizada, como a classe vingadora que consuma a tarefa de libertação em nome das gerações de derrotados. Essa consciência, reativada durante algum tempo no movimento espartaquista, foi sempre inaceitável para a social-democracia. Em três decênios, ela quase conseguiu extinguir o nome de Blanqui, cujo eco abalara o século passado. Preferiu atribuir à classe operária o papel de salvar gerações futuras. Com isso, ela a privou das suas melhores forças. A classe operária desaprendeu nessa escola tanto o ódio como o espírito de sacrifício. Porque um e outro se alimentam da imagem dos  antepassados escravizados, e não dos descendentes liberados.”

Benjamin retoma aqui a sua polémica som as posições sociais democratas, que no contexto dessa escrita, teriam cconduzido à emergência do fascismo e ao aniquilamento da capacidade de luta dessa classe. Segundo Marx, os operários seriam os sujeitos de transformação da sua própria realidade.

Sabemos que o fascismo emergiu na Europa, sabemos as condições me que isso sucedeu. Agora a classe operária deixou de ser essa força transformadora. Na época da transição quem é o sujeito social dessa transformação ?

Teses sobre a História XI

Décima Primeira Tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica
O conformismo, que sempre esteve em seu elemento na social-democracia, não condiciona apenas suas táticas políticas, mas também suas idéias econômicas.  uma das causas do seu colapso posterior. Nada foi mais corruptor para a classe operária alemã que a opinião de que ela nadava com a corrente. O desenvolvimento técnico era visto como o declive da corrente, na qual ela supunha estar nadando. Daí só havia um passo para crer que o trabalho industrial, que aparecia sob os traços do progresso técnico, representava uma grande conquista política. A antiga moral protestante do trabalho, secularizada, festejava uma ressurreição na classe trabalhadora alemã.

O Programa de Gotha já continha elementos dessa confusão. Nele, o trabalho é definido como “a fonte de toda riqueza e de toda civilização”. Pressentindo o pior, Marx replicou que o homem que não possui outra propriedade que a sua força de trabalho está condenado a ser “o escravo de outros homens, que se tornaram… proprietários”. Apesar disso, a confusão continuou a propagar-se, e pouco depois Josef Dietzgen anunciava: “O trabalho é o Redentor dos tempos modernos… No aperfeiçoamento… do trabalho reside a riqueza, que agora pode realizar o que não foi realizado por nenhum salvador”. Esse conceito de trabalho, típico do marxismo vulgar, não examina a questão de como seus produtos podem beneficiar trabalhadores que deles não dispõem. Seu interesse se dirige apenas aos progressos na dominação da natureza, e não aos retrocessos na organização da sociedade. Já estão visíveis, nessa concepção, os traços tecnocráticos que mais tarde vão aflorar no fascismo. Entre eles, figura uma concepção da natureza que contrasta sinistramente com as utopias socialistas anteriores a março de 1848. O trabalho, como agora compreendido, visa uma exploração da natureza, comparada, com ingênua complacência, à exploração do proletariado. Ao lado dessa concepção positivista, as fantasias de um Fourier, tão ridicularizadas, revelam-se surpreendentemente razoáveis. Segundo Fourier, o trabalho social bem organizado teria entre seus efeitos que quatro luas iluminariam a noite, que o gelo se retiraria dos pólos, que a água marinha deixaria de ser salgada e que os animais predatórios  entrariam a serviço do homem. Essas fantasias ilustram um tipo de trabalho que, longe de explorar a natureza, libera as criações que dormem, como virtualidades, em seu ventre. Ao conceito corrompido de trabalho corresponde o conceito complementar de uma natureza, que segundo Dietzgen, “está ali, grátis”.

Longo discurso sobre a questão do trabalho na História. Mais propriamente sobre o trabalho na teoria económica, feita a partir da análise da história operária. Aborda a questão do progresso e do domínio da natureza, que, segundo Benjamin, criou a ilusão de que o consenso com a ética protestante melhorariam a situação dos operários, minorando os efeitos da exploração capitalista. Esse ilusão da social democracia sobre o trabalho conduziu as organizações dos trabalhadores a ficarem prisioneiras de ideias utópicas que limitaram a sua capacidade de reação ao fescismo.

Teses sobre a História X

Décima tese sobre a História de Walter Benjamin.

walterbenjamimarteepolitica

Os temas que as regras do claustro impunham à meditação dos monges tinham como função desviá-los do mundo e das suas pompas. Nossas reflexões partem de uma preocupação semelhante. Neste momento, em que os políticos nos quais os
adversários do fascismo tinham depositado as suas esperanças jazem por terra e agravam sua derrota com a traição à sua própria causa, temos que arrancar a política das malhas do mundo profano, em que ela havia sido enredado por aqueles
traidores. Nosso ponto de partida é a ideia de que a obtusa fé no progresso desses
políticos, sua confiança no “apoio das massas” e, finalmente, sua subordinação
servil a um aparelho incontrolável são três aspectos da mesma realidade. Estas
reflexões tentam mostrar como é alto o preço que nossos hábitos mentais têm que
pagar quando nos associamos a uma concepção da história que recusa toda
cumplicidade com aquela à qual continuam aderindo esses políticos.”

Tese complexa na sua estruturação. A analogia entre a pratica monacal e o contexto de Benjamin mostra uma forma de pensarem que o real é observado a partir dos próprios conceitos que forma. Segundo Benjamin,os políticos haviam capitulado ao fascismo (através da procura da negociação), convictos que tinham o apoio democrático (do povo) a com confiança nas suas instituições (do estado burguês), que lhes escapou ao controlo. Trata-se portanto do exercito e polícia. Os aparelhos de repressão.

A questão que levanta é um questionamento ao pensamento fora do real, ao comodismo do poder e das instituições, esquecendo a análise das tensões sociais, que apresentam configurações políticas que são fluxos da organização do poder.

Propõe portanto uma atitude revolucionária, que seria alinha com os tempos da história. Transpondo a tese para os dias actuais, dias em que assistimos ao fim duma ordem nacional, um intenso processo de globalização e uma reconfiguração das instituições, leva-nos a pensar que o historiador deve procurar torna-se um revolucionário. Um defensor do processo de transição.

Teses sobre a História IX

Nona tese sobre a filosofia da História de Walter Benjamim

walterbenjamimarteepolitica
Minhas asas estão prontas para o vôo,
Se pudesse, eu retrocederia
Pois eu seria menos feliz
Se permanecesse imerso no tempo vivo.”
Gerhard Scholem, Saudação do anjo

Há um quadro de Klee que se chama Angelus Novus. Representa um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, sua boca dilatada, suas asas abertas. O anjo da história deve ter esse aspecto. Seu rosto está dirigido para o passado. Onde nós vemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe única, que acumula incansavelmente ruína sobre ruína e as dispersa a nossos pés. Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar os fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que ele não pode mais fechá-las. Essa tempestade  o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de ruínas cresce até o céu. Essa tempestade é o que chamamos progresso.

Angelus Novus de Paul Klee

Uma das teses mais citadas de Benjamin. Boaventura de Sousa Santo usa-a sua Crítica da Razão Indolente, um livro sobre o qual estamos a trabalhar. O tempo do cronos que olha para trás, e vê ruínas e olha para a frente e vê a utopia. O progresso como utopia. Para elém da beleza do escrito, sobra-nos o encontro com o presente. Um presente que no contexto de Benjamin era sombrio. Também nós olhamos para esse progresso a partir das nossas ruínas.

Teses sobre a História VIII

Oitava tese sobre a filosofia da História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica

A tradição dos oprimidos nos ensina que o “estado de exceção” em que vivemos é na verdade a regra geral. Precisamos construir um conceito de história que corresponda a essa verdade.

Nesse momento, perceberemos que nossa tarefa é originar um verdadeiro estado de exceção; com isso, nossa posição ficará mais forte na luta contra o fascismo. Este se beneficia da circunstância de que seus adversários o enfrentam em nome do progresso, considerado como uma norma histórica. O assombro com o fato de que os episódios que vivemos no séculos XX “ainda” sejam possíveis, não é um assombro filosófico. Ele não gera nenhum conhecimento, a não ser o conhecimento de que a concepção de história da qual emana semelhante assombro é insustentável.

Uma tese que nos mostra a experiência do horror do contexto. A ação, nesse caso de luta contra o fascismo, necessitava do tal estado de exepção, tal como hoje a acção contra o global exige um novo estado de exepção. A questão que hoje nos diferencia em relação a Benjamin é a percepção de redenção. Na sua época, rejeitava-se a filosofia fascista, com toda a sua estética e ética com a consciência de que havia uma alternativa a construir. hoje parece que temos mais dificuldade em olhar para essa redenção alternativa sem repensarmos a relação do ser com o outro.

O encontro como redenção será então uma tese para a história

Teses sobre a História VII

Sétima tese sobre a História de Walter Benjamim

walterbenjamimarteepoliticaPensa na escuridão e no grande frio Que reinam nesse vale, onde soam lamentos.” Brecht, Ópera dos três vinténs 

Fustel de Coulanges recomenda ao historiador interessado em ressuscitar uma época que esqueça tudo o que sabe sobre fases posteriores da história. Impossível caracterizar melhor o método com o qual rompeu o materialismo histórico. Esse método é o da empatia. Sua origem é a inércia do coração, a acedia, que desespera de apropriar-se da verdadeira imagem histórica, em seu relampejar fugaz. Para os teólogos medievais, a acedia era o primeiro fundamento da tristeza.

Flaubert, que a conhecia, escreveu: “Pouca gente se apreceberão como foi possível estar triste para ressuscitar Cartago”. A natureza dessa tristeza se tomará mais clara se nos perguntarmos com quem o investigador historicista estabelece uma relação de empatia. A resposta é inequívoca: com o vencedor. Ora, os que num momento dado dominam são os herdeiros de todos os que venceram antes. A empatia com o vencedor beneficia sempre, portanto, esses dominadores. Isso diz tudo para o materialista histórico. Todos os que até hoje venceram participam do cortejo triunfal, em que os dominadores de hoje espezinham os corpos dos que estão prostrados no chão. Os despojos são carregados no cortejo, como de praxe. Esses despojos são o que chamamos bens culturais. O materialista histórico os contempla com distanciamento. Pois todos os bens culturais que ele vê têm uma origem sobre a  qual ele não pode refletir sem horror. Devem sua existência não somente ao esforço dos grandes gênios que os criaram, como à corvéia anônima dos seus contemporâneos. Nunca houve um monumento da cultura que não fosse também um monumento da barbárie. E, assim como a cultura não é isenta de barbárie, não o é, tampouco, o processo de transmissão da cultura. Por isso, na medida do possível, o materialista histórico se desvia dela. Considera sua tarefa escovar a história a contrapelo.”

Palavrosa e extensa, esta tese alerta para a distinção entre a sedução do passado e a compreensão do passado. Segundo Benjamin, os bens culturais, como despojos dos vencedores são isso mesmo, narrativas sobre a violência que permite a opressão. A história é feita de violência e o que é um trabalho de um génio, é também um trabalho dos anónimos seus contemporâneos. De alguma forma escrita da história terá que ser sempre uma escrita subversiva.

Teses sobre a História VI

Sexta tese sobre a História de Walter Benjamim

walterbenjamimarteepoliticaArticular historicamente o passado não significa conhecê-lo “como ele de fato foi”. Significa apropriar-se de uma reminiscência, tal como ela relampeja no momento 
de um perigo.

Cabe ao materialismo histórico fixar uma imagem do passado, como ela se apresenta, no momento do perigo, ao sujeito histórico, sem que ele tenha consciência disso.

O perigo ameaça tanto a existência da tradição como os que a recebem. Para ambos, o perigo é o mesmo: entregar-se às classes dominantes, como seu instrumento. Em cada época, é preciso arrancar a tradição ao conformismo, que quer apoderar-se dela. Pois o Messias não vem apenas como salvador; ele vem também como o vencedor do Anticristo. O dom de despertar no passado as centelhas da esperança é privilégio exclusivo do historiador convencido de que também os mortos não estarão em segurança se o inimigo vencer. E esse inimigo não tem cessado de vencer.”

Walter Benjamin regressa com esta tese à questão do momento histórico e da sua característica. Do seu significado dialético, crítico que se distingue do historicismo acrítico. Para o historiador, cada momento da sua análise crítica deve ser fixada em função dessa tensão essencial. Da sua força transformadora, que muitas vezes vai para além da consciência do sujeito participante. Por isso distingue tradição do conformismo. Sendo que a história deve procurar nessa tradição a sua força redentora. Uma foraç redentora que é aqui apresentada sob uma forma mística duma centelha de esperança transportada pelo Messias que se opõe ao Anticristo. A história e a tradição não é apenas passado, é uma arma de combate da memória de futuro.

Teses sobre a História V

5º tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepoliticaA verdadeira imagem do passado perpassa, veloz. O passado só se deixa fixar, como imagem que relampeja irreversivelmente, no momento em que é reconhecido. “A verdade nunca nos escapará” — essa frase de Gottfried Keller caracteriza o ponto exato em que o historicismo se separa do materialismo histórico. Pois irrecuperável é cada imagem do presente que se dirige ao presente, sem que esse presente se sinta visado por ela.”

Neste tese Benjamin procura distinguir a qualidade do evento. O presente é um momento que quando nele pensamos já passou. Já é passado. Perante essa impossibilidade de capturar o presente, importa distinguir, segundo Benjamin, o ruído da essencia musical. Assim como apenas o virtuosismo da harmonia interessa na composição musical, ou do belo na arte, ao historiador interessa selecionar as imagens que caracterizam o processo de transformação. Interessa distinguir o que está a emergir de novo, do que é apenas reprodução estéril de eventos sem futuro. O historicismo trabalha sobre a reprodução do estéril. O materialismos histórico trabalha sobre as condições de transformação.

Teses sobre a História IV

Diz Walter Benjamin na sua quarta tese sobre a História

Lutai primeiro pela alimentação e pelo vestuário, e em segwalterbenjamimarteepoliticauida o reino de Deus virá por si mesmo”. (Hegel, 1807)

A luta de classes, que um historiador educado por Marx jamais perde de vista, é uma luta pelas coisas brutas e materiais, sem as quais não existem as refinadas e espirituais. Mas na luta de classes essas coisas espirituais não podem ser representadas como  despojos atribuídos ao vencedor. Elas se manifestam nessa luta sob a forma da confiança, da coragem, do humor, da astúcia, da firmeza, e agem de longe, do fundo dos tempos. Elas questionarão sempre cada vitória dos dominadores. Assim como as flores dirigem sua corola para o sol, o passado, graças a um misterioso heliotropismo, tenta dirigir-se para o sol que se levanta no céu da história. O materialismo histórico deve ficar atento a essa transformação, a mais imperceptível de todas.”

Súbtil interpretação dos objetos históricos referenciados como arte. Tesouros da humanidade ou apenas objetos relevantes. Sendo certo que a produção do belo obriga à satisfação das necessidades básicas, mais materiais. Também não é menos certo, e essa á a tese do autor, que nessa produção do belo estão os sinais das contradições da sociedade e dos contextos em que as obras são produzidas. Como diria o velho Marx, nesse objetos, burgueses, estão presentes os princípios da sua contradição. A sua natureza dialética que permite a emergência do novo. Há uma crença no destino da humanidade. Na sua redenção.